19.7.14

Lento - Capitulo 12


~

DEMI ESTAVA morrendo. E vivendo. Flutuando. Voando. Tanto chorando em frustração quanto gritando em puro deleite, enquanto tinha um clímax atrás do outro. Durante a hora que se seguiu, enquanto Joe... com sua boca incrível e mãos milagrosas... continuava tocando, beijando, provando cada centímetro de seu corpo, ela se descobriu incapaz de fazer qualquer coisa, exceto apreciar aquilo.

Pensamentos racionais desapareceram. Havia somente sensações. Nenhuma decisão de arquear o corpo quando a língua dele circulava seu mamilo, apenas uma necessidade primitiva de tê-lo lambendo-a novamente. Nenhuma consciência de que Joe pretendia fazer o amor mais íntimo com a boca, só o deleite absoluto quando aquela língua quente escorregou entre suas dobras úmidas e mergulhou em seu centro.

– Ah, Deus, de novo? – gemeu Demi, incrédula quando a pressão se construiu, então se transformou num calor que se espalhou por todo o seu corpo.

Ela não soubera que era capaz de atingir o clímax tantas vezes seguidas. As ondas de prazer

continuaram vindo, de maneira incessante, como aquelas que batiam na praia durante uma violenta tempestade de inverno. Elas se construíram, levando-a para o topo, antes que a fizessem explodir num orgasmo selvagem. Então Demi se acalmava, apenas para que tudo começasse de novo com uma carícia aqui ou um beijo ali.

Ela entendia agora. Por que mulheres brigavam por ele.

O homem devia ser o melhor amante do mundo.

– Eu acho que preciso estar dentro de você agora, Demi.

– Eu diria que já não era sem tempo – concordou ela. – Mas estaria mentindo se não admitisse que amei cada segundo.

– Eu sei. – Ele falou sem convencimento. Apenas com incrível autoconfiança.

Joe subiu pelo seu corpo, finalmente abrindo o jeans e deslizando-o pelos quadris até removê-lo, enquanto se posicionava em cima dela. Demi beijou-o, lambendo-lhe a boca, provando-o com a língua.

Mas não ia deixá-lo colocar um dos preservativos que pegara da gaveta de seu criado-mudo, sem, pelo menos, um gesto de reciprocidade antes. Estava ansiosa para experimentar um pouco do que ele tinha feito. Tocar, acariciar, no mínimo, vê-lo. Ele detivera seu esforço prévio de fazer isso, em sua determinação de lhe dar prazer.

Agora a incrível força de vontade parecia finalmente ter abandonado Joe. Ele estava quase além de pensamento racional também.

Demi empurrou-o sobre as costas, ajoelhando-se ao lado dele, olhando para o imenso peito dourado, os pelos macios circulando os mamilos masculinos. Pelos que formavam uma trilha estreita que descia pelo estômago reto e desaparecia sob o cós da cueca samba-canção.

– Ah, meu Deus – sussurrou ela, vendo o enorme volume sob a cueca. Certamente sentira o poder de Joe pressionado contra seu corpo, mas seus olhos ainda não tinham experimentado o prazer. Nem suas mãos. Ou sua boca.

Isso estava prestes a mudar.

Ela estendeu o braço, experimentalmente, tocando um ponto de umidade no tecido. Quase atordoada de desejo, levou o dedo à boca e provou-o. – Demi...

– Eu não quero ouvir uma palavra sua – avisou ela com firmeza. – Nem uma única palavra.

– Sim, senhora. – Risada dançou nos olhos dele, mas não escapou pela boca. Não, a boca de Joe estava muito ocupada emitindo um gemido gutural, enquanto Demi lhe removia a cueca.

Ela foi cautelosa no processo, querendo que a ereção magnífica se revelasse de forma lenta e sedutora, como seus seios haviam sido revelados para ele. Como se ela estivesse abrindo um presente especial que ia fazê-la muito feliz.

Bem, não estava?

Sua mão tremeu quando seu dedinho roçou contra a pele incrivelmente sedosa sob o algodão. Alguma louca ansiedade a fez fechar os olhos, querendo adiar o delicioso momento de exposição.

Quando finalmente tinha descido a cueca pelos quadris dele, Joe ergueu um pouco o corpo e livrou-se da peça de roupa.

E Demi finalmente abriu os olhos.

– Ah, Joe – sussurrou ela, incapaz de conter um pequeno gemido de surpresa. Não por quão rígido, excitado e orgulhoso ele estava, mas diante da pura beleza masculina de Joe. Ainda ajoelhada ao lado de seu quadril, Demi sorriu, enquanto olhava para o membro de pele aveludada, com avidez.

Seu último amante tinha sido muito longo e fino ali, acreditando que a extensão extrema tornava qualquer tipo de habilidade desnecessária.

Joe, por sua vez, era completamente diferente. Ele podia não ter uma extensão incomum, mas ela devia ter esperado, considerando a largura dos ombros e peito dele, que o homem seria inacreditavelmente grosso em outros lugares também.

Meu Deus.

Logo ele estaria fazendo o que prometera mais cedo... preenchendo-a tão completamente que Demi imaginaria se ia se partir ao meio.

Eles pareciam ter pulado o básico de um novo relacionamento sexual, como Demi entendia aquilo. O que significava que não precisavam esperar até uma segunda ou terceira vez que dormissem juntos para fazer o que ela estava morrendo de vontade de fazer. Estendendo a mão, alisou-lhe a ereção uma vez, depois, delicadamente, tocou os testículos tensos abaixo.

Ele arfou. Ela permaneceu resoluta. Abrindo a mão, circulou-o o máximo que foi capaz, então se moveu lentamente para mais perto, sua boca aguando de desejo.

