29.7.14

Subindo Pelas Paredes - Capitulo 21

 
~

Olhei para meu reflexo no espelho, tentando pensar objetivamente. Quando eu era criança, especialmente nos primeiros anos da encantadora adolescência, eu costumava me ver de forma muito diferente. Eu achava meu cabelo castanho claro e pele marrom pálida desinteressante. Eu achava chato ter os olhos castanhos e os joelhos grandes e pernas magras de pássaro. Eu achava meu nariz levemente arrebitado e parecia que eu podia tropeçar no meu lábio inferior se eu não fosse muito cuidadosa.

Quando eu tinha 15 anos, numa tarde, minha avó me disse que achava que o vestido azul que eu estava usando parecia bem para o meu tom de pele. Eu zombei e imediatamente discordei dela.

- Obrigado vó, mas eu dormi cerca de três horas na noite passada e a última coisa que eu pareço hoje é bonita. Cansada e pálida, mas não bonita.

Revirei os olhos dessa forma que os adolescentes sempre fazem, sempre zombando do que alguém mais velho disse. Ela pegou minha mão e agarrou-a na sua.

- Sempre receba um elogio Demi. Aceite-o sempre como foi concebido. Vocês meninas são sempre tão rápidas em distorcer o que os outros dizem. Simplesmente agradeça e siga em frente. Além disso, você não se vê claramente - ela sorriu, dessa forma tranquila e sábia que ela tinha.

- Obrigado vó - eu sorri de volta, ocupando-me com o molho de espaguete que eu estava fazendo, virando meu rosto para que ela não pudesse ver meu rubor.

- Parte o meu coração a forma que as meninas se rebaixam, nunca pensando que são boas o suficiente. Certifique-se sempre de lembrar que você é exatamente do jeito que você tem que ser, exatamente. E qualquer um que diga o contrário, bem, é uma pessoa cheia de merda - ela riu, sua voz diminuindo um pouco quando ela disse a última palavra, o mais próximo que ela jamais chegou dos palavrões. Vovó tinha uma lista de palavrões e palavrões muito ruins, e merda chegou perto de se aproximar disso.

No dia seguinte na escola, eu mencionei a uma amiga que eu achava que o cabelo dela estava ótimo, e sua resposta foi correr as mãos por ele com nojo, "Você está brincando? Eu mal tive tempo para lavá-lo hoje", embora parecesse fantástico. Mais tarde naquele dia após a aula de ginástica, eu estava no vestiário me trocando, quando observei uma outra amiga retocando seu gloss.

- Que lindo, qual é o nome dessa cor? - Eu perguntei enquanto ela franzia os lábios no espelho.

- Apple Tartlette, mas parece terrível em mim. Deus, eu não peguei uma cor no verão!

Vovó estava certa. Meninas realmente não aceitam elogios também. Agora, eu não vou mentir e dizer que depois daquele dia eu magicamente não tive mais o cabelo ruim ou nunca mais escolhi o batom errado de novo. Mas eu fiz um esforço consciente de ver o bem antes do mal, e realmente olhei para mim de uma forma mais clara. Objetivamente. Amável. E quando o meu corpo continuou a mudar, eu fiquei mais e mais consciente dos recursos que eu poderia olhar positivamente, em vez de negativamente. Eu nunca pensei em mim como letalmente linda, mas eu estava muito bem.

E agora, enquanto eu olhava para o espelho do banheiro, sabendo que Joe estava esperando por mim, eu levei um tempo para fazer uma pequena análise.

O cabelo castanho chocolate? Ele estava parecendo muito bom, um pouco ondulado e cacheado da água salgada por toda essa semana. A pele pálida? Estava corada e, ouso dizer, um pouco brilhante? Eu pisquei para mim segurando uma risada maníaca que ameaçou correr para fora da minha boca. Minha boca tinha esse lábio inferior largo que era cheio o suficiente para prender-me a Joe, e não deixá-lo ir. E as pernas que eu via espreitando por baixo da renda que cobria minhas coxas, bem... não eram mais tão parecidas com as de um pássaro. Na verdade, eu acho que elas pareciam espetacularmente lindas embrulhadas em torno de Joe... bem... ou o que quer que eu sentia quando eu as envolvia ao redor dele.

E assim que eu alisei meu cabelo para trás mais uma vez e mentalmente percorri toda a minha lista de análise interna, eu estava muito, muito animada sobre a noite diante de mim. Tínhamos corrido de volta para casa, praticamente nos despindo na entrada e depois de implorar por um momento de menina, eu estava pronta para sair e reivindicar, realmente reivindicar, meu Joe. Porque com quem eu estava brincando, eu queria esse homem. Eu o queria para mim, e não, não, eu não o compartilharia com mais ninguém.

Cérebro, por uma vez estava, finalmente, de acordo com a Perseguida. Especialmente desde que a Perseguida tinha rastejado até a Espinha Dorsal e batido o lado direito do Cérebro na haste, dizendo-lhe dessa maneira especial que só a Perseguida poderia, que precisávamos disso. Nós merecíamos isso e estávamos prontas. Nervos, bem, eles continuavam a circular minha barriga, mas isso era de se esperar, né? Quer dizer, faz um longo, longo tempo, e um pouco de nervos era normal, eu espero. Se eu estava protelando por toda a semana? Talvez.

Mais ou menos.

Um pouco.

Joe tinha sido mais que paciente, tentando levar as coisas devagar, no meu ritmo, mas pelo amor de Deus, ele era apenas humano.

A noite depois do meu rebaixamento improvisado na cozinha, eu tinha realmente rejeitado seu rebaixamento recíproco. Quem alguma vez recusou isso? Tão bom quanto seria se ele se abaixasse ali, eu aposto que ele também adorava fazer isso... e ainda tive que recusar. Parte de mim realmente só queria que fosse sobre ele. Não sei se todas as mulheres ficam tão intrinsecamente excitadas e posteriormente satisfeitas pela satisfação dele, mas eu fico. Mas ainda assim, quando ele queria nada mais do que levá-la a clamar múltiplas Ave-Marias, você recusaria isso?

