6.7.14

Stripped - Capitulo 12 - FIM DA MARATONA 10/10

 
~
— O quê? — Minha voz está mais do que um pouco histérica. Vários alunos do Escritório de Serviços Financeiros que estavam na sala de espera levantaram suas cabeças de seus telefones e notebooks para olhar para mim com curiosidade. — O que você quer dizer, que foi pago? 
A mulher do outro lado do balcão, olhou para mim como se eu pudesse ser um pouco lenta. — Quero dizer... o saldo foi pago. — Ela bate no seu teclado, em seguida, olhou para mim. — Na verdade, a taxa de matrícula, bem como alojamento e alimentação foram pagos. Você tem um saldo zero. Uma conta poupança foi estabelecida, sendo isso, o que parece. — Ela é uma pequena mulher de trinta e poucos anos, bonita de um jeito rígido e apressado de ser.
— Uma o quê?
Ela franze a testa para mim. — Uma conta poupança. Isso significa que há mais dinheiro disponível, dispostos e organizado para débito automático, para o restante do seu curso. Para os custos de dormitório e seu plano alimentar, é o que parece. Eu não sabia que essas coisas existiam, sinceramente. — Ela me deu um pequeno, sorriso apertado. — Alguém gosta de você, Senhorita Lovato.
— Eu não ... Eu não entendo.
— É muito simples, realmente. Alguém pagou o resto da sua educação.
— Desculpe-me se se estou agindo estupidamente, eu... eu não entendo quem seria, quem poderia... — Eu me cortei, porque sei. Eu fecho meus olhos lentamente e tento não chorar ou explodir. — Obrigada. — sussurro as palavras e viro nos meus calcanhares para sair do escritório. Uma vez fora, eu apenas sento no Rover.
O couro é frio sob minhas pernas, e rajadas de ar frio no meu rosto. É quente como algo exterior, mas o Rover fica gelado em instantes. O Rover tem rádio via satélite, e eu estou viciada. Musicalmente, eu gosto de tudo, até mesmo hip-hop e pop, mas as minhas raízes sulistas vieram através do meu amor pela música country. “More than Miles", de Brantley Gilbert começa a tocar. Esta canção, Deus, é como estar em casa, meu lar como era antes. Eu tenho uma memória de andar no banco da frente da BMW da mamãe, janelas abertas e o vento enrolando o cabelo enquanto Tim McGraw explodia nos alto-falantes. Mamãe adorava Tim. Pai não aprovava já que não era Steve Green e Michael W. Smith e Steven Curtis Chapman, mas foi sempre o nosso segredo, a caminho de casa da aula de dança ou durante nossos passeios em torno da cidade.
A canção termina, e um DJ do sexo feminino vem, vibra momentaneamente e, em seguida, parte meu coração. — Voltando no tempo com este. Este é o sempre delicioso Tim McGraw, com: ―Don‘t take the girl.
A música favorita da mamãe. Eu choro descontroladamente, e eu me deixei sentir falta dela, sinto falta dela, pela primeira vez em meses.
Quando cansei de chorar, eu tinha que fazer alguma coisa, ou eu iria desmoronar.
Se eu ainda tiver um emprego depois de não ligar e não aparecer no sábado e ontem, meu turno vai começar em cerca de vinte minutos. Se eu não for, Joe ganha. Ele pagou as minhas aulas, plano alimentar e basicamente me deixando sem nenhuma razão para trabalhar.
Eu nunca disse que não era teimosa.
Eu não paro para pensar nisso. Eu só viro o caro SUV para o Exotic Nights e fico maravilhada com o quão rápido eu cheguei a me sentir confortável neste veículo. Quando eu puxo para o estacionamento, no entanto, eu não posso acreditar nos meus olhos. Não há carros no estacionamento. Claro que em uma tarde de segunda-feira não há muitas pessoas, apenas Timothy e alguns dos frequentadores ferrenhos, mas geralmente há alguém. O estacionamento está vazio. Eu estaciono o Rover e vou para a porta da frente, e meu coração para.
Há um pedaço de papel impresso pendurado no interior da porta, com uma mensagem curta e simples impressa em uma fonte imensa.
FECHADO PERMANENTEMENTE. Futuro lar de BOB'S BOOZE CAVE. .
Isso é uma piada?
