8.7.14

Stripped - Capitulo 16

 
~

São quatro horas de uma tarde de terça-feira. Joe está fazendo a leitura para uma peça, ele atingiu o nível onde ele raramente tem audição, mas, aparentemente, as pessoas do elenco e o diretor tem alguns grandes nomes em mente para o papel, e eles precisam ver quem tem o perfil para isso. Estou em Rodeo Drive, fazendo compras para o seu aniversário surpresa amanhã à noite. Claro, há uma grande festa hoje à noite, uma coisa chamativa ostentosa criada pelo seu empresário, Audrey. É um grande negócio, uma vez que o quem-é-quem da lista de participantes pode ser lida como uma questão da OK Magazine. Vai ser divertido. Eu tenho feito algumas aparições com Joe, nenhuma tão grande ou dramática como o Oscar, obviamente, e a cada vez, eu sinto que eu tenho que ser a versão glamorosa, confiante, me entreter. Tenho que usar vestidos caros e jóias deslumbrantes e apertar as mãos de pessoas como Cameron Crowe, Adam Carolla e Jennifer Lawrence. Sim, é emocionante, mas um pouco estressante. Especialmente desde que eu estou no negócio, um pequenino peixe em um grande oceano, perigoso. E os vestidos? Eu gasto meu tempo me preocupando sobre potencialmente rasgar ou manchar um vestido que custa tanto quanto ou mais do que as casas da maioria das pessoas.

Eu comecei a manicure e pedicure já, e depois que eu terminar as compras, Luisa está vindo para fazer meu cabelo e maquiagem. Ter uma personal stylist é minha parte favorita de estar com alguém tão rico como Joe. É superficial e horrível, eu sei, mas é apenas a mais pura verdade. A menina em mim, adora ter alguém enfeitando e alisando meu cabelo até que está perfeito, e fazer a minha maquiagem de uma maneira que eu nunca poderia. Luisa tem esta técnica que deixa os meus olhos esfumaçados apenas o suficiente para ser sexy, mas não tanto que eu pareço com alguém de Jersey Shore* (Seriado produzido pela MTV), que é o que acontece se eu fazer isso sozinha. Luisa tentou me ensinar, mas eu nunca entendi direito.

A manicure a cada semana é bom também.

Eu não vou nem mencionar o massagista pessoal. Estou apenas dizendo.

Eu passo na loja de lingerie Agent Provocateur, e meu coração está na minha garganta. Eu sempre comprei a minha calcinha de algum lugar como Kohl, ou se eu tenho algum dinheiro extra, Victoria Secret. E é sempre apenas roupa interior básica e sutiã. Eu nunca experimentei lingerie real. A roupa mais ousada que eu possuo é um sutiã sem alças, que eu comprei para minha primeira grande noite com Joe, onde eu sabia que ia ser fotografada.

A mulher que me cumprimenta é polida e sofisticada, a imagem da Rodeo Drive. Ela é alta, ágil e loira platinada. Ela se apresenta como Violet, que é a coisa mais certa eu posso imaginar.

— Posso ajudá-la a encontrar alguma coisa? — Sua voz é como a seda.

— Eu... bem ... — Minha garganta está seca, e eu não tenho ideia do que pedir. Eu nem sei por onde começar. Decido ir com a honestidade, estou envergonhando-me de qualquer maneira. Eu provavelmente nunca vou ser capaz de visitar esta loja novamente. — Eu nunca comprei... lingerie antes. É meu namora… bem amanhã é o aniversário do meu noivo, e eu quero vestir algo para surpreendê-lo.

Ela acena com a cabeça de maneira uniforme, e sua expressão não muda, embora eu quase posso sentir o cheiro do desprezo vindo dela. — Eu entendo. Comprar-lhe algo extra para desembrulhar, hein? 

— Algo assim. Ele já tem praticamente tudo, então tudo o que posso realmente dar-lhe que ele vai querer é... bem, eu. — Eu coro quando digo isso, mas é verdade.

Eu vejo sua expressão mudar um pouco, e eu percebo que ela me reconhece, mas não sabe dizer de onde exatamente. É estranho ser reconhecida. — Ah , eu entendo, — ela diz, olhando-me de cima a baixo, avaliando. — Você é muito alta. Constituição muito... generosa, também. Você é provavelmente um corpo M, mas não mais do que um trinta e dois ou quatro. — Ela anda para o lado e examina a minha bunda. É estranho ser tão exaustivamente analisada por uma mulher. — A calcinha quatro, mais provável. — Ela diz isso de uma maneira quase em desaprovação.