Eu recusei.

Eu tentei parar de pensar nisso, gostaria de esclarecer que eu não iria deixar os Nervos acabarem com a noite espanhola na terra do carinho e arrulho. Percebi que minha lista interna estava sendo lida em voz alta, e se eu não quisesse que Joe me ouvisse tendo uma conversa real com a minha Perseguida, que ele pode talvez conhecer hoje, eu precisava tirar a minha bunda daqui e correr para lá. Quer dizer, sim.

Virei-me no espelho mais uma vez tentando me ver como Joe me via. Eu sorri quando pensei que era de uma forma sedutora, desliguei a luz, dei mais um suspiro profundo e abri a porta.

O quarto estava transformado em algo saído de um conto de fadas. Velas foram acesas na cômoda e nos criados mudos, banhando o quarto com um brilho caloroso. As janelas estavam abertas, assim como a porta da pequena varanda com vista para o mar, e se eu escutasse atentamente, eu poderia realmente ouvir as ondas quebrando, um total clima de romance. E lá estava ele. Cabelo bagunçado, corpo forte, e limas do sexo ardentes. A forma como a luz das velas estavam dançando nele quase fazia a pele dele, bem... brilhar.

Eu vi quando os seus olhos me encontraram, se arrastando para baixo do meu corpo e de volta para mim, um sorriso se espalhando por seu rosto enquanto ele avaliava minha roupa.

- Hum, aqui está a minha Garota da Camisola Rosa - ele suspirou, estendendo a mão para mim. E quando eu parei por apenas um segundo mais ínfimo, a Espinha Dorsal pegou minha mão e a deu a ele.

Ficamos no quarto escuro, a poucos metros de distância, mas conectados por nossos dedos. Eu podia sentir a textura áspera de seu polegar quando ele procurou traçar círculos pequenos no interior da minha mão, os mesmos círculos que ele havia traçado semanas e semanas antes, quando eu comecei a cair sob o seu feitiço. Nossos olhos presos um no outro, ele respirou fundo.

- É criminoso o quão bom você parece nisso - disse ele puxando-me para ele e me dando uma voltinha para que ele pudesse ver melhor a camisola rosa bebê. Quando ele me virou, as bordas da renda subiram um pouco, mostrando a calcinha com babados que acompanhava. Um baixo ruído soou em sua garganta, e se eu não estava enganada, era um grunhido?

Maldição...

Ele virou-me de volta para perto dele, segurando meus quadris e me pressionando contra ele, esmagando os meus seios em seu peito. Ele colocou um minúsculo beijo logo abaixo do meu ouvido, deixando-me sentir apenas a ponta de sua língua.

- Então há algumas coisas que eu preciso que você entenda, você está ouvindo? - ele murmurou, aninhando seu nariz, as mãos escovando sob a minha camisola pelos babados e pegando um punhado de costas, me assustando com a surpresa e me fazendo ofegar.

- Você está ouvindo? Não se distraia comigo agora - ele sussurrou novamente, achatando a sua língua e arrastando-a até o lado do meu pescoço.

- É meio difícil me concentrar com sua distração cutucando minha coxa - eu gemi, deixando-me dobrar para trás apenas o suficiente para que o meu corpo inteiro estivesse pressionado contra ele, seus lugares duros perfeitamente moldados aos meus lugares moles ao redor deles. Ele riu contra o meu pescoço, agora pontilhando a minha clavícula com seus beijos que eram uma marca registrada.

- Aqui está o que você precisa saber Garota da Camisola. Um, você é incrível - disse ele, suas mãos agora viajando até minhas costas, os dedos e polegares massageando e manipulando. - Dois, você é incrivelmente sexy - ele respirou, minhas mãos agora apressadamente desabotoando sua camisa, empurrando-a para fora de seus ombros quando nosso ritmo começou a mudar de lento para rápido e de rápido para frenético. Agora suas mãos estavam se esgueirando para a frente, as unhas levemente raspando na minha barriga, levantando minha camisola, para que nós estivéssemos pele a pele, nada entre nós. Corri minhas mãos para cima e para baixo de suas costas, minhas unhas muito mais agressivas nele, escavando e o puxando contra mim.

- E três, por mais incrivelmente sexy que esta camisola rosa seja, a única coisa que eu quero ver em você pelo resto desta noite... sou eu - ele ofegou no meu ouvido quando me puxou para cima, enquanto a minha perna direita ficou ao redor de sua cintura sobre a sua.

Mais uma vez, a Lei Universal do Bate-Parede ditou que minhas pernas ficassem em torno dos seus quadris, quando foram puxadas.

Ele me acompanhou para trás em direção à cama, para deitarmos na grande cama, e me pôs sentada. Inclinando-se, ele me empurrou para que eu fosse para trás em meus cotovelos. Sua camisa estava pendurada em seus ombros e ele piscou para mim, balançando a cabeça em seu estado de nudez. Cheguei para a frente, colocando um dedo por trás do botão de sua calça verde-oliva, e rapidamente a abri. Não encontrando uma boxer, eu gentilmente cutuquei o zíper para baixo apenas uma polegada ou algo assim, expondo a simples sugestão da trilha da felicidade que levava para baixo para baixo para baixo, para onde todas as coisas boas aconteciam.

- Você tem algo contra roupas intimas, Bate-Parede? - Eu sussurrei, levantando um joelho e o forçando ele entre meus quadris. Forçando. Certo.

- Eu sou contra as suas roupas intimas, e não é uma vergonha que elas ainda estejam aí? - Ele sorriu, empurrando seus quadris em mim, me deixando sentir tudo. Eu deixei minha cabeça cair para trás mais uma vez, silenciosamente acalmando os Nervos quando eles ameaçaram borbulhar na superfície. Isso realmente estava acontecendo.

