24.7.14

Subindo Pelas Paredes - Capitulo 6 - Maratona 5.10

 
~
 
Glossário:
*Comida para gatos, rica em nutrientes.
**Isso mesmo... ela se refere a masturbação com uma banana
*Cartão de credito.
* Daiquiri : 1 dose de rum branco, 1 colher (chá) de açúcar, 2 colheres (chá) de suco de limão.
*Os Three Stooges (Três Patetas, no Brasil, Os Três Estarolas, em Portugal), foi um grupo cômico norte-americano.
*Escritor de histórias de romance.
** http://chryanvii.files.wordpress.com/2009/02/img_63221.jpg
*Linebacker: pra quem não se lembra é uma posição do futebol americano. Os linebacker são a defesa do time.
*Personagem do filme E o Vento Levou..
**Lucy Kate Jackson, é uma atriz norte-americana especialmente conhecida pelo seu papel como "Sabrina Duncan" na série  americana Charlie's Angels (Anjos de Charlie, em Portugal -As Panteras, no Brasil), produzida e exibida pela ABC, nos anos 70.
***Grife de roupa, criada pelo desenhista de roupas americano Ralph Lauren

DEMI POV

Essa foi à primeira noite que eu sonhei com Joe Bate-Parede...

- Oh Deus.

Thump...

- Oh Deus.

thump thump...

Eu estava sendo conduzida até a cama com a força de suas pressões. Ele estava se dirigindo a Mim com uma força inabalável, dando-me exatamente o que eu poderia ter e, em seguida, apenas empurrando-me para a borda. Seu rosto olhou para mim, forte, me dando aquele sorriso sabichão. Fechei os olhos contra ele, deixando-me sentir como eu estava sendo profundamente afetada. E eu quero dizer profundamente... profundamente...

Ele segurou minhas mãos e levou-as a acima da minha cabeça, colocando-as na cabeceira da cama de ferro, agarrando firme.

- Você vai querer segurar firme nisso - ele sussurrou em meu ouvido, e atirou uma das minhas pernas para cima, por cima do seu ombro enquanto ele movia seus quadris, fazendo-me gritar o seu nome.

- Joe! - Eu gritei, sentindo meu corpo começar a ter espasmos. Seus olhos, aqueles olhos verdes condenáveis, olharam nos meus enquanto eu tremia ao redor dele.

- Pooooorrraaaaa,Joe! - Eu gritei novamente, e acordei assustada.

Com meus braços sobre minha cabeça e as mãos agarradas firmemente em torno da cabeceira de ferro.

Fechei os olhos e forcei minhas mãos a liberarem o metal, vendo as marcas por minhas mãos segurarem tão firmemente.

Eu estava respirando pesadamente enquanto eu lutava para sentar-me. Eu estava coberta de suor, minha pele corada, e eu estava ofegante. Eu estava realmente ofegante. Encontrei os lençóis em uma bola no pé da cama, e Clive enterrado embaixo, só o nariz espreitando pra fora.

- Oh Clive, do que você está se escondendo?

- Miau - foi sua resposta irritada e uma cara assustada.

- Você pode sair seu bobo, mamãe parou de gritar. Eu acho. - Eu ri, passando a mão nos meus cabelos úmidos. Eu tinha espalhado suor pelo meu pijama e agora estava parada em frente ao ventilador, secando meu corpo e começando a me acalmar. Minha perseguida estava se contraindo. - Essa foi por pouco, hein O? - Fiz uma careta, pressionando as pernas juntas com uma sensação desagradável e não satisfeita entre as minhas coxas.

Clive me empurrou e correu para a cozinha, fazendo sua dancinha ao lado de sua tigela.

- Yah yah yah, sossegue. - Eu grasnei quando ele próprio se enfiou dentro e fora dos meus tornozelos, olhando para mim o tempo todo. Joguei uma colher de Iams* em sua tigela, e fiz o café. Ajeitei-me sobre o balcão e tentei me acalmar. Eu ainda estava respirando um pouco forte.

Esse sonho foi... bem... ele tinha sido intenso.

A única coisa é que eu não queria estar sonhando era com o Bate-Parede. Ele era um idiota com um harém e não me importava o quão bom ele era com seu pau... Eu não queria nada com ele. Pensei novamente em seu corpo empoleirado em cima de mim, uma pequena gota de suor rolando fora de seu nariz e descendo ao meu peito. Ele baixou-se e arrastou a língua até meu estômago, e para os meus seios e depois...

Sr. Café me trouxe de volta do Sr. Bate-Parede, e eu estava grata porque eu poderia me sentir ficando excitada novamente. Doce Jesus, isto ia ser um problema?

Servi-me uma xícara de café, uma banana descascada, e olhei para fora da janela. Eu ignorei a minha compulsão por uma massagem com uma banana*, em vez disso a empurrei dentro da minha boca. Oh doce Cristo, o empurrão! Eu era uma pervertida, doente e estava esquentando rápido em direção ao sul. E pelo sul eu quero dizer...