Eu puxo a maçaneta da porta, mas ele só chocalha, bloqueado. Eu vou para o lado, para a porta que leva à área dos bastidores e os camarins. Ela está trancada também, mas isso não é surpreendente, uma vez que está sempre trancada para lado de fora.
O clube foi vendido? O quê? Eu fico no estacionamento, assando no calor do final da tarde, o suor escorrendo entre meus ombros, minha cabeça girando. Como poderia ter sido vendido a uma loja de bebidas? Pode não ter sido um Club de muito sucesso como o Deja Vu, ou um lugar sofisticado, como o Skin ou Spearmint Rhino, mas ainda dava um bom lucro. Nós servíamos bebidas de baixa qualidade para homens-de-pouca-sorte e homens-de-classe-baixa.
Mas... uma loja de bebidas? BOB'S BOOZE CAVE? Sério?
Minha cabeça está prestes a explodir.
Então... a moeda cai.
Não.
Não.
Claro que não.
Ele não fez isso.
Eu giro sobre os calcanhares e tempestivamente de volta para o carro. Eu afundo no assento de couro da Rover... Que eu realmente comecei a pensar como em meu Rover... e tentei decidir se eu iria gritar, chorar, rir, ou todos os três.
Ele fez isso. Eu sei que ele está por trás disso. Ele tem dinheiro para queimar, e ele mesmo disse que o dinheiro não significa nada para ele. Mas será que ele jogou, eu nem sei quanto... vários milhões de dólares? Apenas para certificar de que eu não volte a me despir?
Só ele poderia ter feito isso.
Na verdade... Eu sei que ele faria exatamente isso.
Corro o Rover pelas ruas de Los Angeles em direção a Beverly Hills, a uma velocidade imprudência que teria feito Joe orgulhoso. Em 30 minutos estou na porta do seu bairro, e o guarda apenas acena para passar. Como é que ele me conhece? Será que ele reconhece esse carro? Será que Joe disse a todos os guardas quem eu sou? Eu resisto ao impulso de gritar os pneus abaixo da rua larga para sua casa. É um bairro depois de tudo. Eu puxo para a calçada em um ritmo calmo e paro sob o arco. Sua Bugatti está estacionada na garagem aberta. Uma caminhonete vermelha surrada está na garagem, a máquina é uma coisa enorme, os pneus gigantes levantados com mola, fazendo a caminhonete parecer ainda mais alta. Ela está toda suja, e eu ouço o motor ligado quando estou passando por ela. Não parece ser muito o tipo de Joe, esta caminhonete toda machona, mas, novamente, ele é assim. Eu bato na porta da frente com meu punho, agarrando minha alça da bolsa no meu ombro com a outra mão. Estou tremendo toda, mesmo depois de uma meia hora para me acalmar.
Joe atende a porta envolto em uma pequena toalha branca, com o cabelo molhado e colado à cabeça, gotas de água escorrendo pelo seu peito esculpido. Ele tem uma escova de dentes na boca e um pouco de espuma do creme dental no queixo. Ele empurra a porta aberta e segura, e eu avanço passando por dele. Ele tem um cheiro delicioso, como algo cítrico em camadas sobre shampoo e desodorante.
Minha mão se move por conta própria, alcançando para tirar a pasta de dente do queixo com o polegar. Eu estou de pé perto dele, e eu sinto o calor ondulando fora dele.
Eu momentaneamente esqueço por que estou com raiva dele.
Ele tem a escova de dentes preso entre os molares do lado direito de sua boca, e está encostado na porta. Sua toalha parece perigosamente perto de cair, mas ele a agarra com uma mão, puxando a escova de dentes da boca com a outra. — Eu estava me perguntando se eu ia receber uma visita sua. — Sua voz é fria e divertida, mas seus olhos são tempestuoso e nublado-cinza, sua cor para pensamentos tumultuosos e emoção fervente.
— Você... você... — Eu não consigo falar.
Ele está nu tanto quanto um homem pode ficar sem estar realmente nu, e é muito perturbador, porque eu tenho visões correndo pela minha cabeça, de lamber as gotas de água em seu peito. Eu fisicamente me impeço de realmente fazê-lo, agarrando no batente da porta.
— Eu estava no chuveiro, — ele acaba por mim. — E você está suada o suficiente para que pudesse tomar um você também. — Ele se inclina sobre mim e cheira. — Mas você cheira bem. Você cheiraria ainda melhor se fosse o meu suor em sua pele. — Sua voz vibra no meu ouvido, íntimo e sugestivo.