Eu percebo, um pouco tardiamente, que ela está acostumada a ver mulheres pequenas de um tamanho muito particular que custumam vir aqui, e eu não sou isso. Não há nenhuma condescendência óbvia em sua voz, ela é muito profissional para isso, mas há um claro julgamento. Finjo não notar. Ela me mede, e depois me mostra vários tipos de lingerie, algumas que são de corpo inteiro que deixam mais de mim nua, outros que são pouco mais do que conjuntos de sutiã e calcinha complicadas e renda. O que chama o meu interesse, porém, são os espartilhos. Há todos os tipos de números interessantes e sexy nesta seção, corpetes, espartilhos, alguns que são lisos, alguns opaco, tudo fornecendo levantamento e modelagem. Não é que eu preciso de levantamento ou modelagem, mas ainda assim. Esse é o ponto de lingerie, não é? Para acentuar e acelerar o que você já tem?

Sei que o dimensionamento aqui é estranho. Eu sou um tamanho quatro em roupas íntimas, quando, normalmente, a cada outra loja que eu já comprei, eu sou mais uma criança de oito ou dez anos. Tento várias opções diferentes, e me contento em um item que Violet chama de "Leah corset". É cor de carne, pregas de tecido macio enrolam e amarram na parte de trás, elevando e apertando e todo o glamour em torno de fornecer o suficiente para que até eu posso dizer que estou bem. Joe vai entrar em combustão.

Depois de Violet tem todos os laços puxados, apertados e preso, eu me examino no espelho, e imagino a reação dele. Ele é... oh, meu.

Ele terá aquele olhar em seus olhos, o quente, um perigoso, as pupilas dilatadas e o brilho voraz de luxúria e amor.

— Eu vou levar, para presente. — Digo.

Eu me visto e espero pelo registo enquanto ela envolve a lingerie para mim. Eu não tinha olhado para a etiqueta, então minha garganta fecha quando vejo o número na tela de cadastro: $ 1,709.25. Eu tenho que me lembrar de respirar, digo a mim mesma que isso é bom. Eu posso permitir isso.

Eu entrego-lhe o cartão Chase Bank que Joe abriu para mim. Está no meu nome, compartilhando a conta. Isso é que é amor e confiança. Dar para uma menina um cartão de débito com acesso a milhões de dólares? Bom para ele que eu não sou uma garota material. Eu nunca iria gastar um monte de dinheiro em diamantes, roupas e sapatos. Eu tenho o que eu preciso, e se há algo que eu quero, é mais divertido contar a Joe e deixá-lo comprar para mim. Não me interpretem mal, eu gosto de fazer compras, tanto quanto qualquer garota, mas eu gosto de receber presentes de meu amante mais do que comprar coisas para mim. É mais gratificante. Além disso, eu posso agradecê-lo da maneira que tanto gosta.

É por isso que esta lingerie que estou comprando é realmente para nós dois. Eu nunca usaria o espartilho para mim. É duro, desconfortável e confinante. Eu me sinto sexy como o pecado nisso, mas é para ele. É para fazer com que ele precise meu corpo mais do que ele já faz, o que não deve ser fisiologicamente possível. E não é para mim, pois depois que ele olhar, ele vai tirá-lo de cima de mim e me fazer gritar até que os vizinhos vão pensar que eu estou sendo assassinada.

Eu tremo só de pensar o que eu vou pedir para ele fazer para mim.

Eu estou perdida em pensamentos de seu toque e beijo quando eu saiu da loja, e eu não vejo o paparazzi até que seja tarde demais.

— Demi, Demi, aqui, Demi! O que você comprou na Agent Provocateur, você pode nos mostrar? 

— Demi, como você se sente sobre a proposta de Joe? 

— O que você está dando a Joe para o seu aniversário ? É isso o que tem na bolsa?

— Existem crianças no futuro para você e Joe? 

Eu pisco quando o flash sai, tento respirar, manter a calma e ignorar a enxurrada de perguntas. E então a pergunta que gritam que me faz entrar em pânico.

Ele vem de um homem na casa dos trinta, com um longo rabo de cavalo loiro sujo e uma testa alta e espinha, afiados olhos castanhos cruéis, e uma barriga de cerveja.

— Demi, é verdade que você costumava ser uma stripper? 

Não posso deixar de reagir. Eu sei que não deveria, que reagir dá credibilidade à pergunta, mas eu não sou Joe. Meus olhos são atraídos para o repórter que fez a pergunta. — Sem... sem comentários. — Eu fico fraca com o pânico. Vai estourar agora, e vai arruinar a carreira de Joe. E a minha.

— Vamos lá, Demi, nós dois sabemos a verdade. Temos um amigo em comum, você vê. Um certo Sr. Timothy van Dutton. Ele me disse que você era a melhor dançarina.

— Sem comentários. — Eu tento empurrar forte, mas eles não me deixam passar.

Seu sorriso é lascivo, alegre. — Sobre isso, se é verdade, dizer 'sem comentários' novamente não vai ajudar. Quer dizer, não há nenhum sentido negar isso. Ele me contou tudo sobre você. Você não fica de topless exceto no palco. — Ele lambe os lábios e seus olhos inferior com luxúria óbvio para o meu decote. — Sinto muito por ter perdido a chance de vê-la dançar.

