25.7.14

Subindo Pelas Paredes - Capitulo 9 - Maratona 8.10

 
~
 
Glossário:
*Espuma de banho.
*O multiprocessador que ela ganhou das meninas.
*Gato em inglês também pode ser kitty, que também é traduzido como boceta.
*No smoking os homens usam uma faixa na cintura por dentro do paletó e geralmente é colorida. **Cor do esmalte gente.
*Biscoitos em lata.
*Mais uma vez o duplo sentido. Ele soou como se tivesse perguntado: Como está sua boceta?
*Sam 'Jake' Ryan é um jornalista e foi um jogador de futebol australiano. Ele foi um dos sobreviventes dos Atentados em Bali ocorridos em 12 de outubro de 2002.
*Jornal de San Francisco. É San Francisco Chronicle. http://www.sfgate.com/
*Cereal Irlandês. Ele tem o símbolo do próprio país como marca, o trevo verde.

- Oh meu Deus, é enorme!

- Eu avisei.

- Eu nunca pensei que seria tão... bem... tão grande! Quero dizer, você ouve falar essas coisas, mas ver realmente é totalmente diferente.

- Eu sei, eu estava esperando que você ficasse satisfeita.

- Satisfeita? Estou no mínimo incrédula...

- E é grande o suficiente para que você possa até mesmo se apoiar nisso, você sabe, realmente se mover.

- Eu não posso esperar, posso testar?

- Claro, eu vou fazer isso com você.

Jéssica e eu entramos na gigante banheira de imersão, com nossas roupas, e relaxadas. Ela se sentou de um lado, e eu do outro. Nós duas rimos quando nós nos sentamos em sua banheira, olhando para o banheiro quase terminado.

- Demi, isso vai ficar mesmo lindo - ela sorriu, recostando-se contra a lateral da banheira. Era uma banheira infinita, era quase como ter uma banheira dentro de outra banheira. O benefício? Você pode enchê-la completamente até o topo e, quando ela derrama, essa água vai para outro tubo. Ser realmente capaz de ficar totalmente submersa e não precisar se preocupar com a inundação de seu banheiro? Esta era a definição de luxo. Sem mencionar os muitos jatos que se espalhavam pelo perímetro da banheira, destinados a aliviar os músculos doloridos.

Ou te relaxar. É um fato...

Eu sorri para ela do meu lado da banheira, tendo o cuidado de não riscar a superfície com meus saltos.

- É bom saber que é grande o suficiente para você e Jake, hein? - Eu disse claramente, quando ela corou um pouco.

- Sim, Jake é um garoto total quando se trata de banheiras. Você viu quantas garrafas de espumas para banho que eu tenho, e ainda tem a caixa de Mr. Bubbles* que ele mantém escondida no fundo do armário que o fazem perder a cabeça - ela explicou enquanto nós riamos da imagem de Jake, grande e alto, rodeado por bolhas.

Nós duas suspiramos e relaxamos de novo. O fato de que eu a achava maravilhosa e não havia sequer preocupação com a água que me fizeram pensar em um dia ter uma banheira como essa.

Parecia realmente necessário.

- Então, me conte sobre este seu vizinho Srta. Demi... - Natalie disse, olhando para mim enquanto ela fingia esfregar suas costas.

- Quem diabos te contou isso? Como em todo o mundo você sabe sobre isso? - Eu perguntei, incrédula, levantando-me e saindo da banheira.

- Quem você acha? - ela riu quando ela me seguiu.

Nós nos olhamos no espelho e eu fiz uma careta.

- Miley - ambas dissemos, e eu suspirei.

- Honestamente, essa menina precisa de um novo hobby. Ela está interessada demais no que acontece no meu prédio - eu respondi, revirando os olhos. - Você deveria ter visto a cena que ela fez quando estávamos jantando uma noite dessas! - Eu continuei.

- Oh, você quer dizer com Clive e Purina? - Ela riu enquanto eu me virava.

- Inacreditável, essa menina deveria estar aqui trabalhando no seu armário, não batendo suas gengivas - eu resmunguei, dirigindo-me para o quarto.

- Oh, por favor, você sabe que sua amiga é um pouco fofoqueira, não ouse parecer surpreendida - ela criticou, me seguindo.

- É verdade, mas caramba, ela trabalha rápido! - Eu adicionei.

Nós examinamos as amostras de tinta na parede e eu poderia dizer que ela queria me perguntar alguma coisa pelo jeito que ela continuou dando olhares de soslaio para mim.

- Basta dizer... - Murmurei e olhei para ela com um pequeno sorriso.

- Nada, eu só quero ser convidada da próxima vez que ocorrer um show como esse! Ao menos quando ele estiver as "trazendo para casa", como Miley diz que você fala - ela riu e eu fingi bater um martelo nela que os empreiteiros tinham deixado.