Que novo jogo diabólico é esse? O que ele está fazendo comigo? Eu estou presa no lugar. Ele está baixando o pedaço de toalha, apenas ligeiramente. Eu posso ver o V de seus músculos da virilha, e agora uma sombra de cabelos pretos aparados. Ele vai deixá-lo cair, aqui em seu foyer. Ele está tentando me distrair de estar zangada com ele. E definitivamente está funcionando.
Eu me viro e coloco minha cara na porta. — Droga, Joe...
— Você acabou de xingar? Eu não tenho certeza de que alguma vez já xingou. — Sua voz está em meu ouvido, tão perto.
Por que ele não pode me deixar em paz? E por que eu realmente não quero que ele deixe?
— Você pagou minhas mensalidades.
— E o seu alojamento e alimentação. Não se esqueça disso.
— E o clube? — Eu sussurro. Outra tendência minha quando eu estou lidando com Joe.
— Oh, isso? — Ele parece satisfeito consigo mesmo. Não me atrevo a olhar para ver sua expressão presunçosa. Posso imaginá-lo bem o suficiente. — Meu amigo Avi estava no mercado para uma nova propriedade, então eu fiz uma oferta para aquele verme de merda, o Tim, que ele não podia recusar. — Ele diz que esta última parte de uma razoável atuação de Marlon Brando, mas eu estou tão chocada e irritada que até mesmo a sua citação de Godfather não me impressiona.
— Tim? Timothy van Dutton?
— Sim, aquele pequeno filho da puta. Ele não queria vender, mas todo mundo tem um preço. Acontece que o preço de seu amigo Tim era de dois milhões. — Ele diz que isso casualmente.
Eu não posso deixar de me perguntar o que Candy e as outras vão fazer agora que o clube está acabado.
— Você gastou dois milhões de dólares para fechar o clube, só para que eu não trabalhasse mais lá? — Eu roubei um olhar sobre Joe, o que é um erro, porque ele está segurando frouxamente a toalha ao redor da cintura, me provocando com vislumbres do que se encontra abaixo dela.
Ele apenas deu de ombros. — Sim. Era uma merda imunda de qualquer maneira, e Tim era um verme. Você não pode honestamente dizer que está brava por isso, não é?
Eu andei longe dele, lutando para respirar e pelas as palavras.
— É... mas, minhas aulas e tudo isso. Deve ter sido...
— Nem sequer cinquenta mil. — Ele faz um gesto de desprezo.
— Fichinha. Mas não é sobre o dinheiro. É sobre você.
Cinquenta mil. Fichinha. Minha cabeça gira. — Eu não entendo.
Ele me alcança com uma mão no meu braço e puxa suavemente minhas costas contra seu peito. Ele está molhada ainda, e minha camisa gruda em seu peito. — É simples, Demi. Eu sou uma criança mimada. Eu sempre consigo o que eu quero. Sempre. E eu quero você só para mim. Eu não quero que você trabalhe mais lá, e eu sabia que você ia lutar sobre isso, por isso, apenas tornei a luta impossível. Eu não me importo quanto custa, eu tenho que ter você só para mim.
— Isso é trapaça.
— Onde está o livro de regras para isso? 
— O que é que está dizendo?
— Tudo é justo no amor e na guerra, não é?
— O que é isso? Amor? Ou guerra?
— Ambos. Nenhum. É o que você quiser, amor. — Sua voz ressoa no seu peito, vibrando contra a minha espinha. Sua mão está em meu braço, o outro preso entre nós, mantendo a toalha no lugar.
   Oh, Deus. Oh, Senhor, ajude-me. Eu posso senti-lo, tudo dele, pressionado contra o meu traseiro.
— Joe, por que você está fazendo isso?
— Por que você está lutando? 
— Porque, tudo isso é muito. Você é... você é demais.
— Eu sou apenas um cara.
Eu balancei minha cabeça. Meu cabelo se apega às contas de água em seu peito. Estou super consciente de como meus seios balançam. Ele me faz consciente de mim mesma, do meu corpo. — Não, você é mais. Você é muito mais. Você é... isso, essa experiência. Eu estou muito longe de você, quando estou perto. Eu me perco quando eu estou com você.