Eu não respondo. Saio para a rua, por pouco evito ser esmagada por um Mercedes prateado. Eles me seguem, me bombardeando com perguntas.

— Demi! Isso é verdade? Você era uma stripper? 

— Demi, volte! Onde você dança? Como você conseguiu o emprego? 

— Você pode nos dar uma pequena amostra de sua dança? 

— Olhe para mim, Demi! Quanto tempo você ficou como stripper? Alguma vez você realizou serviços sexuais? 

Eu não estou chorando ainda, mas quase. Eu quero fugir, mas correndo, eu sei que isso é equivalente a confirmá-la, mas não posso evitá-lo. Eu estou finalmente em meu Rover, quase um quarteirão de distância da loja, e eles estão aglomerando em volta de mim, repetindo suas perguntas, câmeras piscando, mantidas sobre suas cabeças para obter uma foto, microfones, gravadores e câmeras capturando minha face corada, olhos lacrimejantes, e as mãos trêmulas.

Eu sei que pelo menos uma das câmeras clicando captura a única lágrima que cai do meu olho quando eu ligo a Rover. E o segundo em que ligo, sem me importar com eles, saio correndo. Pela primeira vez, eu entendo a raiva com que algumas celebridades respondem a situações como esta. Estou ofegante, cada respiração ofegante e rápida. Eu estou tonta, mas não me atrevo a parar. Buzinas me dizem que eu estou dirigindo de forma irregular, e ouço gritos, pneus e freios, mas eu continuo dirigindo, deixando o piloto automático me levar para casa.

Joe não está em casa. Eu gostaria que ele estivesse. Eu preciso dele.

Eu acabo no ginásio, sentada no meio da pista de dança, soluçando. Eu ouvi a porta da frente abrir em algum momento, e a rigidez dos meus músculos me diz que tem sido um longo tempo que eu estive aqui no chão, chorando.

— Amor, o que aconteceu? — Ele me apanha e se senta comigo no colo.

Eu enterro meu rosto em seu peito e tento respirar. Eu começo a chorar de novo. — Eles... eles encontraram... Eles descobriram.

— Quem? Sobre o quê? 

— Os repórteres. Os paparazzi. Eles descobriram... que eu era uma stripper. — Eu engasgo com a palavra.

— Quem descobriu? — Eu descrevo o repórter que fez a pergunta, e o que ele disse. Joe soltou maldições. — Porra Larry Tominski. Esse cara é um merda.

— Eu tentei ficar com 'sem comentários' como você me disse, mas... Eu fiquei tão chateada.

— Você verbalmente confirmou? — Sua voz é suave, mas nítida.

Eu balancei minha cabeça negativo. — Não, claro que não. Mas o fato de que eu estava tão chateada... Eu corri, e eu estava chorando. É uma confirmação dizendo que sim.

Ele me aperta. — Você fez muito bem, amor. Eles são uns abutres. Não havia nada que você pudesse ter feito diferente. Tudo vai ficar bem.

— Não, Joe. Isso não é bom. — Eu me levanto, e ele se move para me puxar para um abraço, os lábios no meu queixo. — Todo mundo vai saber. Eles vão acreditar, e ninguém vai me contratar. Eles vão dizer coisas sobre mim, sobre você. Sobre nós. Isso vai afetar sua carreira. É o meu fim.

Ele suspira. — Demi, por favor, me escuta. Eu sabia desde o começo que iam descobrir. Era inevitável. Neste negócio, não há segredos, não para qualquer um.

— Você sabia que eles iam descobrir? 

Ele acena com a cabeça. — Claro. Você pensou que ninguém jamais saberia? Você acha que Kaz não sabe o que você fazia? — Ele soa quase divertido. — Kaz sabia, querida. Você nunca mencionou isso, por isso nem ele. E nem eu. E, quanto as nossas carreiras... não importa. Você acha que é a única aluna que teve que tirar a roupa para poder pagar a faculdade? Isso não é nada. Não neste negócio. Ele não seria grande coisa nem mesmo se fosse uma prostituda. Neste negócio, mulheres fodem para conseguir serem vistas o tempo todo. Neste negócio e em outros. Ninguém é inocente. Não na vida, e certamente não em Hollywood. Vamos ignorar os artigos e rumores e, eventualmente, vão morrer. Não responda às perguntas, e você vai ficar bem.

Eu fico mole contra ele. — Eu não quero que eles saibam. Tenho vergonha disso. Eu não... eu quero fingir que nunca aconteceu.

Ele me aperta, me apoia com os braços em volta da minha cintura. — Mas aconteceu, amor. — Ele toca meu queixo, e eu olho para ele. — Não tenha vergonha de si mesma, Demi. Você sobreviveu. Você cuidou de si mesma. Eu tenho orgulho de você.

— Eu me sinto tão... enojada. Quando eu penso sobre isso, eu quero vomitar tudo de novo. Odeio saber que eu fiz isso. Que eu era... que eu deixei homens...