- Não é vergonha. Tenho a sensação de que elas não ficarão ai por muito tempo - disse eu, esticando os braços sobre minha cabeça, alongando meu corpo contra o dele, incentivando seus lábios a dançarem mais adiante do oco na base da minha clavícula, sentindo-o lamber e chupar a pele entre os meus seios. Eu arqueei para ele, ansiosa para sentir mais, eu precisava de mais. Sua mão direita começou a puxar as alças da minha camisola para baixo, desnudando-me a ele, permitindo-lhe o acesso que precisava para me fazer ver a órbita do planeta.

Sentir sua boca em mim, nos meus peitos, quente e úmida, fazendo cócegas e carinhos, era irreal. Então, eu disse isso a ele.

- Isso parece irreal - eu gemi no topo de sua cabeça, sua barba leve barba agrediu minha pele agradavelmente. Seus lábios ficaram em volta do meu mamilo direito e meus quadris saíram pela própria tangente, se movendo descontroladamente debaixo dele, minhas duas pernas agora enroladas firmemente em torno de sua cintura, puxando-o para o meu corpo, sentindo o calor dele. Lábios e língua e dentes agora tiravam toda a minha dissociação, que foi se derramando sobre a borda da camisola, enquanto ele alternava entre ambos os seios, os beijando igualmente. Eu estava cercada por Joe, até mesmo seu cheiro estava me deixando louca, com partes iguais do tempero picante e conhaque quente.

Palavras sem sentido estavam jorrando da minha boca. Eu estava ciente de alguns "Joes", e um ou dois "Sim, porra, isso é bom", mas principalmente o que eu ouvi de mim eram coisas como "mmph" e "Erghh", e um pouco alto "Hyyyyaeahhh" que, francamente, eu não posso sequer começar a pensar como se escreve. Joe estava suspirando uma e outra vez em minha pele, sua respiração parecia um abano enquanto eu sentia ela me lavar. Minhas mãos tinham sido deixadas livres para vaguearem pelo País das Maravilhas, que era seu cabelo, e quando eu o varri para trás de seu rosto eu fui recompensada com a visão surpreendente de sua boca em mim, de olhos fechados em clara adoração. Ele me mordeu levemente, fechando os dentes em minha pele sensível e minhas mãos quase arrancaram seus cabelos de sua cabeça. Isso. Era. Fenomenal.

Sua mão esquerda estava correndo para cima e para baixo da minha perna, me incentivando a agarrá-lo mais apertado entre as minhas coxas enquanto seus dedos mágicos começaram a vir cada vez mais perto da borda da renda. Era a última fronteira que eles ainda tinham de atravessar.

Era a fronteira de renda.

Senti minha respiração parar quando ele foi se aproximando finalmente, escovando os dedos logo abaixo da borda da minha calcinha, mal escovando embaixo de mim. Sua respiração desacelerou e quando ele continuou a me tocar suavemente, seu rosto voltou-se para o meu e nós tivemos esse momento, esse momento de tranquilidade, onde apenas... nos olhamos. Reverência, essa era a única maneira que eu podia descrever a sensação de sua mão passando em cima de mim, delicadamente, respeitosamente. Nossos olhos estavam cravados enquanto ele espreitava a mão mais abaixo da renda e, em seguida, com uma precisão dolorosamente perfeita, ele me tocou.

Meus olhos se fecharam, todo o meu corpo foi inundado com tantas sensações diferentes. Minha respiração começou a acelerar novamente com a intensa pressão que estava circulando ao redor e dentro e por fora, era como um zumbido baixo, logo abaixo da superfície da minha pele. Eu me movi com ele, sentindo seus dedos começarem a explorar-me, e deixei escapar o mais ínfimo gemido. Era tudo que eu poderia fazer, os sentimentos eram tão intensos e a energia, oh meu Deus, a energia que nos cercava naquele momento.

Eu estava certa de que Joe tinha conhecimento da totalidade da emoção que estava voando por atrás de minhas pálpebras fechadas. O pobre homem estava apenas me dando finalmente um pequeno toque.

Enquanto seus dedos se tornaram mais ágeis e seguros de si, algo incrível começou a acontecer. Esse pacote minúsculo pequenino discreto de nervos, que esteve adormecido por séculos, começou a despertar para a vida. Meus olhos se abriram, quando o calor começou a se mover através de mim, partindo do centro do meu ser e caminhando para fora.

Demi estava ficando molhada. E falando sobre si mesma em terceira pessoa.

Joe estava certamente apreciando isso, com os olhos turvos e cheios de cobiça, enquanto eu me contorcia debaixo dele, sentindo-me tensa e viva.

- Deus Demi, você é tão... Deus, você é linda - ele murmurou, seus olhos agora cheios com algo um pouco mais como a luxúria e eu senti alfinetadas pequenas atrás dos meus olhos. Eu joguei meus braços ao redor de seu pescoço e abracei-o, rasgando sua camisa para tirá-la, tirá-la dele para que eu pudesse sentir tudo. Ele levantou-se de mim apenas por alguns segundos, e eu arranquei sua camisa de uma forma exagerada que me fez rir, mas ansiando por ele ainda mais. Abaixando-se de volta para mim, ele deslizou mais para baixo, seus lábios agora traçando um caminho até o meu umbigo. Circundando-a com sua língua, ele riu na minha barriga.

- Do que você está rindo, senhor? - Eu ri, apertando sua orelha. Ele estava abaixo da minha camisola agora, com o rosto escondido de mim. Enfiando a cabeça de volta para fora, ele soltou um sorriso lento e diabólico que fez meus dedos se contorcerem.

- Se o gosto do seu umbigo é tão bom desse jeito, porra Demi. Eu mal posso esperar para provar sua boceta.

Preciso de um momento aqui...

Há certas coisas que uma mulher precisa ouvir em momentos diferentes de sua vida:

Você conseguiu o emprego.

Sua bunda parece ótima nessa saia.

Gostaria muito de conhecer sua mãe.