Isto o acerta. Eu o sinto tenso com as minhas palavras. — Você tem alguma ideia do efeito que tem sobre mim? — Ele riu suavemente. — Você me vira do avesso. Eu nunca... Eu nunca me importei antes. Não tanto. Com ninguém. Depois que minha mãe morreu, eu meio que desliguei, e nunca me recuperei. Meu pai sempre foi estranho, peculiar e recluso, mas quando ela morreu, ele apenas desapareceu. basicamente, eu me levantei... bem, Vickers, o mordomo, estava lá para mim. E Betty, a governanta.
Eu não posso deixar de rir. — Você tinha um mordomo chamado Vickers? 
— Cale a boca. — Ele riu. — Eu não sabia o nome do cara. E "mordomo" é apenas um tipo de palavra. Pense em Alfred, de Batman. Ele fez tudo para Bruce, sabe? Isso é como Vickers era. Administrava a casa, mantinha o controle de tudo. Fez com que eu fosse para a escola e merdas assim. Ele não era o tipo "abraços à noite", mas ele me socorreu de alguns arranhões ao longo dos anos.
Ele fez uma pausa, respirou, seu peito inchou nas minhas costas, e expirou profundamente. Ele está afastando memórias. Eu sei um pouco sobre isso.
— De qualquer forma. Você e eu. O que você faz para mim. Você não pode me distrair com isso. Você precisa saber. — Ele se inclina para mais perto e sua proximidade faz minha pele formigar e meus mamilos endurecer. Traidores. Eu sinto o pulsar quente, já familiar no fundo. — Você me faz sentir as coisas. E tem que saber o grande negócio que isto é para mim. Eu comecei a atuar, realmente atuar, sabe? Levando isso a sério e fazer papéis que eu escolhi, porque eu queria sentir. Tive de agir na tela, porque eu não conseguia sentir nada quando eu era apenas Joe. Nada, exceto este tipo vago de solidão que eu estava acostumado, porque eu cresci sozinho. Vickers era estóico e britânico, e Betty foi apenas uma senhora com seus próprios filhos para se preocupar. Então eu parei de sentir as coisas, porque era mais fácil. Estar em Hollywood, você cresce em torno da vida, você amadurece lá, como eu fiz. Drogas e a bebida alcoólica são apenas coisas normais. Eu tive a minha primeira linha de coca quando eu tinha doze anos... Aprendi a festejar muito cedo. Isso meio que preencheu os buracos. Então, quando atingi a puberdade, as meninas eram parte dela. Eu sempre estive cercado delas, sabe? Sempre. Isso era apenas fácil. Elas enchiam os espaços em mim também. Mas... tudo isso foi passageiro. Era minha vida. Meninas, drogas, bebidas, festas, filmando ao redor do mundo. Sendo uma estrela. Era maravilhoso, era a vida que todos sonham. Mas era sempre apenas eu. Sozinho, após a festa acabar e as meninas irem para casa. Nenhuma dessas meninas significava nada. Todas bagunçadas. Um trem cheio de putas que usei para distração. Elas não podiam fazer nada para mim quando era algo que importava.
Tentei me virar em  seus braços, mas ele não me deixou. Ele está falando para o meu cabelo, encostado no  topo da minha cabeça, seu hálito quente no meu couro cabeludo. Eu fiquei quieta e deixei que ele falasse, tendo estas revelações. Cada palavra faz Joe cada vez mais real, e muito mais abrangente, envolvente, intenso.
— Eu estava trabalhando no último filme de Caim Riley. Nós estávamos filmando dentro de... Praga? Yeah, Praga. Últimas duas semanas de filmagens. Eu estava festejando como uma porra de uma estrela do rock por dias, indo para as filmagens estragado. Mas eu conseguia arrasar nas cenas. Caim era esse tipo sombrio de personagem, todas as arestas duras, valentão. Assim, aquela coisa de "eu não dou a mínima" e olhar desdenhoso que eu mostrei no filme, eram realmente meus. Acabou que serviu muito bem ao personagem. Eu estava tão perdido. E então um dia acordei na parte de trás de um clube na desagradável de Praga. Eu desmaiei, e eles fecharam o lugar, só para mim, para que eu pudesse desmaiar. Como se eu fosse me importar que a festa estava selvagem ou qualquer coisa do tipo enquanto eu estava desmaiado. Tanto faz. Eu acordei, e eu tinha sangue no meu rosto, debaixo do meu nariz e queixo. Havia vômito por toda parte. Eles só... me deixaram lá. Deixaram-me vomitar. tornou-se tão comum para mim desmaiar que eles não se preocuparam em verificar, porque eu sempre estava bem. Tire algumas fotos, fale uma frase, beba um pouco de café. Vamos para a próxima cena.