— Agora acabou. Você nunca vai ter que fazê-lo novamente. — Suas palavras são uma respiração no meu ouvido. — Eu sempre vou cuidar de você. E eu nunca vou deixar ninguém falar mal de você, ou fazer você se sentir menos. Você é minha senhora, Demi. Minha. E isso significa que ninguém nunca vai conseguir dizer nada de merda sobre você, ou te fazer sentir uma merda. Ninguém, nem nunca. Eu incluso.

— Sinto muito, Joe. Eu só… 

— Você não tem nada que se desculpar.

— Mas é o seu aniversário, e eu estou uma bagunça.

Ele ri, escovando meu cabelo do meu rosto. — Eu não me importo, amor. A festa não começa por algumas horas, no entanto, e mesmo se tivéssemos uma casa cheia de gente, eu não dou a mínima. Você é a minha prioridade. Se você está chateada, todo o resto está fodido e eu tenho que fazê-la feliz novamente.

— Você me faz feliz.

— Então sorria e me beije. Nessa ordem.

Eu tento sorrir, e quase sou bem-sucedida. As memórias ainda estão andando de bicicleta pela minha cabeça, no entanto. Os olhos em mim, as luzes se banhando cada centímetro do meu corpo, o pulsar da música no fundo, as mãos estendidas para mim. Mãos cheias de gordurosas notas de dólar na minha tanga.

"Hey, baby. Vou lhe dar uma centena de dólares para chupar o meu pau."

"Tenho mil dólares para você se voltar para casa comigo."

Os sussurros não tão sutis de um amigo para outro. "Ei, Mike, confira a bunda. Eu poderia foder essa merda por horas, mano." E isso era totalmente normal, esperado. Eu não tinha o direito de reclamar. Eu pedi por isso, desde que eu coloquei o meu corpo à mostra para eles.

— Você não está mais lá. — A voz de Joe me traz de volta ao presente. — Você não está mais lá. Você é minha agora. Só minha.

— Só sua. — Esta verdade é como uma onda de luz erradicando as sombras. Eu não consigo sorrir ainda, mas eu posso olhar para ele, encontrar o seu olhar avelã macio. — Promete?

— Você está usando meu anel? — ele pergunta, meio que sabendo a resposta. Eu achato minha mão em seu peito e olho para o anel. Ele absorve a luz e refrata como um sol branco reluzente. — Então sim. Mas eu ainda preciso ver você sorrir.

Eu finjo um sorriso, e Joe revira os olhos. Eu bato no seu peito com a palma da mão. — Não é como se eu só pudesse... ser feliz. É difícil. É perturbador. São memórias que eu sempre vou ter e que eu desejo que não tivesse.

Ele só pisca para mim, depois se inclina e toca um pequeno beijo no canto da minha boca.

— Então eu vou ter que encontrar uma maneira de animá-la. Fazer você esquecer.

— Você é muito mais. Um pouco mais para a esquerda, — eu respiro. Ele sorri contra minha bochecha e beija o lábio superior, sugando-o na boca. — Perto. Inferior. — Ele desliza sua boca até a sugestão de clivagem acima de minha camisa, beijos e beijos. — Isso é longe. Mas... poderia funcionar. Continue indo.

— Para cima? Ou para baixo?

— Tanto faz... vai funcionar. — Ele pega minha camisa e beija minha barriga logo abaixo do meu sutiã.

Ele está puxando o meu sutiã para baixo quando a porta do ginásio abre e Luisa enfia a cabeça dentro — Oh, desculpe, desculpe. Eu... eu vou voltar outra hora, então. Desculpe.
 
Joe descansa sua cabeça contra meus seios. — Traumatizamos a estilista. — Ele estica e puxa minha camisa para baixo. — Você deveria ir ficar estilosa agora, não é?

Eu balancei minha cabeça. — Não, eu preciso de você. — Eu esmago minha boca na dele, pego a mão dele na minha, e oriento o seu toque para baixo, para baixo.

Ele reúne o tecido da minha saia de algodão solto em suas mãos e rela em minhas partes privadas. — O que você precisa, amor? Diga-me para que eu possa dar a você.

Eu não vou dizer, e ele sabe disso. Ele está sempre tentando me fazer falar sujo, mas não vou a menos que eu estou pega no calor do momento. Eu posso mostrar-lhe, no entanto. Eu entrelaço nossos dedos e juntos empurramos o elástico da minha calcinha, então seus dedos estão dentro de mim enquanto minha testa descansa eem seu peito e eu estou respirando com dificuldade. Ele desliza minha saia para fora, empurra minha calcinha para baixo e eu saio delas. Enquanto ele me toca, me traz cada vez mais perto do clímax, eu estou rasgando seu cinto e seus botões voam, liberando sua ereção e deslizando minhas mãos em volta dele, e ele está duro, enorme e vazando na ponta. Aprendi a ver quando ele está perto, e eu acaricio seu comprimento lento e suavemente até que ele está lá. Normalmente, ele teria me tomado e afundado em mim e me feito ir junto, mas ele apenas entra no clima do que eu estou fazendo neste momento. Quando ele está no limite, eu pressiono meus lábios em seu ouvido e falo sobre a minha mortificação.