E, quando utilizados no contexto certo, apenas no que era definido como certo... às vezes, precisamos ouvir a palavra com B.

Isso poderia ser melhor do que George Clooney.

É constrangedor o efeito que esta linha tinha no meu corpo. O que antes estava seco agora estava... bem... não.

O gemido que saiu da minha boca quando ele disse essa palavra, bem, vamos apenas dizer que foi alto o suficiente para acordar os mortos. Ele deixou sua língua traçar um caminho de meu umbigo para baixo da borda da minha calcinha e, em seguida, com precisão, enfiou os polegares por baixo da renda e os arrastou para baixo das minhas pernas.

Lá estava eu, espalhada em cima da cama gigante com uma camisola rosa amontoada em torno de minha barriga, seios e Perseguida expostos, e malditamente feliz com isso. Ele puxou meus quadris à beira da cama e caiu de joelhos. Doce Jesus.

Correndo as mãos para cima e para baixo do topo das minhas pernas, eu levantei em meus cotovelos para que eu pudesse ver, necessitando ver este homem maravilhoso cuidando de mim, me tocando. Ajoelhando-se entre as minhas coxas, com sua calça cáqui meio solta e meio descompactada, o cabelo em uma altura atômica, era impressionante. E em movimento. Mais uma vez, deixando a liderança da língua, ele plantou beijos de boca aberta ao longo do interior de minhas coxas, um lado e depois o outro, com cada passagem cada vez mais perto de onde eu mais precisava dele. Com cuidado, levantando a minha perna esquerda, ele engatou-a por cima do ombro quando eu arqueei minhas costas, meu corpo todo dolorido para senti-lo. Ele me olhou por um momento mais, talvez até apenas alguns segundos, mas parecia que ele tinha me olhado por uma eternidade.

- Linda - ele respirou mais uma vez, e então ele pressionou sua boca contra mim.

Não foi uma lambida rápida, nem um pequeno beijo, apenas uma pressão incrível quando ele me cercou com seus lábios. Foi o suficiente para me fazer cair de volta na cama, incapaz de realmente me sustentar por mais tempo. A sensação, a sensação requintada dele era totalmente consumidora, e eu mal podia respirar. Ele trabalhou comigo lento e leve, trazendo uma mão para abrir-me mais para ele, deixando sua boca e seus dedos e sua língua perfeita suavemente e metodicamente persuadir-me para a estratosfera, levantando-se, enchendo-me com um sentimento de admiração e espanto que eu tinha perdido há tanto tempo.

Deixei uma mão derivar para baixo na direção dele, se enrolando em seus cabelos, correndo os dedos por ele com tanto amor quanto eu poderia mostrar. A outra mão? Inutilmente estava puxando os lençóis em algum tipo de bola.

Ele ergueu a cabeça de mim uma vez, apenas uma vez, para pressionar outro beijo contra a minha coxa.

- Perfeito, Jesus, simplesmente perfeito - ele sussurrou, quase tão baixo que eu mal podia ouvi-lo sobre meus próprios suspiros e gemidos. Ele retornou para mim quase que imediatamente, uma urgência agora em seus movimentos, seus lábios e língua, torcendo e apertando quando ele gemeu em mim, a vibração andando em linha reta através de mim. Abri os olhos por um segundo, apenas um segundo. O quarto estava brilhante, quase incandescente. Todos os meus sentidos se tornaram vivos e eu podia ouvir o bater das ondas, podia ver a luz das velas cintilando ao largo do cabelo acaju de Joe, ainda mais acentuado com a semana sob o sol quente espanhol. Eu podia sentir minha pele arrepiar, o ar me acariciando e anunciando o que eu estava precisando há meses, anos até.

Este homem poderia muito possivelmente me amar.

E ele estava prestes a trazer o O de volta.

Encaixando os meus olhos fechados novamente, eu quase pude ver a mim mesma, de pé na beira de um penhasco, olhando para o mar revolto abaixo. Pressão, uma pressão enorme crescia atrás de mim, me empurrando para a borda, onde eu poderia cair, cair livremente sobre o que estava esperando por mim. Eu dei um passo, depois outro, mais e mais perto que pude sentir Joe segurando meus quadris. Se o O estava vindo para mim, então eu queria Joedentro de mim. Eu precisava dele dentro de mim.

Apertando sobre seus ombros, eu puxei ele para cima do meu corpo, meus pés chutando a sua calça cáqui, até que ela estava indefesa no chão.

- Joe, eu preciso, por favor, dentro, agora - eu ofeguei, quase incoerente com a luxúria. Joe, especialista nas abreviações de Demi, entendeu completamente e ficou dividido entre minhas pernas e quadris, e aninhou-se em mim dentro de segundos. Ele se inclinou, beijando-me brutalmente, senti o meu gosto nele e eu adorei.

- Dentro, dentro, dentro - eu continuei cantando, movendo o meu quadril, alternadamente e abrangente, tentando desesperadamente encontrar o que eu precisava, o que eu tinha que ter, para me deixar pular daquele penhasco.

Por fim, eu o senti, exatamente onde ele estava destinado a estar. Mal empurrando para dentro, apenas a sensação dele entrando em mim foi comovedora. Minhas próprias necessidades se acalmaram no momento, vi seu rosto quando ele começou a pressionar dentro de mim, pela primeira vez. Seus olhos perfuraram os meus enquanto eu embalava seu rosto em minhas mãos. Ele olhou como se quisesse dizer alguma coisa, e eu me perguntei. Que palavras poderíamos falar, que coisas maravilhosas e amáveis diríamos para comemorar este momento?

- Oi - ele sussurrou, sorrindo como se sua vida dependesse disso. Eu não pude deixar de sorrir de volta.