Joe inclina a cabeça para trás, afastando-se na memória.
— E eu percebi, sabe, que eles não se importavam. Enquanto eu fizesse boas cenas, eles não se importariam. E eu ia acabar como a minha mãe. Foi pura sorte que eu não morri naquela noite, no clube, que eu não tive uma overdose, igualzinho à minha mãe. Então eu tentei  ficar sóbrio por conta própria e passar pelo resto das cenas, tentando não acabar como ela, então... Eu terminei de filmar Veiled Threats e entrei em reabilitação. Foi quando eu desapareci. Reabilitação era mais para eu me manter longe, sabe? Quero dizer, merda, sim, eu tinha um problema, mas não foi o vício às drogas. Foi o vício aos sentimentos. Senti coisas quando eu estava selvagem, quando eu estava viciado naqueles sentimentos. Era bom. Mas eram coisas vazias, entende? Talvez não. Talvez você sinta muito, sente tudo tanto que pode não fazer qualquer sentido para você. Isso é o que eu acho que o problema é. Você sente muito.
E então eu estou completamente cativada, ele apoia o queixo na minha cabeça e continua a falar, com um braço em volta de mim, me segurando no lugar. — Eu não sinto o bastante. Nunca senti. Então eu conheci você. Naquele clube idiota. E você era essa... essa criatura gloriosa. Você era como um anjo, preso no inferno. Você não poderia estar mais fora do lugar, nem se tentasse. Eu te vi no chão, sabe. E depois a dança no palco. Você... capturou-me. Todos aqueles pobres, suados e gordurosos idiotas miseráveis. Você era tão diferente das outras strippers com olhos vazios e apáticas que você vê em clubes assim. Onde os sorrisos não atingem os olhos. Onde a sexualidade é afetada, apenas... de plástico, falso... mas você... você era toda sensualidade, e você nem sabe disso, e é como uma droga para pessoas como eu. Eu posso ter mais dinheiro e sofisticação do que os outros caras, mas eu sou igual a eles. Procurando uma emoção barata, uma fuga rápida. E você é um barato que jamais poderíamos conseguir em outro lugar. Assistindo você dançar? A maneira como você se move? Do jeito que você espera até o último segundo, para tirar as roupas? É enlouquecedor. Você não sabe mesmo. Você não pode. Há algo dentro de você, além do que inocência. Veja, é... Porra, é brilhante como o sol do caralho, mas é escondido, porque você está triste.
Estou me contorcendo, rasgando, suando seu calor e pelo jeito que ele está falando de mim, mas não posso escapar do seu aperto, e eu tenho que ouvir suas palavras. Eu tenho que continuar ouvindo. Ele está rasgando isso diretamente de sua alma e dando a mim. É um dom inestimável, e eu estou acumulando no meu coração.
— E eu te conheci, — ele continua. — E você me fez sentir algo. Eu não estava bêbado. Posso beber, você sabe. Eu não sou e nunca fui um alcoólatra. É apenas... um Band-Aid na ferida. Enfim, eu te vi e então você veio para a sala VIP e foi... tão brilhante. Mas com tanto medo. E você fez algo em mim que... Acabou com tudo dentro de mim. E eu tive uma epifânia, sabe? Como se eu apenas soubesse. Eu tinha que te conhecer, tinha que prendê-la e tocá-la e dizer-lhe tudo, mas você continuava correndo. E você me beija e me deixa duro para caralho, mas depois você foge e deixa-me doido, sozinho e esgotado. Sabia que eu ganhei, tipo, quinze quilos de massa muscular desde que te conheci? Porque você me deixa excitado e então eu não posso fazer nada por mim, porque me sinto mal, e eu preciso deixar isso sair, então eu malho muito. Você me excita apenas respirando. Você me faz sentir como se eu fosse alguém, e não porque eu sou a porra do Joe Jonas.
Ele se afasta de mim, e eu ponho meus braços ao redor de seus ombros, as palmas que adere a sua pele quente e úmida. Ele se acalma, e olha para mim enquanto continua.