– Demi!

– Nem uma palavra – relembrou ela.

Então não houve mais conversa, apenas a sensação de seus lábios deslizando sobre a cabeça arredondada, sua língua umedecendo-o o bastante para que ela pudesse tomar um pouco mais. E mais um pouco, depois disso.

Percebendo as mãos fechadas e os músculos rígidos do estômago de Joe, que diziam que ele estava lutando arduamente para permanecer no controle, Demi não mostrou misericórdia.

Apreciava o gosto dele. Gostava da sensação de tê-lo em sua boca. Gostava do roçar da carne rígida contra o interior de suas bochechas e do gemido que Joe emitiu quando ela o tomou o mais profundamente possível.

Foi quando ele perdeu o controle.

Sem outra palavra, Joe afastou-a de si. Agarrando-a pelos ombros, puxou-a para cima, deitando-a sobre as costas com tanta rapidez que ela nem mesmo teve tempo de processar a mudança de posição.

– Eu acho que não.

Demi fez um biquinho intencional, adorando ter deixado Joe num estado de tanto desespero.

– Mas eu estava me divertindo.

– Você pode ter mais desse tipo de divertimento mais tarde. Eu não vou liberar meu prazer em sua boca. Quero fazer isso dentro do seu corpo.

– Minha boca é parte do meu corpo...

Ele a penetrou com um dedo, fazendo-a arfar e se arquear contra sua mão.

– Aqui. Eu quero estar aqui. - Outro dedo se juntou ao primeiro, e ele os movimentou, fazendo amor com ela lentamente... preparando-a. – No momento, eu acho que preciso estar dentro de você mais do que preciso viver até meu aniversário de 30 anos.

Envolvendo os braços ao redor do pescoço dele, Demi murmurou:

– Bem, não podemos arriscar que você não sobreviva até os 30.

Joe beijou-a, de maneira profunda e apaixonada, então pegou o preservativo que já tinha aberto. Ela estendeu o braço para ajudá-lo, mas ele empurrou-lhe a mão.

– Não me provoque, baby, eu estou por um fio.

– Isso significa que tudo vai acabar muito rapidamente? – perguntou ela, incapaz de esconder uma ponta de decepção da voz.

Em vez de ficar ofendido, Joe jogou a cabeça para trás e riu.

– Ah, não. Significa que, uma vez que eu estiver em seu interior, você não pode mais me atormentar.

– Atormentar você? – Demi arqueou uma sobrancelha. – Era isso que eu estava fazendo?

– Sim, baby, era, e sabe disso. Você estava tentando me enlouquecer, e, ah, estava definitivamente conseguindo.

Que bom.

– E estar dentro de você também vai me enlouquecer – admitiu ele. – Mas lá, pelo menos, eu posso ficar muito imóvel. – O tom rouco na voz prometia deleites incríveis, seduzindo-a, palavra por palavra. – Eu posso me satisfazer com a sensação de você ao meu redor. Sem se mover, apenas saboreando.

– Sem me mover? – A ideia de tentar permanecer imóvel quando aquilo estivesse em seu interior ia além da compreensão de Demi.

– Nem um único músculo – respondeu ele. – Não até que eu me sinta capaz de realmente começar.

Começar. Ah, meu Deus. Como se ela já não tivesse tido mais orgasmos na última hora do que durante seu relacionamento inteiro com seu ex-namorado.

Joe apartou-lhe as pernas... o bastante para acomodá-lo, e Demi arqueou o corpo para cima, abrindo-se em boas-vindas. Talvez de maneira um pouquinho vacilante.

Como se percebendo, Joe beijou-a carinhosamente, sussurrando palavras suaves contra sua boca e fazendo-a relaxar, dizendo-lhe que nunca faria qualquer coisa para machucá-la.

Lentamente, com mais daquela contenção inacreditável que ele parecia ter, Joe deslizou para seu interior. Apenas a ponta de seu membro, então mais um centímetro, e depois mais um. Até que, finalmente, aprofundou a penetração, extraindo um gemido gutural de ambos.

Como tinha prometido, ele a preencheu completamente.

Ela gemeu, precisando se mexer, impressionada por quão deliciosa era a sensação. Seus músculos reagiram, apertaram Joe em seu interior.

– Espere – murmurou ele.

– Eu não estou me mexendo – protestou ela em sua própria defesa.

– É claro que está.

Demi comprimiu-o novamente, impotente em relação à resposta instintiva de seu corpo.

Desta vez, ele não lhe pediu para parar, mas meramente a distraiu, abaixando uma mão entre eles. Brincando com seu clitóris, colocou todo o foco de Demi ali. Preenchida por ele, coberta por ele, tudo se uniu mais uma vez, e dentro de momentos, ela estava gritando, enquanto atingia outro clímax.

– Humm – gemeu Joe, os olhos fechados, obviamente sentindo as contrações involuntárias de cada músculo de Demi.

Por fim, quando ela começou a se sentir sã de novo, Joe se retirou, lentamente, deslizou de volta, com a mesma lentidão, indo um pouco mais fundo, estendendo-a um pouco mais, acabando de enlouquecê-la.

– Agora, Demi – sussurrou ele com voz rouca, soando como se finalmente estivesse abrindo mão do controle –, nós estamos começando.

~

4 comentários:

  1. Simplesmente perfeito!!! Posta mais!!!! Que tal uma maratona?

    ResponderExcluir
  2. preciso de mais
    eles estão se enlouquecendo, e a mim também hahahaha
    posta logo

    ResponderExcluir
  3. GENTE!!!!! AMEI, Posta mais ajksks to adotando a fic...
    Bjs lua, vulgo jemi fics, to com preguiça de logar kkkkk

    ResponderExcluir