Eu me dei um tapa no rosto e obriguei-me a pensar em outras coisas sem ser o mulherengo que eu estava partilhando uma parede. Coisas vazias. Coisas inócuas. Cachorrinhos... estilo cachorrinho.

Casquinhas de sorvete... lamber seu cone com duas colheres.

Bolas de praia... bolas... OK bastante, agora você não está tentando mesmo...

Obriguei-me a tomar banho, e cantei Star Spangled Banner repetidamente para evitar que minhas mãos fizessem outra coisa que não fosse me lavar. Sim, eu precisava ter certeza de que meus mamilos estariam limpos. Ei, só porque o O tinha me deixado sozinha e seca não significava que as meninas não precisam de um pouco de amor ao longo do tempo... e eu realmente adorava a maravilhosa graça do gel de banho.

Quando abri a porta, naquela manhã, dando um adeus para Clive por cima do meu ombro, orei silenciosamente para que não tivesse nenhuma menina do harém andando pelo corredor. Estava claro.

Eu coloquei meus óculos de sol enquanto eu caminhava para fora da porta, mal percebendo a Range Rover. E por mal percebendo eu quero dizer que mal perceberia esse safado me curvando sobre a cadeira na minha sala e... DEMI!

Eu poderia ter um problema aqui...

Ao fim da tarde, eu estava em meu escritório quando Jillian enfiou a cabeça pra dentro.

- Toc, toc - disse ela, sorrindo.

- Ei, o que está acontecendo? - Eu sorri, recostando-me na minha cadeira.

- Pergunte-me sobre a casa em Sausalito.

- Ei Jillian, como está a casa em Sausalito? - Eu perguntei, revirando os olhos.

- Terminada - ela sussurrou e atirou os braços no ar.

- Cala a boca! - Eu sussurrei de volta, os olhos agora largos. Eu amava o fato de que eu tinha o tipo de chefe que eu poderia dizer para calar a boca.

- Totalmente, totalmente, absolutamente pronta! - ela gritou e sentou-se à minha frente. Eu ofereci uma colisão de punhos por cima da mesa, e ela bateu.

- Agora isso é uma boa notícia. Precisamos comemorar - eu respondi, abrindo uma gaveta.

- Demi, se você tirar uma garrafa de whisky eu vou ter que consultar o recursos humanos - alertou, contraindo um sorriso.

- Antes de tudo, você é o recursos humanos. E em segundo lugar, como eu iria ter um whisky no meu escritório! Obviamente só se for em um balão amarrado a minha coxa - eu ri, produzindo um estalo.

- Legal, melancia mesmo. Meu favorito - ela aprovou enquanto desembrulhada e começou a chupar.

- Então, me diga tudo sobre ela - Eu solicitei.

Jillian e Benjamin estavam reformando uma casa em Sausalito por quase 108 anos. Parecia isso de qualquer maneira. Eles estavam procurando uma propriedade na comunidade à beira-mar durante anos, uma que continha a combinação certa de vista, espaço, escala e ambiente. Eles encontraram tudo o que queria, exceto que a casa existente era irremediavelmente ultrapassada. Eles se mudaram para uma construção de qualquer maneira, tinham um quarto para que eles pudessem permanecer no imóvel durante a construção. Ela atravessava a ponte todos os dias em se carrão sobre a baía e ao longo da cidade. Eu tinha a visitado várias vezes enquanto a casa tomava forma, e eu sabia se ela realmente a terminasse finalmente seria incrível.

Eu tinha ajudado um pouco com consultoria para Jillian quando ela terminou de escolher os toques finais, e só pelas fotos eu sabia que era exatamente o tipo de casa que eu tinha sonhado durante anos. A casa de Jillian seria quente, convidativa, elegante, acolhedora e cheia de luz.

Conversamos sobre isso por um tempo, e então ela me deixou voltar ao trabalho.

- Aliás, próximo fim de semana é a inauguração, você e seu bando estão convidadas - disse ela sobre o ombro em seu caminho para fora da porta.

- Você acabou de dizer bando? - Eu brinquei.

- Eu posso ter dito, vocês virão?

- Parece bom, não precisamos levar nada e ainda podemos ver seu noivo?

- Não se atreva e eu não esperaria nada menos - ela disparou de volta.

Eu sorri e voltei a trabalhar. Festa em Sausalito? Parecia promissor...

- Não é sério que você tem uma queda pelo Bate-Parede, é? - Miley perguntou chupando o canudo.

- Claro que não. Quem sabe de onde esse idiota veio? Demi nunca poderia - respondeu Selena para mim, jogando os cabelos para trás por cima do ombro de forma deslumbrante, e uma mesa cheia de empresários estúpidos estava olhando para ela desde que ela entrou para o nosso encontro para o almoço no nosso pequeno bistrô favorito em North Beach. Já fazia uma semana desde que comecei a sonhar com o Bate-Parede. Uma semana muito longa.

Miley recostou na cadeira e riu, me chutando por baixo da mesa.

- Maldita anã - eu olhei duramente para ela, corando furiosamente. Miley sempre sabia, ela tinha um talento especial para a leitura de pessoas e era inútil tentar esconder alguma coisa dela.