— Mas isso não importa para você. Você foge mesmo assim, talvez por causa disso. E eu não consigo te entender. Você me confunde, e isso é um sentimento. Conheço mulheres, sabe? Eu realmente conheço. Eu achava que sabia como as mulheres pensam, mas você? Eu não te entendo. Você nunca reage como eu acho que vai. Um segundo, é como se você não pudesse se cansar de mim e vou te fazer explodir de desejo, e então o próximo você está prestes a hiper ventilar e ter um colapso nervoso, porque não pode nem ao menos estar perto de mim ou algo assim.
Ele vai a mil por hora, e eu nunca o ouvi dizer tanta coisa, nunca ouvi ninguém dizer isto de uma vez. É como um discurso-vômito, em que ele está despejando a si mesmo.
— Você me faz te querer. Você. Não só querer te foder. Isso parece meio sujo demais. Você não é o tipo de mulher que fode. Você é mais do que isso. Mas "fodas" são tudo que eu conhecia até hoje, e você vale mais. E isso é uma sensação estranha para mim. Eu sou esse tipo terrível e desagradável de pessoa que sempre teve tudo que quis e se acha a merda do Dono do Mundo, ok? Mas eu não te tenho. Você eu preciso merecer, e eu não consigo nem mesmo merecer informações sobre de onde você veio, do que você gosta, o que aconteceu para te fazer ficar assim... Nada. Você não me dá nada. E isso é enlouquecedor. Mas, de qualquer forma, é um sentimento. Te querer, precisar de você, estar confuso, louco, frustrado, zangado, precisando encontrar uma libertação de algo que eu nem sei o que é e nem consigo encontrar. Eu fico querendo até mesmo ficar segurando sua mão, como um maldito adolescente sentimental. Mas de novo, é um sentimento. E é isso que me faz sentir vivo de uma maneira que eu nunca tinha conhecido antes, eu estou finalmente sentindo.
Ele finalmente parou o dilúvio de palavras. Ele me vira em seus braços, e suas mãos vão para o meu rosto. Eu prendo a toalha no lugar com minhas mãos enquanto ele escova meu cabelo do meu rosto, tira uma mecha de cabelo loiro da minha boca com o dedo indicador. Seus olhos são de todas as cores e nenhuma cor ao mesmo tempo, a perfeita cor de avelã que é a sua própria sombra de Joe.
E então ele fala de novo, com uma voz que é pura magia. E suas palavras... Elas me derrubam.
— Você me faz sentir vivo, Demi. E... Eu amo essa sensação.
— Você sente tudo isso? Por mim? — Ele apenas balança a cabeça. — Eu não... Eu não sou... Quero dizer, sou apenas Demi. Eu sou a filha de um pastor da Georgia. Minha mãe morreu, eu lhe disse isso. Ela era tudo que eu tinha, realmente, e meu sonho era estar aqui, por isso vim aqui. Tive de ganhar dinheiro quando minha bolsa acabou, e eu não conseguia encontrar um emprego, então peguei o único trabalho que encontrei.
— Há muito mais sobre você do que isso, Demi.
— Como o quê? Eu honestamente não sei. Eu sinto que isso é tudo o que existe.
— Fluidez, graça, beleza, inteligência, talento, potencial, ternura, sensualidade inata. — Ele me toca embaixo do meu queixo, e eu não posso olhar para longe dele. — Diga-me uma coisa verdadeira.
— Eu sou uma dançarina. — não hesito. — Não... Não como danço ultimamente, não desse jeito. Mas a dança real. Jazz, moderno e ballet.
— Dança para mim? 
— O quê, tipo agora? 
Ele balança a cabeça, beija minha bochecha, e se afasta de mim, deixando a toalha em minhas mãos. Estou atordoada, e é impossível desviar o olhar de seu traseiro enquanto ele sobe as escadas, nu. Eu quero que ele se vire, mas também estou feliz que ele não fez. Ele volta em um par de shorts, e pega a minha mão. Me conduz através da sua cavernosa casa palaciana que ele vive sozinho, a um enorme ginásio. Há todos os tipos de máquinas de peso em um canto, um saco de pancadas pendurado no teto, um daqueles grande e pesado que você chuta e soca, e, em seguida, uma área de espaço aberto.
Ele aponta para a área aberta. — Faço tai chi. É do caralho, e é calmante. Me dá a possibilidade de concentrar em uma coisa que eu sou apenas... Nada. Exceto o fato de estar em movimento.