— Agora. Me tome agora.

— Oh, porra, obrigado. — ele rosna.

Ele desliza suas mãos entre as minhas coxas e me levanta pelo meu traseiro. Eu levo minhas pernas em volta de sua cintura e beijo sua testa enquanto, ele me leva a passos largos para a parede. Sinto minhas costas contra a parede, e ele está dentro de mim. Ele me deixou à beira do orgasmo todo esse tempo, por isso estou desesperada. Eu me apego a seus ombros e levanto, afundo, levanto, afundo, me dirigindo em sua dureza, ofegando quando cada impulso nos aproxima.

E então o dedo médio procura o vinco da minha parte traseira, e encontra quente o centro apertado, e pressiona dentro, eu mordo seu ombro e gemo, raspando em seu comprimento e, em seguida, de volta para baixo. Seu dedo desliza para dentro de mim lentamente, e eu estou tão apertada que sinto sua primeira junta, uma vez que entra em mim, e eu estou rosnando agora, baixos ruídos no fundo da minha garganta, ruídos embaraçosamente selvagens.

— Eu quero você aqui, — ele sussurra. — Em breve, amor.

Sorrio um sorriso secreto em seu ombro. Ele não tem ideia de quão breve é.

Os pensamentos não são possíveis, então, quando nós chegamos ao ponto sem retorno, a borda de um orgasmo. Ele está explodindo dentro de mim, desencadeando uma onda molhada dentro de mim, e eu estou apertando ao redor dele com cada músculo, movendo-me com ele.

Quando nós dois puxamos a respiração, ele se afasta e olha para mim. Eu estou sorrindo de orelha a orelha, um sorriso brilhante de felicidade saciada.

— E aqui está o sorriso que eu estava procurando. E eu o obtive da melhor maneira. — Ele beija cada canto da minha boca virada para cima, e o sorriso que ele me dá é tão brilhante e tão lindo que estou sem fôlego, lembro como tenho sorte de ter esse homem, o amor deste homem.

Ele me coloca para baixo, e nós dois gememos quando ele desliza para fora de mim. Percebi minha calcinha na minha mão e inclino para um beijo longo e lento. — Obrigada, — eu digo.

— Por quê? 

— Me amar. Me animar. Ser meu. Por ser você.

— Eu deveria ser o único agradecendo por isso.

— Eu te venci nisso. — eu digo, em seguida, viro e deixo o ginásio, dando meus quadris um balanço extra para seu benefício. Eu sinto seu olhar colado ao meu traseiro quando eu saio. Todos os pensamentos negativos são banidos pela força do amor de Joe.

Eu tomo um banho rápido e, em seguida, envio um texto a Luisa para me encontrar no banheiro. Sim, eu tenho um celular agora. Isso era uma espécie inegociável para Joe. Luisa não encontra meus olhos enquanto faz o meu cabelo e maquiagem.

A festa é longa e intensa. Armando está lá, charmoso como sempre, e Kaz . Eu chamo Kaz num canto em torno da meia-noite.

— Você sabia? — A pergunta sai sem corte, quase com raiva.

Ele sorri para mim e bebe seu uísque. — É claro, Demi. É o meu negócio saber sobre meus estagiários e funcionários em potencial.

— Mas, Nina, você demitiu...

— Eu a despedi por ser uma prostituta e estar mentindo sobre isso. Ela não era uma stripper, Demi. Era uma acompanhante. — Ele bebe seu uísque novamente, e tira um longo e grosso charuto fora do bolso interno do blazer, ele acende em baforadas espessas de fumaça acre e, em seguida olha para mim através do nevoeiro. — Você estava fazendo o que tinha que fazer para sobreviver. Você estava tranquila sobre isso, discreta. Nina? Ela, basicamente, exibia o que ela fazia. Descobri que ela estava usando o meu banco de dados de clientes para conseguir os seus próprios clientes. Descobri, porque um deles ligou para meu escritório para solicitar seus serviços novamente. Quando eu confrontei ela sobre isso, ela negou. Eu poderia deixar pra lá se ela fosse discreta, mas eu não posso e não vou tolerar mentirosos.

Ele pegou um copo de vinho branco da bandeja de um garçom que passava e deu para mim. Eu dou um gole cuidadosamente, lentamente, eu ainda raramente bebia, e nunca o suficiente para me embebedar. — Eu estava preocupado que você iria me demitir se soubesse. Eu nunca te disse, e eu estava com medo, se você descobrisse, você iria me demitir por não ter dito.

Kaz riu, mas risada divertida. — Oh, Demi. Tão ingênua. — Ele envolve o braço em volta do meu ombro, seu charuto fumegando perto do meu rosto, fazendo meus olhos lacrimejarem e minha garganta faz cócegas. — Eu não teria demitido você. Mas eu tenho que dizer que estou feliz que não está fazendo isso. Isso não combina com você. Você é muito... boa... para esse estilo de vida.