- Sim, maldita anã! Demi sabe bem disso... - Selena riu, em seguida, arrastou-se, finalmente, tirando seus óculos escuros e mudando seu olhar para mim.

O violoncelista e a anã insistiam em me incomodar. Uma sorria e a outra xingava.

- Ah Jesus Demi, não me diga que você está caída por esse babaca? Porra, você está? - Selena bufou quando o garçom trouxe uma garrafa de Pelegrino. Ele olhou para Selena e ela mandou-o embora sem um olhar. Selena sempre foi bonita, mas o fato de que ela xingava como um marinheiro deixava os homens loucos. E quando descobriam que ela tocava violoncelo? Eles realmente não tinham chance.

Miley era diferente. Ela era tão pequena e bonita, que, inicialmente, os homens eram atraídos por seu charme natural e sua graça. Então, eles realmente davam uma olhada para ela, e percebiam que ela era bonita. Havia algo nela que fazia os homens querer cuidar dela e protegê-la, até chegarem ao quarto dela. Ou então eu já dizia. O Lugar das Loucuras era lá...

Eu era aparentemente gostosa, e isso tinha sido dito por várias pessoas, e não apenas por minhas meninas. Eh, em um dia bom eu sabia que podia funcionar. Eu nunca me senti tão quente como Selena ou tão perfeita como Miley, mas eu dava pro gasto. Eu sabia que quando nós três saíamos podíamos realmente fazer uma cena, e até recentemente, tínhamos nos utilizado para ganhar vantagem.

Cada uma de nós tinha tipos muito distintos. O que era bom, porque nós raramente íamos para o mesmo cara.

Selena era muito particular. Ela gostava de seus homens altos, magros e bonitos. Ela não gostava deles muito altos, mas um pouco mais altos do que ela. Ela queria seus homens educados e inteligentes, e de preferência loiros. Ela também era uma otária para um sotaque sulista. Sério, se um cara a chamasse de 'minha querida' ela se molhava. É verdade, eu tinha jogado com ela uma noite, quando ela estava carente e usei o meu melhor sotaque de Oklahoma. Acabei por ter de lutar contra ela a metade da noite. Ela alegou que estávamos na faculdade e queria experimentar.

Miley por outro lado, ainda era particular, mas não tanto com a aparência. Ela gostava de seus homens grandes, enormes, altos e fortes. Ela adorava a sensação de um homem gigante, desde que ela era tão pequena. Ela adorava quando ele tinha que carregá-la para beijá-la ou deixá-la em um banquinho para que eles não tivessem dores no pescoço. Ela gostava de seus homens um pouco sarcásticos, mas odiava quando a chamavam de alguma coisa como "fada" ou "Sininho" ou qualquer coisa assim. "Eu sou todas as mulheres! Sou uma mulher pequena, mas não sou uma fada do caralho. Use essa merda da Disney para outra", ela gritou uma noite para um gigante que tinha sido promissor até ele compará-la a seu Sprite. Eu era mais difícil de definir, mas eu sabia quem era quando eu o via. Como o Supremo Tribunal Federal e a pornografia,  eu estava ciente. Eu tinha uma tendência a ser atraída por caras muito livres, salva-vidas, mergulhadores, alpinistas, etc. Eu gostava de cortes de cabelo baixos, mas um pouco desgrenhado, cavalheiresco com um toque de bad boy, e que ganhasse dinheiro suficiente para eu não ter que pedir nada da mamãe. Passei um verão super quente com um surfista infernal que não podia sequer pagar sua própria manteiga de amendoim. Mesmo estando enrolada com o Eric e seus orgasmos diários, eu não consegui continuar quando eu descobri que ele estava usando meu Amex* para pagar a sua cera sexy. E a sua conta de telefone celular. E sua viagem à Figi que eu nem sequer fui convidada. Vá com calma surfista, vá com calma.

Eu poderia ter usado ele mais um pouco antes de o deixar... ah os dias antes da partida do O.

Vários orgasmos. Suspira.

- Então, espere um minuto, você não viu esse cara ainda? - Selena perguntou depois que havia feito o pedido, e eu tive que voltar de minhas memórias do pequeno surfista.

- Sim, eu o conheci - eu gemi e Miley esfregou os ombros suavemente.

- Quando o inferno que isso aconteceu? Onde eu estava? - Selena perguntou, olhando entre nós duas.

- Ela me disse esta manhã, quando eu a peguei bocejando no telefone. Eu achava que era de todas as batidas na parede, mas nãooo. Senhorita Demi tem tido alguns sonhos impertinentes sobre seu vizinho - ela riu. Revirei os olhos para ela.

- Então, quando você o conheceu? E eu acredito que ele é bonito? - Selena perguntou.

- Sim, eu o conheci. E sim, ele é bonitinho. Muito bonito para seu próprio bem, ele é um idiota! - Exclamei, batendo a mão em cima da mesa em frustração. Eu bati muito forte.