- Oi - eu respondi, amando a sensação dele, do peso dele, acima de mim. Ele escorregou suavemente para dentro, e meu corpo no início resistiu. Fazia um longo tempo, mas a pequena dor que eu senti era bem-vinda. Esse tipo de dor eram boa, uma dor que lhe permitia saber que algo mais estava por vir. Eu relaxei um pouco, permitindo que as minhas pernas se embrulhassem em torno de sua cintura, e quando ele empurrou ainda mais dentro de mim, seu sorriso se tornou infinitamente mais sexy quando ele mordeu o lábio inferior e pequenas linhas de expressão apareceram em sua testa. Eu respirei, inalando o seu perfume quando eu o vi puxar só um pouquinho, só para se lançar mais uma vez em mim. Agora totalmente dentro, eu o acolhi da única maneira que podia. Eu dei-lhe aquele abraço interno pequeno, o que fez seus olhos se abrirem e correrem para mim.

- Essa é minha garota - ele murmurou, levantando uma sobrancelha libertina para mim e empurrando para dentro de mim novamente, com mais convicção neste momento. Minha respiração ficou presa na minha garganta e eu ofeguei, sem querer balançar meus quadris ao seu com um instinto que era tão antigo quanto as ondas lá embaixo.

Lentamente, ele começou a se mover dentro de mim, correndo contra mim com uma pressão fantástica, cada novo ângulo e sensação dava lugar a mais desse quente formigamento que estava caminhando para fora da extremidade de cada dedo dos meus pés. A sensação de ter Joe dentro de mim, dentro do meu corpo era mais do que eu posso articular. Eu gemi e ele grunhiu, ele gemeu e eu miei, juntos. Seus quadris me empurraram mais para a cama, subindo em direção a cabeceira da cama. Nossos corpos estavam escorregadios de suor, batendo e se pressionando um no outro. Eu enrosquei minhas mãos profundamente em seu cabelo, puxando e me contorcendo sob ele maravilhosamente.

- Demi, tão linda - ele suspirou, entre beijos quando ele beijou minha testa e nariz. Fechei os olhos e pude ver-me, mais uma vez, à beira do precipício, pronta para saltar, necessitando saltar. Mais uma vez, essa pressão começou a se construir, crepitando uma energia selvagem e frenética, pulsando com cada golpe, a cada deslizar e mergulhar de seus quadris nos meus, levando-o, inexoravelmente, para dentro e fora do meu corpo.

Eu dei um passo final, um pé agora pendendo para fora da borda do precipício, e eu o vi... o O.

Ele estava na água lá embaixo, seu cabelo dançando como um fogo ao longo das ondas. Ele acenou e eu acenei para ele e foi quando Joe trouxe uma mão entre nossos corpos, logo acima de onde nós estávamos juntos, e começou a traçar sua linha de pequenos círculos. Pequenos círculos de uma mão perfeita, e eu pulei. Eu pulei livre e esclarecida e falei alto e com orgulho, anunciando minha aprovação com um vigoroso "Sim!" enquanto eu caia da grande altura E eu caí.  E caí.  E caí.

E caí. Caí e me choquei contra a superfície da água implacável, e não subi para a superfície. Eu caí pelo que parecia um século, mas em vez de o O me encontrar no fundo com os braços abertos, eu afundei sozinha, e molhada. Cada músculo do meu corpo, cada célula se concentrou sobre o retorno do O, como se pudéssemos tê-lo de volta. Eu tensionei, esticando e puxando quando eu travei com a vista dele, apenas as pontinhas dos cabelos como fogo sob a água, fugindo de mim. Ela estava tão perto, tão perto, mas não. Não.

Subi depois dele, tentando com pura vontade fazê-lo reaparecer, mas nada. Ele se foi e eu fiquei debaixo d'água. Com o homem mais bonito do mundo dentro de mim.

Abri os olhos e vi Joe acima de mim, vi seu belo rosto enquanto ele fazia amor comigo, e isso era o que era. Isso não era sexo, era amor, e eu ainda não podia oferecer-lhe tudo o que eu tinha. Eu vi seu rosto. Eu vi seus olhos pesados e grossos e meio fechados de paixão. Eu vi uma gota de suor escorrendo pelo seu nariz e vi quando ela pingou preguiçosamente em meus seios. Eu vi quando ele mordeu o lábio inferior, pressionando seu rosto enquanto ele adiava seu próprio e bem merecido clímax.

Ele era tudo que eu esperava que seria, ele era um amante generoso e eu podia sentir meu coração bater dentro quase para estourar no meu peito por ficar mais perto dele, a amá-lo. Ele era tudo.

Eu levantei sua mão de entre nós e beijei a ponta dos seus dedos, em seguida, embrulhei minhas pernas mais apertadas em sua cintura e deixei minhas mãos escorarem em suas costas. Ele estava esperando por mim, claro que ele estava. Eu o adorava. Fechei os olhos mais uma vez, me forçando a dar tudo o que eu era capaz de lhe dar.

- Joe, isso é tão bom - eu ofeguei e eu quis dizer cada palavra dessa.

Eu bati meus quadris nos seus. Eu apertei em todos os lugares certos e eu chamei o nome dele, uma e outra vez.

- Demi, olhe para mim, por favor - ele implorou, sua voz cheia de prazer. Deixei meus olhos se abrirem novamente, sentindo uma lágrima derramar no meu rosto. Um olhar estranho roubou um pouco de suas características por apenas um segundo, enquanto seus olhos procuraram os meus, e depois? Ele veio. Sem trovão, sem iluminação, sem alarde. Mas foi impressionante. Ele desabou sobre mim e eu aguentei esse peso, aguentei tudo, enquanto eu embalava-o ao meu peito e o beijava repetidas vezes, as minhas mãos suaves em suas costas, abraçando minhas pernas nele tão firmemente quanto pude. Sussurrei seu nome quando ele se aninhou no espaço entre meu pescoço e meu peito, com simples toques e carícias.

Coração sentou-se para o lado e suspirou baixinho.

Nervos? Seu filho da puta. Nem pense em mostrar seu rosto aqui.