Kaz é roubado em seguida, por um jovem roteirista de aparência nervosa que trabalhou em E o Vento Levou, provavelmente esperando para lançar uma ideia. Eu flutuo de um nó de convidados para o outro, conversando, sorrindo e tentando agir como uma anfitriã. Eu me sinto como uma impostora, às vezes. Como se alguém fosse ver através de meu disfarce e apontar para mim e rir, e dizer:

Ela não pertence aqui! Ela é apenas um caipira da Georgia! 

Isso nunca acontece, é claro, porque é tudo na minha cabeça.

Eu estou no meu terceiro copo de vinho, o máximo que eu já bebi em toda minha vida. Eu estou um pouco tonta, um pouco solta. Eu tive conversas incríveis com algumas das pessoas mais famosas do mundo. Shaquille O'Neal está aqui, por algum motivo que não consigo entender. Ele é bom. Jack Nicholson é muito melhor do que eu pensei que ele seria, com base na maioria dos papéis que eu vi ele interpretar.

Encontro-me no quintal, à beira da piscina, cercado por uma multidão de jovens produtores e alguns rapazes de som, e eles estão falando sobre algum projeto que todos eles trabalharam juntos, e eu sou capaz de descobrir qual filme baseado no contexto, o que me faz sentir muito inteligente. Estou ouvindo e aprendendo, e estou farta de vinho. Eu gosto desse sentimento, este lento e simples zumbindo na minha cabeça. Conversa vem fácil, e os caras em volta de mim escutam quando eu falo e respondem às minhas perguntas, sem condescendência. Sinto-me como se eu fosse parte do negócio. Eu sou, e eu me sinto muito bem.

Uma mão toma o copo de vinho vazio e pressiona um copo cheio de cubos de gelo cintilantes e âmbar líquido na minha mão. Eu pego o copo e olho para ele, sem compreender. Por que eu iria beber isso? Eu não tomo bebidas alcoólicas. Eu mal bebo vinho. Eu inclino minha cabeça para olhar para a pessoa que me deu. Ele é muito alto e magro, de boa aparência em um tipo moderno. Ele está vestindo jeans pretos apertados e uma camisa branca para fora da calça botão para baixo debaixo de uma camisa. A gravata levemente atada completa o visual. Seu cabelo é longo e despenteado, e seus olhos estão vidrados em mim. Eu acho que ele pode ser um agente, ou talvez um técnico de efeitos. Eu já o vi antes em algum lugar, mas eu não sei de onde. Isso me incomoda.

Entrego a taça de volta para ele. — Eu prefiro ter vinho, obrigada.

Ele empurra de volta para mim. — É Blue Label, querida. Alguns dos melhores uísque que existe. Basta experimentá-lo.

Essas duas palavras: Blue Label, trouxe de volta a memória confusa, que eu forcei distância. — Não, realmente. Eu não gosto dessas coisas. — Mas eu estou tomando ele de qualquer maneira, por algum motivo. Eu tossi, mas a maneira que queima depois de eu ter ingerido não é desagradável. Eu tomo um gole.

Ele sorri feliz. — Vê? Não é tão ruim. Eu sou Pavel, por falar nisso.

Eu aperto sua mão, e ele não a solta imediatamente. — Olá, Pavel. Eu...

— Oh, eu sei quem você é, Gracie. — Ele segura a minha mão, aparentemente alheio às minhas tentativas de retirá-la. Seu sorriso muda. Escurece, de alguma forma.

Meu burburinho morre. Preciso sair dessa conversa, agora. Mas ele ainda está segurando a minha mão. Eu puxo, mas ele não me deixar ir. Eu olho em volta de mim, mas o grupo que eu estava falando se dispersou, e Pavel e eu estamos sozinhos na piscina. Há pessoas do outro lado, perto da casa, mas estamos do outro lado, obscurecidos da vista da casa por um grande grupo de árvores.

— Eu não sei o que você acha que já ouviu falar, mas meu nome é Demi. Sou noiva de Joe.

Ele solta da minha mão, mas a palma da mão envolve minhas costas e me força contra ele. Eu me esforço para me soltar e ele apenas ri. — Oh, vamos lá. Nós dois sabemos o que você realmente é. Eu te vi, sabe. No Exotic Nights. Eu era um regular. Adorava te ver dançar. E então você desapareceu e o clube fechou... mas agora aqui está você. Dance para mim, Gracie.

Eu levanto o meu joelho e dou um pontapé tão duro quanto eu posso em sua virilha, e ele tropeça para trás, tossindo. Ele deixa cair o copo que está segurando e isso bate no chão, espirrando uísque em minhas sandálias.

Ele cambaleia, em seguida tropeça, olha para mim com ódio em seus olhos. — Sua vadia! Você é uma stripper. Isso é tudo o que você é. Esses vestidos caros de merda não podem esconder. — Ele dá um passo em minha direção.