Selena e Miley trocaram um olhar e eu mostrei a elas meu dedo do meio.

- Então como ele se parece? - Selena perguntou, cavando sua salada que tinha acabado de chegar. Suspirei novamente, e disse sobre minhas fantasias. Eu disse a elas sobre a Londrina e do jeito que eu fui lá e gritei com ele no meio da noite. Sobre como eu fui gritar com ele vestida com minha camisola muito acanhada e Selena se engasgou com sua azeitona. Eu disse a elas sobre o que dissemos uns aos outros, e a piada que ele fez sobre a falta de batidas do meu lado do apartamento.

- Não conte essa parte, ele é um idiota! - Miley suspirou com isso.

- Eu sei! E então no dia seguinte, ele estava no corredor com a Surrada, beijando-a enquanto eu estava tentando sair! É como uma cidade doentia do orgasmo lá, e eu não quero nenhuma parte dela! - Eu disse, mastigando furiosamente minha alface.

- Eu não posso acreditar que Jillian não a avisou sobre esse cara - pensou Selena, empurrando o resto de seus croutons ao redor no seu prato. Ela estava sem comer pão de novo, com medo dos cinco quilos que ela alegou que ganhou no ano passado. Eu estava cheia disso, mas não havia como discutir com Selena quando ela colocava alguma coisa na cabeça.

- Não, não, ela disse que não conhece esse cara. Ele deve ter se mudado depois que ela morava lá. Quero dizer, ela quase nunca esteve naquele lugar. Eles só o mantiveram para eles sempre terem um lugar para ficar na cidade, mas quanto mais ela se mudou, ela raramente foi lá. E de acordo com Euan e Antonio, ele só está no prédio há um ano ou assim. E ele viaja o tempo todo, o que não me admira de eu nunca o encontrar - Eu expliquei, percebendo quando eu disse em voz alta que eu tinha feito um dossiê sobre esse cara.

- Então, como tem sido as batidas na parede esta semana? - Selena pediu.

- Relativamente calmas, na verdade. Ou ele realmente me ouviu e está sendo um bom vizinho, ou o seu pau finalmente quebrou com uma delas e ele procurou atendimento médico - disse eu, um pouco alto demais. A mesa de empresários deve ter escutado muito atentamente quando todos eles sufocaram um riso um pouco depois, e cruzei as pernas na simpatia inconsciente. Nós três demos uma risadinha e continuamos com o nosso almoço.

- Falando de Jillian, vocês são convidadas a irem a sua casa na próxima semana para sua festa de inauguração - Eu disse às meninas, quando ambas se abanavam. Nós todas tínhamos um tipo de paixão secreta por Benjamin. Ele era o cara que todas nós concordávamos que adorávamos e queríamos muito encontrar alguém como ele. Sempre que estávamos todas com Jillian, e estávamos cheias com bastante licor, gostávamos de confessar a ela e fazer ela nos contar histórias sobre ele. Se nós tivéssemos sorte e conseguíssemos enfiar um Martini extra nela... bem... vamos apenas dizer que era bom saber que o sexo continuava a valer a pena em seus 30 e 40 anos. A história sobre Benjamin e o Salão de dança do Hotel Fairmont? Wow. Ela era uma mulher de sorte.

- Isso vai ser legal, porque não chegamos cedo e nos arrumamos na sua casa, como nos velhos tempos? - Miley gritou enquanto Selena e eu tampávamos nossos ouvidos.

- Sim, sim, tudo bem, mas sem mais gritos ou vamos marcar o seu rabo com esse assunto - censurou Selena quando Miley se recostou em seu assento, com os olhos brilhando. Eu adorava as minhas meninas. E eu quero dizer as meninas reais desta vez, não só meus seios...

Depois do almoço, Miley saiu para seu próximo compromisso, que era em outro bairro e Selena e eu
dividimos um táxi.

- Então, você nunca me contou sobre o sonho que você teve sobre seduzir seu vizinho - ela me lembrou, para grande satisfação do motorista de táxi.

- Olhos na estrada senhor - Ensinei quando eu o peguei olhando para nós pelo espelho retrovisor.

Eu deixei meus pensamentos derivarem de volta para os sonhos, que tinham vindo todas as noites da semana passada. Eu, por outro lado, não tinha. Isso tinha aumentaram a minha frustração sexual. Enquanto eu pudesse ignorar o O, então eu estava OK. Agora que eu estava sendo inundada por esse sonho de ser golpeada pelo Bate-Parede todas as noites, o O e sua ausência estavam ainda mais pronunciados. Clive tinha passado a dormir em cima da cômoda, era mais seguro que ele ser submetido as minhas pernas voando, entende.

- Os sonhos? Os sonhos são bons, mas ele é um idiota! - Exclamei de novo, batendo o punho para baixo sobre a maçaneta da porta.

- Eu sei, isso é o que você sempre diz - acrescentou ela, olhando-me com cuidado.

- O quê? O que é esse olhar?

Eu chorei.

- Nada, apenas olhando para você. Está muito afetada até por alguém que é um imbecil - ela me lembrou.