Ficamos deitados por algum tempo, ouvindo o oceano em nosso próprio pequeno paraíso pessoal, este conto de fadas romântico que tínhamos, isso deveria ter sido suficiente. Quando sua respiração voltou ao normal, ele levantou a cabeça para mim e me beijou suavemente.

- Oi - ele sorriu.

- Oi - eu sorri de volta.

Sexo pode ser bom, mesmo sem o O.

- Eu já volto-  disse ele se desvencilhando de mim e caminhando em direção ao banheiro, suas costas nuas e uma vista de sua bunda. Eu o assisti recuar e, em seguida, sentei-me rapidamente, puxando as alças da minha camisola de volta ao redor dos meus ombros. Virei para o meu lado, para longe do banheiro e me enrolei em volta do meu travesseiro.

Eu não iria chorar.

Eu não iria chorar. Eu não iria chorar.

Mesmo que ele só tivesse saído da cama por alguns minutos, quando ele voltou, eu fingi estar dormindo. Infantil? Sim.

Eu senti o mergulho cama quando ele subiu de volta, e então seu corpo quente e ainda muito nu estava contra mim, me agarrando. Braços em volta do meu meio, e, em seguida, sua boca estava na minha orelha, sussurrando.

- Mmm, a Garota da Camisola colocou sua camisola novamente.

Esperei, sem falar, apenas respirando. Senti que ele me sacudiu um pouco e soltou uma risada.

- Demi? Ei, você, você está dormindo?"

Eu deveria roncar? Sempre que as pessoas fingiam dormir em filmes elas roncavam. Deixei escapar um pequeno. Ele beijou meu pescoço, minha pele traidora se arrepiou na sequência da sua boca. Eu suspirei em meu ‘sono’, me aconchegando perto de Joe, esperando que ele fosse deixar isso de lado. O destino estava do meu lado esta noite, ele simplesmente me abraçou apertado contra seu peito e me beijou mais uma vez.

- Boa noite, Demi - ele sussurrou, mais uma vez e a noite se estabeleceu em torno de nós. Eu fingi roncar por mais alguns minutos até que seu ronco verdadeiro assumiu e depois suspirei pesadamente.

Confusa e insensível, eu fiquei acordada até de madrugada.

Eu tinha fingido. Fingi com o Bate-Parede. Devia haver uma lei escrita em algum lugar, talvez até cinzelada em uma tabuleta de pedra. Tu não deves fingir com Bate-Parede. Então deixe isso ser escrito, assim será feito. Eu fingi, e agora eu estava condenada a vagar pelo planeta para sempre, sozinha.

Eu estava sendo muito dramática? Oh sim, mas se isso não pedia um pouco de drama, o que pedia?

Na manhã seguinte, me levantei e sai da cama antes de Joe ainda estar acordado, algo que eu não tinha feito o tempo todo que estávamos em nossa viagem juntos. Normalmente ficávamos na cama até o outro estar acordado, e depois ficávamos no quarto por algum tempo, rindo e conversando. E beijando. Mmm, o beijo.

Mas esta manhã, corri rapidamente através do banho e estava na cozinha fazendo o café quando um sonolento Joe fez o seu caminho arrastando suas meias pelo chão (o chão estava sempre um pouco de frio) e com sua boxer baixa nos quadris , ele sorriu por sua névoa do sono e se escondeu no meu lado enquanto eu fatiava o melão e as frutas vermelhas.

- O que você está fazendo aqui? Eu estava uma cama, solitária e grande, sem Demi, onde você foi? - perguntou ele, plantando um beijo rápido em meu ombro.

- Eu precisava entrar em movimento esta manhã, você se lembra que o carro está vindo me buscar às dez? Eu queria te fazer um café da manhã antes de eu sair - eu sorri, virando-me para ele e lhe dando um beijo rápido. Ele me impediu de me afastar dele e beijou-me mais completamente, sem deixar que eu me apressasse. Eu podia me sentir me fechar para ele, quase incapaz de parar. Eu precisava de algum tempo para este processo, para entender como eu estava me sentindo sobre isso, além de miserável. Mas eu adorava Joe, e ele não merecia isso. Então eu deixei-me cair no beijo, sendo varrida por este homem, mais uma vez. Eu o beijei de volta febrilmente, apaixonadamente, e depois afastei-me antes que pudesse se tornar algo mais do que um beijo.

- Fruta?

- Hein?

- Frutas, fiz salada de frutas, quer alguma coisa?

- Oh, sim. Sim, tudo bem. Fez café?

- A água está fervendo, a cafeteira está pronta para funcionar - eu respondi, batendo-lhe no rosto quando eu acenei para a panela. Nós fizemos nosso caminho pelo silêncio em torno da cozinha, falando baixinho e roubando um beijo ou dois, quando possível. Eu estava tentando não mostrar como o meu cérebro estava atrapalhado, tentando agir de maneira tão normal quanto eu poderia.

Joe pareceu sentir que algo estava acontecendo, mas foi percebendo pela minha reação e me deixando levar esta manhã. Nós nos sentamos no terraço uma última vez, comendo nosso café da manhã juntos e assistindo os disjuntores serem ligados.

- Você está feliz por ter vindo? - ele perguntou quando eu mordi meu lábio no óbvio.

- Eu estou tão feliz. Essa viagem foi incrível - sorri, atravessando toda a tabela com a minha mão e dando-lhe um aperto.

- E agora?

- E agora, o quê? De volta à realidade, que horas o seu voo chega amanhã? - Eu perguntei.

- Tarde, muito tarde. Devo ligar para você ou... - ele parou, parecendo me perguntar se ele deveria vir.

- Me ligue quando você chegar, não importa a hora, ok? - Eu respondi, tomando meu café e observando o mar. Ele ficou quieto e neste momento em que eu mordi meu lábio foi para não chorar.