Eu deixo cair o vidro enquanto corro de volta para longe dele, e, em seguida, mãos enormes estão em volta dos meus ombros, me puxando para longe. Eu me esforço para fugir quando percebo que as enormes patas pertencem a Greg. Há um flash de movimento e, em seguida, Pavel está voando. Ele bate em uma árvore e, em seguida Joe está lá, segurando-o no chão com uma mão em torno de sua garganta. Pavel chuta, faz um ruído ofegante estrangulado. Seus pés estão a três centímetros do chão, e Joe o mantem no ar com uma mão.

— Joe. — Kaz diz calmamente enquanto está caminhando com o seu uísque e charuto na mesma mão. Ele põe a mão livre no ombro de Joe. — Não faça isso. Greg vai acompanhá-lo, e eu vou colocar ele na lista negra.

Pavel balança a cabeça, mais horrorizado com o pronunciamento do que o pensamento de ser brutalizado em hambúrguer sangrento por Joe. Joe solta e se afasta. Pavel cai no chão, tosse, inclina-se sobre as mãos, ofegando. Eu acho está tudo acabado, Pavel abre a boca, provavelmente, para pleitear sua carreira, mas, em seguida, Joe gira de volta e com o punho como um martelo e bate no rosto de Pavel. Ele vai para o lado, e Joe está prestes a balançar novamente antes de eu capturar o braço. Eu coloquei minhas mãos no rosto de Joe e seus braços vão ao meu redor.

— Não. Não mais. Estou bem. Acabou. — Tomo sua mão e esfrego os dedos com os meus polegares.

Joe está fora ainda, sua raiva fazendo-o maior e mais forte, com um brilho violento em seus olhos quando ele olha para baixo, para Pavel. — Demi, ele...

— Ele não é nada. É seu aniversário. Apenas faça com que ele saia. — Eu encontro os olhos de Joe, e deixo-o ver que eu estou bem.

E realmente, eu estou. Em um aspecto, Pavel estava certo. Os vestidos extravagantes e jóias caras não podem esconder quem eu era, o que eu costumava fazer. Mas é passado. Eu não sou mais aquela pessoa, não mais do que eu sou a filha inocente e ingênua do pastor, que se mudou para Los Angeles, mas ambos são uma parte de quem eu sou e quem eu costumava ser, mas não estão mais comigo.

Também me senti muito bem ao dar uma joelhada nas bolas do bastardo.

Eu ri com o pensamento incomum, e a expressão de Joe muda de raiva à confusão. — O que é engraçado? 

— Apenas... Eu estava pensando como foi bom acertar o joelho nas bolas do bastardo.

Joe começa a rir e, em seguida, assim faz Kaz e Greg . — Só não faça isso para mim.

Eu desco e alcanço entre as pernas. — Eu nunca faria alfo assim. Eu os amo muito. — Kaz e Greg tossem e afastam-se, e eu percebo que eu poderia estar um pouco tonta ainda, se eu realmente disse e fiz isso na frente deles.

Joe fica chocado e sem palavras por um momento. — Droga, Demi. Deveria beber mais frequentemente se é assim que você fica. Você é sexy quando está embriagada.

Deixei Joe levar-me para dentro, e nós nos sentamos na sala de estar no sofá. Eu perco a conta de quantos copos de vinho eu bebo enquanto falamos com nossos amigos. A sala se desvanece até que há apenas sete ou oito de nós no sofá e poltronas de couro, conversando a noite toda, e eu fico tonta e tonta até Joe ser um pilar me segurando, e ele está me olhando, me medindo, e me deixando fazer o que eu quero. Kaz acende um charuto e dá para Joe, que traga e, em seguida, com um sorriso peculiar, coloca-o em meus lábios. Eu tomo um pequeno sopro e tusso, engasgo. Todos os homens riem, então eu pego de Joe e tento de novo, e talvez seja apenas o vinho, mas eu me sinto sexy o segurando e fumando a nele, como uma atriz dos anos 40, sentada em um piano em um vestido colante.

Joe balança a cabeça para mim, mas seus olhos brilham.

Eu me levanto cambaleando, e depois tenho de sentar. Joe ri. — Precisa de ajuda, amor?

Concordo com a cabeça. — Eu tenho que fazer xixi. — meu sotaque da Georgia  é mais evidente do que nunca, e eu percebo que estive lentamente recuperando o sotaque durante a noite toda, desde o incidente com Pavel, que era horas e horas atrás neste ponto. O relogio diz que é 3:26. Eu não posso acreditar que eu ainda estou de pé.