- Eu sei - eu suspirei, olhando pela janela.

- Você está me cutucando.

- Eu não estou.

- Sério, que diabos tem no seu bolso Miley, você está escondendo? - Selena exclamou, empurrando sua cabeça fora enquanto Miley pressionava a chapinha nos cabelos. Eu ri do meu lugar na cama, calçando as sandálias. Eu tinha colocado o meu próprio cabelo em rolos antes que as meninas chegassem e fui poupada do tratamento completo. Miley imaginava ter algum tipo de evasão escolar de beleza, e se ela poderia abrir uma loja em seu quarto, ela tinha feito uma cuidadosa reflexão.

Miley tirou uma escova do bolso e mostrou para Selena antes de começar a provocar. Como a louca que ela é.

Fizemos uma pré-festa, tal como fazíamos em Berkeley, até com os daiquiris* congelados. Embora tivéssemos atualizado o álcool com um bom e suco de limão. Ainda assim, nos deixou um pouco altas e alegres.

- Eu tenho um bom pressentimento sobre essa noite, sabe? - Miley disse quando ela forçou Selena a virar o cabelo dela o máximo para que ela pudesse ‘receber algum vento na coroa’.

- Eu tenho um sentimento engraçado, talvez porque eu esteja de cabeça para baixo - murmurou Selena, que me enviou em outro vendaval de risos. Quando estávamos rindo, eu ouvi vozes da casa ao lado. Levantei-me para fora da cama e fui para mais perto da parede onde eu poderia ouvir melhor e, desta vez em vez de apenas Joe, havia duas outras vozes distintamente masculinas. Eu não podia entender o que eles estavam dizendo, mas de repente Guns N’ Sophias veio tremendo através das paredes, alto o suficiente para fazer Selena e Miley pararem o que estavam fazendo.

- Que porra é essa? - Selena gritou, olhando freneticamente ao redor da sala.

- Bate-Parede é um fã G'n'R, eu acho - Eu encolhi os ombros, secretamente gostando de ser bem vinda à selva. Coloquei a cabeça para baixo e fiz a dança do caranguejo de frente para trás, para o deleite de Miley, e o desprezo de Selena.

- Não, não, não é isso imbecil - censurou Selena sobre a música e pegou em sua cabeça. Miley gritou com o riso quando Selena e eu batalhamos na dança do caranguejo. Até claro, Selena começou a bagunçar o cabelo e, em seguida, Miley deu o bote. Selena pulou na cama para fugir dela e eu me juntei a elas. Nós saltamos para cima e para baixo, gritando a letra e agora dançando loucamente. Miley finalmente cedeu, e nós três dançamos como loucas. Comecei a sentir a cama se mover debaixo de nós, e eu percebi que ela estava batendo alegremente contra a parede. Na parede de Joe.

- Pega essa Bate-Parede! E essa! E um pouco de.... essa! Ninguém está batendo em minhas paredes hein? HAHAHA! - Eu gritava como louca e Miley e Selena observavam com espanto. Selena desceu da cama e ela e Miley se segurava uma na outra enquanto elas riam e eu pulava. Eu balançava para trás como se eu estivesse em uma prancha, dirigindo minha cabeceira para a parede novamente e novamente.

A música foi cortada de repente, e eu me joguei, como se eu tivesse sido baleada. Miley e Selena apertaram as mãos sobre a boca da outra parecendo algum tipo de filme como Os Três Patetas*. Deitei forte na cama, mordendo a minha própria mão para não rir. A agitação no quarto estava como quando você é pego fazendo besteiras na casa de alguém, ou quando você fica rindo no fundo da igreja. Você não pode parar, você não pode parar.

BANG BANG BANG

De maneira nenhuma. Ele bateu pra mim?

BANG BANG BANG

Ele bateu pra mim...

BANG BANG BANG meus punhos tocaram para fora enquanto eu bati tão forte quanto eu podia. Eu não podia acreditar que ele teve coragem para tentar e consegui me acalmar. Ouvi vozes masculinas rindo.

BANG BANG BANG veio mais uma vez, e meu temperamento queimou.

Oh que filho da puta falso...

Eu olhei para as meninas, incrédulas e elas pularam na cama comigo.

BANG BANG BANG BANG martelamos, seis punhos furiosos espancando sobre o gesso. BANG BANG BANG BANG voltou para nós, muito, muito mais alto desta vez. Seus meninos devem ter chegado para a ação.

- Toma essa Bate-Parede! Sem sexo para você! - Eu gritei para a parede enquanto minhas meninas gargalhavam histericamente.

- Toneladas de sexo para mim Batedora de Portas, nenhuma pra você! - ele gritou de volta.

Eu levantei meus punhos para bater mais uma vez.

BANG BANG BANG BANG BANG bati do meu lado.

BANG BANG! A mão foi a única resposta de volta, e depois o silêncio.

- OOOOOOOOOOHHHH! - Eu gritei para a parede e eu podia ouvir Joe e os seus rapazes rindo do seu lado.