*  *   *   *   *   *

Eu tinha arrumado minhas coisas no início da manhã, então, quando o motorista chegou lá, eu estava pronta para ir. Eu estava voando de volta para casa através do aeroporto mais perto de Málaga. Uma conexão extra, mas isso me salvou de um monte de tempo de condução. Joe tentou seduzir-me para acompanhá-lo no chuveiro, mas eu implorei, criando a desculpa de encontrar o meu passaporte. Eu estava em pânico, afastando-me quando tínhamos ficado tão próximos, mas isso realmente tinha me deixado confusa.

Eu tinha colocado todos os meus Os em uma cesta, por assim dizer, e o problema não era Joe. Era eu. O sexo tinha sido irreal, fantástico, digno de romance, e ainda assim. Não. Foi o suficiente para me fazer querer gozar em Nerja.

Joe andou com minhas malas até o carro, colocando-as no porta-malas. Depois de falar com o motorista por um momento, ele voltou para mim enquanto eu caminhava ao longo da casa uma última vez. Realmente tinha sido um conto de fadas, e eu tinha gostado de cada momento dele.

- Hora de ir? - Eu perguntei, recostando-me contra ele quando ele se aproximou de mim no parapeito do terraço. Eu tinha ouvido ele falar atrás de mim, e eu estava feliz com a sensação dele contra mim.

- Hora de ir. Você tem tudo que você precisa?

- Eu acho que sim, eu gostaria de descobrir uma maneira de comprar esses camarões perto de casa - eu ri e ele bufou no meu cabelo.

- Eu acho que nós podemos encontrar alguma coisa em casa que será apropriada, talvez possamos nos encontrar na próxima semana e recriar algumas das coisas que comemos aqui? - ele perguntou e eu me virei para encará-lo.

- Fazer a nossa estreia? - Eu sorri.

- Sim, claro, quer dizer, se você quiser - ele acenou com a cabeça timidamente, olhando-me com cuidado.

- Eu quero - eu respondi honestamente. E eu queria. Mesmo sem o bendito O estúpido, eu queria estar com Joe.

- Ok, a estreia de mais camarões. Isso parece estranho - ele riu e eu ri quando ele me abraçou a ele. O motorista buzinou e fizemos o nosso caminho para a frente.

- Eu te ligo quando eu estiver de volta, ok?

- Eu vou estar lá. Faça um bom trabalho - eu instruí, e ele me deu uma pequena saudação. Ele tirou meu cabelo do meu rosto e se inclinou para me beijar mais uma vez.

- Tchau Demi.

- Tchau Joe - eu sussurrei e entrei no carro. E para longe do conto de fadas.

Eu me virei e comecei a chorar.

*  *   *   *   *   *

Assim que eu estava abrigada em meu assento da primeira classe, eu não tinha nada além de horas para pensar. Pensando nisso. Eu não tinha nada além de horas para sentar e me culpar e resmungar. Eu chorei no carro a caminho do aeroporto, tentando tranquilizar o motorista de que eu estava bem e não louca de pedra. Eu chorei porque, bem, não havia certeza de quanta merda e tensão no meu corpo e isso tinha que sair de alguma forma. E assim saiu, através dos meus olhos. Eu estava triste e eu fiquei frustrada. Agora eu estava cansada de chorar.

Eu tentei ler. Eu tinha até comprado umas revistas no aeroporto de Málaga. Enquanto eu passava através delas, os títulos dos artigos pulavam em mim.

* Como saber se você está tendo o melhor orgasmo que você pode ter!

* Dicas de Sexo Secretas Para o seu Orgasmo!

* Como o Kegel pode dar múltiplos...

* Novo plano de emagrecimento, o orgasmo tem sua maneira de afinar você!

Perseguida, Cérebro, Espinha Dorsal, Coração, todos estavam enfileirados e atirando pedras nos Nervos, que estavam tentando o seu melhor para esconder o resto.

Eu fechei todas as minhas revistas novas, as jogando para o banco traseiro na minha frente. Peguei meu laptop, o ligando e colocando os fones em meu ouvido. Eu tinha colocado alguns filmes para o último voo. Eu poderia deixar meu cérebro descansar com um filme. Sim, eu poderia fazer isso. Eu olhei através de alguns dos filmes que eu tinha no arquivo... Quando Harry Encontra Sally, não, não com aquela cena na delicatessen. “Top Gun”? Não, aquela cena em que eles fazem aquilo e está tudo azul iluminado com a brisa soprando através das cortinas, não, muito perto do meu conto de fadas. “Uma Linda Mulher”? Claro que não, Joe? Eu achei um filme que eu poderia passar o tempo, precisou de três Tylenol, e eu estava dormindo antes do Lucas levar Obi Wan para Mos Eisley.

Em algum lugar entre a conexão em LaGuardia e o voo pelo país, eu fiquei louca. Eu tinha caído no sono, tinha chorado, e agora eu estava bem e louca. E em um plano onde a estimulação era desencorajada. Eu tive que ficar no meu lugar e tentar racionalizar o que fazer com essa raiva, e como eu ia viver a minha vida inteira sem nenhuma esperança de um O. E, novamente, excessivamente dramática? Talvez, mas sem o O em vista, não era muito difícil perder o foco.

Finalmente, pousamos no Aeroporto de São Francisco e quando eu fiz meu caminho até a bagagem, física e emocionalmente exausta, eu olhei para o rosto de alguém que eu nunca queria ver outra vez.

Cory . Fodido. Weinstein. Que filho da puta nojento.

Estampada por toda a banca estava a sua cara estúpida em uma campanha publicitária gigante para a Weinstein Esporte e Lazer. Eu estava na frente de sua cabeça gigante, com o maior sorriso de comedor de merda no seu rosto enquanto ele posava na frente de uma parede de escalada, e minha raiva borbulhou de novo. Ela agora tinha um rosto. Minha raiva tinha um rosto, e era um rosto estúpido. Eu queria dar um soco nessa cara, mas era apenas uma imagem.

Infelizmente, isso não me impediu.