Eu vou até o centro do espaço aberto, um piso levemente acolchoada sob os meus pés. Eu salto suavemente, e eu percebo quanto tempo passou desde que eu dançava para mim, só pelo prazer de dançar.
— Você pode colocar um pouco de música? — coloquei a minha bolsa para um lado e desabotoei a camisa, atirei-a na minha bolsa.
Eu estou vestindo uma blusa de botão sobre uma regata, e um par de capris. Bom o suficiente para dançar. Estou animada com a ideia, mas nervosa. Joe puxa o celular do bolso e mexe nele um pouco, em seguida, o liga em um som em uma das paredes. A música incha através do espaço, e é o tipo de música perfeita para dançar. Eu nunca ouvi isso antes, mas é todo Joe. É sinfônica, orquestra, mas com fortes tons góticos, guitarras e bateria em camadas através dela, dando-lhe um tom duro. As letras são pensativas, escuras e vagamente religioso. Eu não posso evitar, exceto me mover.
Não há nenhuma técnica para isso, é apenas puro movimento. Meus fluxos do corpo, alongamentos, torções e me torno uma extensão da música. Eu pulo, e dobro, jeté e giros, e piruetas, e não há nada, exceto a música e meu corpo em movimento. Essa pureza na expressão obriga coisas dentro de mim saírem.
Eu tinha esquecido de como me sentia com a dança. Eu esqueci por causa do trabalho e das aulas. Não percebi como sentia falta disso. Desse pedaço de mim, e agora... Joe deu-me de volta. Eu danço e danço. Outra música da mesma banda vem, e eu continuo a dançar. Eu sinto que ele me observava, e eu não me importo.
Não, isso não é verdade. Eu me importo. Muito. Eu sinto seu olhar, e eu me empenho mais em dançar para ele. Eu quero que ele me veja como eu sou. Ele me pediu várias vezes para lhe dizer uma coisa verdadeira, e por isso agora eu faço. Digo-lhe uma coisa verdadeira, não com palavras, mas com algo mais tangível, algo que vem do mais profundo dentro de mim. As palavras podem mentir. As palavras podem enganar, iludir, esconder e evitar. Mas as coisas que você faz, quando você se move, como você toca, essas coisas não mentem.
Quando a música acaba, eu fico ofegante, arfando, suando. Joe está de pé com os braços cruzados, com uma expressão no rosto que eu não consigo decifrar. Eu recupero o fôlego e espero. Ele vem em minha direção, os olhos são quentes, verde-cinza, a cor do desejo. Ele chega para mim, o suor em braços, escova o cabelo do meu rosto, infinitamente gentil, me toca com desejo reprimido.
Ele hesita um instante, e depois me beija.
E agora eu estou toda perdida de novo. Deus, seu beijo me devora. Me suga abaixo com a força de sua correnteza de energia,  sexualidade e dominação. Até o sabor suave de creme dental em seus lábios é sensual. Eu inalo o cheiro de shampoo no cabelo dele e o também o cheiro cítrico de loção pós-barba ou o que quer que seja. Suas mãos me acariciam, me tocam e me apertam, e incitam a necessidade dentro de mim. Ele me beija, me beija e me beija.
E eu beijo de volta.
Eu estou livre. Eu me dou completamente.
 
~

Oiii!!! muito obrigada pelos comentários, estou aqui tentando escrever o capitulo de "A Sexóloga" e me perdi no tempo, já era para eu ter postado esse hahaha Bom, já tirei a verificação de palavras, eu nem tinha percebido que ainda estava com isso, eu odeio isso tbm, mas como ngm nunca tinha reclamado eu pensei que não tinha :/
Beijooos <3

A maratona acabou mas se vocês comentarem eu vou continuar postando normalmente, o Hot esta chegando e vai ser um atrás do outro!!

5 comentários:

  1. Ai meu deus ... Vc precisa postar outro urgente

    ResponderExcluir
  2. Posta mais por favoooor eu preciso de mais

    ResponderExcluir
  3. Postw logo. Meu Deus está perfeito. Kiss :*

    ResponderExcluir
  4. Perfeito....
    Achei bem legal da parte do Joe fazer isso..
    Posta mais, please!!!

    ResponderExcluir
  5. Gente ta muito muito muito muito bom
    Posta logoo

    ResponderExcluir