Miley, Selena e eu olhávamos de olhos arregalados para a outra até que ouvimos um pequeno suspiro atrás de nós.

Todas viramos ao mesmo tempo para ver Clive sentado na cômoda. Ele olhou de volta para nós, suspirou de novo, e começou a lamber seu bumbum.

- O nervo, refiro-me a mãe amorosa do nervo desse cara! Ele teve a coragem de realmente bater na minha parede, na minha parede, quer dizer, Deus ele é...

- Idiota, como sabemos - Miley e Selena disseram em uníssono enquanto eu continuei o meu discurso retórico.

- Sim, um idiota! - Eu continuei, ainda agitada. Nós estávamos no carro a caminho de casa Jillian e Benjamin. O serviço de carros chegou pontualmente às 08h30, e logo estávamos passando por cima da ponte.

Quando olhei pela janela e vi as luzes cintilantes de Sausalito, comecei a me acalmar um pouco. Eu me recusei a deixar o Bate-Parede me chatear. Eu estava com minhas duas melhores amigas em uma festa fantástica organizada pela melhor chefa do mundo. E se eu tivesse sorte, seu marido nos deixaria ver as fotos de quando ele era um nadador na faculdade, quando os nadadores ainda usavam apenas sungas minúsculas. Se Benjamin tivesse bebido bastante, às vezes daríamos uma olhada nos seus álbuns antigos e, em seguida, suspiraríamos e olharíamos indefinidamente até que Jillian nos colocasse pra fora. E então ela normalmente iria colocar Benjamin pra fora também, para dormir.

- Eu estou lhe dizendo, eu tenho um sentimento muito bom sobre esta noite. Acabei de ter um sentimento, eu não sei. Eu sinto que algo vai acontecer hoje à noite - Miley pensou, olhando cuidadosamente para fora da janela.

- Algo vai acontecer de bom. Teremos um grande momento, beberemos muito, e eu vou fazer um policial levar Demi na carona do carro - disse Selena, piscando para mim.

- Mmm, querida - Eu a provoquei, e ela me soprou um beijo.

- Oh, vocês duas se esqueça desse pseudo romance lésbico, eu estou falando sério aqui. Eu realmente sinto que algo vai acontecer hoje à noite. Eu não posso explicar isso - continuou ela, suspirando na voz romântica de Harlequin* que ela às vezes usava.

- Quem sabe, talvez você encontre o seu Príncipe Encantado essa noite - eu sussurrei, sorrindo para seu rosto esperançoso. Miley era certamente a mais romântica de nós três, e ela era firme em sua convicção de que todos tinham uma alma gêmea no planeta. Eh...

Gostaria apenas de me contentar com o Retorno de O.

Quando nós chegamos à sua casa, havia carros estacionados em todos os lugares ao longo da rua sinuosa e lanternas japonesas e tecidos enfeitavam o imóvel. Como a maioria das casas de conjunto com uma paisagem montanhosa, a partir da rua as casas não tinham nada para olhar. Normalmente, você via a garagem e a porta da frente, talvez até mesmo apenas uma porta frontal. Essas casas eram espetaculares, uma vez que você dava uma primeira vista, elas ostentavam uma das melhores vistas de São Francisco.

Nós demos risadinhas enquanto fizemos o nosso caminho através do portão da frente, e eu sorri quando as meninas olhavam para a geringonça diante de nós. Eu já tinha visto os planos para isso, mas tinha ainda pegaria uma carona.

- Que tipo de riqueza fudida é essa? - Selena deixou escapar, e eu não pude deixar de rir. Como muitas casas construídas em morros íngremes, Jillian e Benjamin tinham projetado e instalado um Hillavator*. Era basicamente um elevador que sobe e desce o morro. Muito prático, quando você considera a quantidade de passos que daria para chegar a casa. O morro era coberto com jardins e bancos de jardim e cenários diferentes, todos habilmente dispostos em trajetos de lajes iluminadas com tochas que desciam o morro até a casa. Mas, para fazer compras e no dia-a-dia, o Hillavator fazia seu passeio muito mais fácil.

- Será que as senhoras querem usar o elevador ou irão caminhando? - um atendente perguntou, aparecendo do outro lado do carro.

- Você quer dizer... tomar uma carona com essa coisa? - Miley rangeu.

- Claro, é pra isso que serve, vá lá - Eu incentivei percorrendo a pequena porta que estava aberta na lateral. Realmente me senti como em um daqueles carrinhos de céu que têm no mundo da

Disney, ou num teleférico. Só que esse estava descendo um morro, em vez de estar no ar.

- Sim, OK, vamos nele - disse Selena, subindo atrás de mim e pulando para fora do assento. Miley deu de ombros e nos seguiu.

- Haverá alguém no fundo esperando por vocês, aproveitem a festa senhoras - sorriu, e nós estávamos fora. À medida que andava pelo monte abaixo, podíamos ver a casa que vinha ao nosso encontro. Jillian havia criado um mundo puramente mágico aqui, e como havia janelas enormes por toda a casa, nós poderíamos ver a festa enquanto nós continuamos nossa descida.