Não é uma coisa inteligente de se fazer, ainda mais em um aeroporto internacional. Acontece que eles desaprovam isso. Assim, após uma advertência, com palavras fortes da segurança, e uma promessa de que eu nunca iria atacar um cartaz de novo, arrumei-me num táxi, fedendo a avião, e fiz meu caminho de volta para meu apartamento. Eu chutei minha própria porta desta vez, e quando eu joguei minhas malas para baixo, vi as duas únicas coisas que poderiam me fazer sorrir.

Clive e minha Kitchenaid.

Com um miado bem forte, ele veio correndo para mim, na verdade, pulando em meus braços, mostrando o afeto que normalmente só era reservado para momentos exatamente como estes. Seu cérebro pequeno de gato sabia quando eu precisava dele, e ele derramou atenção em mim como só ele poderia. Sacudindo a cauda e ronronando sem parar, ele intrometeu sua cabeça sob meu queixo e passou suas grandes patas no meu pescoço, me dando um abraço e gatinho minúsculo. Rindo em seu pelo, quando ele continuou perto de mim, respirando pesadamente.

Era bom estar em casa.

- O tio Euan e Tio Antonio cuidaram bem de você? Huh? Quem é o meu bom menino? - Eu arrulhei, largando-o no chão e pegando uma lata de atum para ele, o seu tratamento por se comportar enquanto estive fora. Passando agora de Clive, que estava focado apenas em sua tigela, o meu olhar ficou preso na minha Kitchenaid. Eu tomaria um banho e depois eu iria assar. Eu precisava assar algo...

Uma quantidade desconhecida de tempo depois, ouvi uma batida na minha porta. Eu estava cozinhando a tanto tempo que eu tinha perdido a noção, e senti minhas costas rangerem e chiarem quando eu levantei a cabeça dos meus brownies. Eu estava amassando um dos Brownies Ultrajantes da Ina. Eles precisavam de passos extras, mas, oh, garoto, eles valiam a pena. O que era o tempo? Eu procurei em volta por Clive e não o vi.

Embaralhei à porta, percebendo que, quando eu passei, eu tinha pisado em algo um pouco mole, e foi ficando açúcar por todo o chão, marrom e branco. Mais uma batida na porta, mais insistente desta vez.

- Estou indo! - Eu gritei, rolando os olhos para a ironia. Quando eu levantei a minha mão para abrir a porta, notei a cobertura de chocolate em todod os meus dedos. Não os desperdicei como sempre, eu lhes dei uma lambida, enquanto eu abri a porta.

Lá estava Joe, parecendo cansado e esgotado.

- O que você está fazendo aqui, você não deveria estar em casa até...

- Eu não deveria estar em casa até a tarde de hoje, eu sei. Peguei um voo mais cedo - ele afirmou, passando por mim e entrando no meu apartamento. Quando eu fechei a porta e me virei para ele, eu alisei um pouco o meu avental, sentindo os pedaços de massa de biscoito agarrados a ele.

- Você pegou um voo mais cedo, por quê? - Eu perguntei, andando tranquilamente pelo chão em direção a ele.

Ele olhou em volta com um sorriso divertido, observando as pilhas e pilhas de biscoitos, as tortas em várias das janelas. O alumínio envolto nos tijolos de pão de abobrinha, pão de batata, pão de laranja com cranberry, empilhados como a fundação de uma casa em toda a mesa de jantar.

Ele sorriu mais uma vez, então se virou para mim, pegando uma uva passa da minha testa, que eu nem sabia que estava presa lá.

- Você vai me dizer por que você fingiu?

~

Agora digam se vcs não querem bater na Demi??? ela fingiu que teve um orgasmo e depois meio que "fugiu" de Joe! ela merece uns tapas, acho que ela n conseguiu ter um orgasmo pq ficou pensando demais nisso, acabou que foi muita pressão, muita ansiedade que ela n conseguiu chegar lá, pode acontecer isso... Enfim, ela ainda pensou que o Joe não iria saber né?? pois homens sabem quando uma mulher esta fingindo ou não, pelo amor de Deus, Demi é muito idiota, se ela/nós podemos sentir o homem gozar pq eles não sentiriam tbm?? estou revoltada com a Demi, Joe merece voltar a ser o destruidor de ppks, o bate parede e fazer tudo com ela, e acredite, ele irá fazer hahaha

Enjoy!! Amo vocês <3

Ps. não me batam, ok?? eu não enganei vcs sobre o HOT, eu esqueci que eles ainda iam jantar antes de transarem, ok?? foi mal :/

7 comentários:

  1. OMG, capítulo perfeito! Posta+! bjos

    ResponderExcluir
  2. Eu não sei se eu dou uns tapas na Demi agora ou agora! Como ela pode fingir um orgasmo com Joe Jonas na cama? Jesus isso deveria ser proibido! Quero muito bater nela! E ele vai mesmo voltar a ser o bate-parede? Por que ela vai merecer! Por que aposto que tem gente que vai aproveitar!
    Simplesmente prefeito, continua...
    Fabíola Barboza :*

    ResponderExcluir
  3. OMG... o O ñ chegou... Tadinha
    mas tadinho do Joe tbm.. E ele sabia e ñ falou nossa. Agora ... Será q vai deixa-la por isso?.. Eh um bom motivo. Mas eu tenho duvidas

    ResponderExcluir
  4. OMG OMG OMG OMG
    POSTA LOGO PFVR
    ESTOU MUITO CURIOSA MSM

    ResponderExcluir
  5. Se eu fosse o Joseph eu mesma ia bater a Demi na parede até ela quebrar a parede no meio de tanto gozar pra deixar de ser mentirosa. Nossa, que tonta!

    ResponderExcluir
  6. Espero que ele volte a ser um bate parede mas só com a Demi.... Acho que tem mais hot chegando......continua por favor!!!!

    ResponderExcluir
  7. Por que parou ??????????!
    Cara eu to muito ansiosa pro proximo cap!
    Por favor, posta logoooooo!
    Beijos com glitter
    Eu te amo muito!

    By - Milena...!

    ResponderExcluir