Eu sinto algo acontecendo nos meus pés, e eu olho para baixo, para ver Joe tirando as sandálias de salto alto que estou usando, deslizando um fora, e depois o outro. Eu assisto-o e deixo-o fazer isso, e então ele me leva ao banheiro. Estou encostada nele, meu braço em volta de sua cintura. Eu definitivamente cairia se ele não estivesse aqui, mas ele está, então eu estou bem. Ele me segue até o banheiro, mas não me solta. Ele me segura pelos ombros enquanto eu desajeitadamente me concentro em tirar meu vestido e minha calcinha, e em me sentar para fazer xixi. Há dois dele, por alguma razão. Mais sexy para olhar, então está tudo bem. Ele tem um sorriso divertido no rosto, nós dois.

— O quê? — pergunto.

— Você está bêbada.

Eu aceno. — Definitivamente bêbada. É engraçado?

Ele ri e me ajuda a ficar de pé quando eu volto a vestir-me e lavar as mãos. — Sim, meu amor, é. Muito engraçado.

Um pensamento que me ocorre, e eu começo a franzir a testa para ele, ou qualquer um dele que seja o real. Eu fecho um olho, e só há um. Eu cuidadosamente enuncio as minhas palavras. — Eu não estou te envergonhando na frente de seus amigos, estou? — Bem, isso foi muito arrastado.

A expressão de Joe não tem preço, divertida e terna ao mesmo tempo. — Não, amor. Nem um pouco. Todos nós já estivemos bêbados antes. Você é linda e é perfeita. Apenas se divirta e relaxe. Eu vou cuidar de você.

— Mas... é o seu aniversário. Você deveria estar se divertindo e se embriagando, não eu.

Ele escova meu cabelo para longe com o polegar. — Esta é a melhor festa de aniversário que eu já tive, apesar do imbecil do Pavel. E eu estou muito bêbado, amor. É quase quatro da manhã e eu estou bebendo desde as sete.

Eu fico olhando para ele, tipo de impressionado. — Mas... você não parece bêbado.

Ele ri abertamente nisso. — Eu tive muita e muita prática.

Concordo com a cabeça. Isso faz todo o sentido. Eu penso em qualquer outra coisa que eu tenho para lhe dizer. — Eu sei... Eu sei que toda a gente lhe deu presente hoje, e eu não. Mas eu tenho um presente para você. Eu não posso dar a você até amanhã. Ou hoje. Que seja. É uma surpresa.

Joe me dá esse olhar divertido ainda maior. — Você é o presente, querida. É tudo que eu preciso de você.

Eu sorrio. — Oh, eu tenho certeza que você vai gostar disso. Mas é uma surpresa. — Acho que já disse isso, mas eu não me lembro. De repente, eu me sinto mais bêbada do que nunca, e muito cansada.

Joe vê, e me levanta daquela maneira fácil dele. — Você está pronta para a cama, não é? — Concordo com a cabeça , e ele me beija suavemente. — Descanse, então. — Eu adormeço, e sinto que ele me coloca em nossa cama, me cobre. Ele aperta meu ombro, e eu acordo. Ele aperta um copo de água em minha mão, e um par de pílulas na outra. — Isso vai ajudá-la a não ter tanta ressaca de manhã. Durma, meu amor. Eu te amo.

Depois que eu tomei a aspirina, eu o olhei com um olho. — Você é a melhor coisa que já me aconteceu, Joe Jonas. — É o último pensamento lúcido que eu pude expressar.

— Idem, amor. — Ele me beija, e eu quero beijá-lo de volta, mas eu estou indo para baixo. — Acho que somos a melhor coisa que aconteceu um para o outro.

Isso é verdade, tão verdadeiro. Mas eu estou totalmente insensível, agradavelmente solta. A sala está girando, a cama está inclinando debaixo de mim. Abro os olhos, mas o quarto é o meu ainda, e eu percebo que é na minha cabeça. Eu deixo, e deslizo sob as ondas do sono. Sinto uma mão em volta da minha cintura, e ele está atrás de mim. O tempo passou, e os pássaros estão cantando no céu cinzento, e então eu estou de volta com ele.


~

Quem aí quer um Joe Jonas em casa??? meu Deus, eu estou encantada por esse Joe <3
essa mini-fic  só tem o capitulo 17 e um mini epilogo, beijooos <3

5 comentários:

  1. Está perfeito, como sempre. Eu só não percebi uma coisa o que isto significa: "— Idem, amor." eu n quero estar a ser chata obviamente só que eu n percebi, desculpe. Mas mesmo n percebendo essa parte pequenina o capitulo está perfeito amei!!! Kiss :* Poste logo pf.

    ResponderExcluir
  2. Aí meu Deus, eu quero um Joe Jonas na minha casa! Ainda mais se ele for esse Joe todo prefeito!! Não acredito que esta acabando... Não quero que acabe!! Posta mais ficou perfeito, perfeito <3
    Fabíola Barboza :*

    ResponderExcluir
  3. Muuuuito bom ....
    Essa Demi bêbada é a melhor! Rsrsrsrs
    Posta mais?!

    ResponderExcluir
  4. Posta logo pelo amor de deus, preciso ocupar a minha mente antes que eu faça uma bomba e exploda a seleção do brasil

    ResponderExcluir