- Uau, há muita gente aqui - falou Miley, com os olhos enormes. Os sons de uma banda de jazz que foi colocada em um dos muitos pátios abaixo vieram tilintando até nós.

Senti um pouco de vibração na minha barriga quando um carro chegou a parar no fundo e outra atendente veio abrir a porta. Quando saímos e ouvimos nossos saltos batendo em toda a laje, eu podia ouvir a voz de Jillian de dentro da casa e eu sorri sem pensar. Eu realmente a adorava.

- Meninas! Vocês vieram! - ela jorrou quando entramos, eu olhei o espaço, vendo tudo de uma vez. A casa era quase como um triângulo, definido na encosta e depois alastrando para o exterior. Os pisos de madeira eram de mogno colorido espalhados abaixo de nós, e as linhas impas das paredes lisas contrastavam lindamente. O gosto pessoal de Jillian era moderno, confortável e as cores da casa refletiam as cores da encosta envolvente. Um verde quente, castanho terra rica, macios cremes suaves e toques de azul marinho profundos.

A casa tinha dois andares, e quase toda a volta da casa era de vidro, aproveitando a vista espetacular. A lua dançava sobre a água da baía, e mais a frente você podia ver as luzes de São Francisco.

Lágrimas saltaram aos meus olhos quando vi a casa que ela e Benjamin haviam criado para si e quando olhei para ela, eu vi a emoção espelhada em seus próprios olhos.

- É perfeito - sussurrei para ela, e ela me abraçou com força. Selena e Miley jorraram para Jillian quando o garçom trouxe a cada uma de nós uma taça de champanhe. Quando Jillian nos deixou para ir se misturar com seus convidados, nós três fizemos o nosso caminho para fora até uma das muitas varandas para fazer um balanço. Os garçons passavam com bandejas, e enquanto nós comíamos um camarão torrado e bebíamos nossas bebidas, nós fizemos a varredura da multidão procurando qualquer pessoa conhecida. É claro que muitos dos clientes de Jillian estavam lá, e eu sabia que seria uma mistura com um pouco de trabalho hoje à noite, mas por agora eu estava contente de comer o meu crustáceo e ouvir Miley e Selena medindo os homens.

- Ooo Selena, eu vejo um cowboy para você bem ali, não, não espera, ele além de cowboy tem outros encantos. Continuando - Miley suspirou enquanto ela continuou a sua pesquisa.

- Eu o encontrei, vi um garoto para sua noite Miley! - Selena gritou em um sussurro.

- Onde, onde? - Miley sussurrou de volta, escondendo-se atrás de um camarão. Revirei os olhos e peguei um copo de espumante quando o garçom passou. As duas sempre  ficavam escolhendo meninos uma para a outra, e eram geralmente muito boas nisso.

- Lá dentro, veja. Bem lá pela ilha na cozinha, camisa preta e calças cáqui? Jesus, ele é uma bebida à altura... hmmm, o cabelo muito agradável - pensou Selena, estreitando os olhos enquanto ela olhava para nova perspectiva de Miley.

- Sim, com o cabelo castanho encaracolado? Sim, eu definitivamente poderia trabalhar com isso. Olha como ele é alto. Agora, quem é aquele gostoso que ele está falando? Eu poderia ver o de cabelos loiros, se esse panaca apenas se movesse fora do caminho - Miley murmurou, levantando uma sobrancelha quando o panaca alegado finalmente seguiu em frente, dando-nos uma visão mais clara do homem em questão.

Eu olhei bem, e quando o caminho ficou livre, agora podia ver os dois homens em questão. O garotão era, assim, grande. Alto e largo, ombros quase de um linebacker*. Ele enchia a blusa dele muito bem e quando ele riu seu rosto se iluminou. Sim, ele era exatamente o tipo de Miley.

O outro cavalheiro em questão tinha cabelos loiros ondulados que ele constantemente empurrava atrás das orelhas. Usava óculos de estudioso e realmente funcionava para ele. Era alto e magro e tinha um olhar intenso, quase clássico em sua beleza. Não se enganem, esse cara estava perdido e Selena atraiu uma respiração rápida na mira dele.

Enquanto nós continuamos a assistir a cena se desenrolar, um terceiro homem se juntou a outros dois, e todas nós sorrimos ao mesmo tempo. Benjamin.

Nós fomos para a cozinha imediatamente para dizer oi para o nosso homem favorito no planeta. Sem dúvida, Selena e Miley ficaram encantadas, pois claro que Benjamin seria capaz de lidar com as apresentações. Olhei para os dois, pois eles estavam conversando simultaneamente durante um tempo. Miley secretamente comprimiu duas faces a la Scarlett O'Hara**, e eu vi Selena arrumar rapidamente os seios para ter certeza que ela estava arrasando também.

Esses coitados não tinham chance.

Benjamin avistou uma de nós fazendo o nosso caminho até ele e sorriu. Os caras abriram o seu círculo um pouco para deixar que Benjamin envolvesse todas nós três em um abraço gigante.

- Minhas três meninas favoritas, eu queria saber quando vocês três iriam aparecer! Fascinantemente, tarde como sempre - ele brincou e todos riram. Benjamin fazia isso, fazia a todos se transformarem em estudantes bobas.

- Ei Benjamin - todas nós dissemos em uníssono, e me surpreendeu o quanto Benjamin parecia um anjo naquele momento. Eu ia acabar como Kate Jackson**, eu apenas sabia que...

O grande cara de óculos estava ali sorrindo, assim, à espera de uma introdução enquanto nós três apenas olhávamos abertamente para Benjamin. Ele realmente era o retrato do homem ideal mais velho. Cabelos loiros, apenas um pouco de prata por seus templos. Vestindo jeans, uma camisa azul escura e um par de botas de cowboy velhas, ele poderia estar caminhado em uma passarela da Ralph Lauren***.

- Permitam-me fazer algumas apresentações aqui. Demi trabalha com Jillian e Miley e Selena são, oh, o que você chamam... Melhores amigas dela? - Benjamin sorriu, apontando para mim.

- Uau, Melhores amigas? Quem está te ensinando essa linguagem? - Eu ri e estendi a mão primeiramente ao grande rapaz.

- Oi, eu sou Demi, prazer em conhecê-lo - quando ele engoliu a minha mão com sua pata. Era realmente como uma pata de tão grande. Miley ia perder a sua mente com este cara. Seus olhos estavam cheios de diversão que eu poderia dizer já que ele sorria para mim.

- Ei, Demi, eu sou Neil. Esta aqui é Ryan - disse ele, balançando a cabeça sobre o ombro. Obrigado, me lembre disso na próxima vez que você não conseguir se lembrar da senha para entrar no seu e-mail - Ryan riu bem naturalmente, e estendeu a mão para mim também. Sacudi-a, percebendo agora que eu estava perto como seus olhos eram azuis. Se Selena tivesse filhos com esse cara eles seriam ilegalmente bonitos.

Eu me certifiquei perfeitamente de como lidar com as introduções quando Benjamin se afastou por um momento. Começamos a conversar um pouco e eu ri quando os quatro começaram a fazer pequenos comentários sobre as pessoas que estavam dançando. Neil viu alguém que ele conhecia atrás de mim e gritou:

- Hey Jonas, traga sua bunda bonita aqui e conheça nossas novas amigas.

- Estou chegando, estou chegando - ouvi uma voz dizer atrás de mim, e eu me virei para ver quem estava se juntando ao nosso grupo.

Quando me virei, a primeira coisa que eu vi foi o verde. O verde da camisa, olhos verdes.

Verde. Maravilhosamente verde.

Então eu vi vermelho, eu reconheci que pertenciam ao verde.

- Maldito Bate-Parede - eu chiei, congelada no local. Seu sorriso deslizou para fora, bem como ele jogou na minha cara.

- Maldita Garota da Camisola Rosa - ele sorriu, seus lábios viraram para cima em um sorriso de escárnio.

Olhamos um para o outro, fervendo e o ar, literalmente, ficou elétrico entre nós, queimando.

Os quatro atrás de nós tinham ficado em silêncio, ouvindo esse pequeno intercâmbio. Então eles
falaram.

- Esse é o Bate-Parede? - Selena gritou.

- Espere um minuto, essa é a Garota da Camisola Rosa? - Neil riu, e Miley e Ryan rosnaram. Meu rosto inflamou vermelho brilhante quando eu processei essa informação. Seu desdém tornou-se aquele sorriso condenável que eu tinha visto naquela noite no corredor. Quando eu bati à sua porta e o fiz parar de trepar com a Londrina e gritei com ele. Quando eu estava usando...

- Garota da Camisola Rosa. Garota da Camisola Rosa! - Engasguei fora, além de chateada. Além de raivosa. Bem muito furiosa. Olhei para ele, derramando toda a minha tensão com o Bate-Parede em um olhar. Todas as noites sem dormir e os O’s perdidos e chuveiradas frias e enfiando bananas e sonhos molhados super hots, tudo em um olhar. Eu queria queimar ele com os meus olhos, fazê-lo implorar por misericórdia. Mas não... Não Joe Bate-Parede, diretor do Centro Internacional dos Orgasmos.

Ele

Ainda

Estava

Sorrindo...

~

Oiii, desculpem não ter continuado a maratona, hoje acordei bem cansada já que havia passado a semana quase toda ajudando e arrumando aqui em casa, já que a mesma está em reforma, sério, espero que não fiquem com raiva de mim, continuarei postando a medida que vcs forem lendo e comentando ;)

Anonimo que assinou com siglas, estou curiosa para saber o que significa as siglas, assina com o seu nome :)

4 comentários:

  1. posta mais por favor (; bjs

    ResponderExcluir
  2. ameeeeeeeeeeeeeeei ................ o encontro tão esperado O.o
    vai dar treta
    bjss

    posssssta logoo

    ResponderExcluir
  3. Estou aguardando, esse encontro vai render

    ResponderExcluir