- Yeah yeah yeah, você tem um marido lindo em casa toda noite e você quer vir para minha casa para ouvir o meu vizinho trabalhando. Legal. Tem certeza que você é uma socialite? - Eu perguntei, enquanto ela apontou uma ferramenta gigante para mim.

- Se você falar sobre o sangue azul eu serei obrigada a me defender - ela riu de volta e eu levantei as mãos em sinal de rendição.

Passamos alguns minutos decidindo sobre as cores da pintura final e, em seguida, ela tentou novamente.

- Então, você irá para a Sinfonia Beneficente neste fim de semana, certo? Miley mencionou.

- Sim, esse é o plano - eu respondi, sabendo onde isso iria dar.

- Então, você irá levar alguém?

- Eu não tinha planejado isso. Eu combinei de ir junto com os novos quatro fantásticos.

- Bem, por que você não fala com o seu vizinho? Quero dizer, faz sentido com os seus amigos namorando suas amigas - ela cutucou.

- Faz sentido, exceto que ele está vendo algumas amantes, e mal acabamos fazendo uma trégua. Então não, obrigado - eu respondi e continuei a caminhar para fora da sala. Ela me seguiu descendo as escadas.

- Demi, eu conheço muitos homens que eu poderia arranjar para você. Caras que ficariam loucos para sair com você, quer que eu arme alguma coisa? - ela perguntou e eu sabia que seu coração estava no lugar certo.

Eu estava no fundo das escadas olhando para trás para ela.

- Isso é muito gentil de sua parte, mas a coisa é, eu apenas não estou interessada em namorar ninguém agora - eu disse e vi sua expressão cair.

Era uma coisa difícil de descrever. As pessoas tendiam a não entender porque eu não estava namorando ninguém, e era difícil para eu entender às vezes também. Desde o caso com Weinstein, eu obviamente tinha perdido o contato com o O. E quando isso passou, descobri que os homens em geral não eram interessantes para mim desse jeito. Certamente, quando os meses se passaram, eu me senti sozinha momentaneamente, mas no geral eu estava gostando de estar sozinha. Eu sempre tinha um relacionamento com alguém ou, pelo menos, namorava alguém casualmente. Eu nunca tinha passado um período prolongado de tempo sozinha, e assim eu passei, eu percebi que eu gostava bastante disso. Descobri que eu gostava de ver filmes sozinha, jantar sozinha, às vezes, e era bom saber que eu era mais capaz de viver sem um homem. Eu queria um mentindo na minha cara de vez em quando? Inferno sim. E ultimamente isso continuava piscando em minha mente. E ainda, na sua maior parte, fiquei feliz por mim.

Exceto naquelas noites que a Ina e o Jeffrey me deixavam puta da vida...

Eu sabia que poderia encontrar alguém que me complementasse da maneira que Sam complementava Natalie. Mas se eu não encontrasse? Bem, contanto que alguém finalmente fabricasse um coelho que fosse capaz de ressuscitar o O, isso seria suficiente para mim.

Teria que ser, né? Inferno, pelo menos eu tinha a minha Kitchenaid*.

Arrastei-me longe da única menina dentro da minha cabeça, e me reorientei para a minha cliente à minha frente.

- Ei, não fique triste. Espere até ver o vestido que eu vou usar, talvez eu encontre meu príncipe encantado enquanto eu estiver lá. Presumo que você irá, sim?

- Por favor, socialite se lembra? - ela riu, apontando para si mesma.

- Certo. certo. - ri.

Passei um pouco mais de tempo com ela, finalizamos alguns retoques de última hora e depois beijei-a na bochecha com um adeus, e voltei para o escritório. Eu andei, levando o meu tempo e curtindo o sol. Normalmente, a essa altura do dia, o nevoeiro tinha esquentado e era a minha época favorita para andar pelas ruas acidentadas. Convidar o Bate-Parede para a Sinfonia hein?

Hmmm...

Naquela noite eu estava saindo para a yoga quando me vi cara a cara com Joe, mais uma vez. Ele estava subindo as escadas quando eu estava descendo.

- Se eu dissesse que temos que parar de nos encontrar desse jeito, seria tão banal como o som que soa na minha cabeça? - Eu me ofereci e ele riu.

- Eu não sei, experimente.

- Ok. Uau, temos que parar de nos encontrar desse jeito! - Exclamei simulando surpresa.

Nós dois esperamos um segundo, e depois rimos de novo.

- Sim, banal - disse e riu novamente.

- Talvez possamos fazer algum tipo de agenda, para termos horários para usar o corredor ou algo assim - eu respondi e mudou o meu peso de uma perna para outra.

Ótimo, agora parece que você quer fazer xixi...

- Onde você está indo hoje à noite? Parece que sempre te pego quando você está saindo - disse ele quando se apoiou na parede.

- Bem, claro que eu estou indo para um lugar muito chique - eu ri, apontando para minhas calças de yoga e camiseta. Então eu mostrei-lhe minha garrafa de água e minha esteira de yoga. Ele fingiu pensar com muito cuidado, e, em seguida, seus olhos se arregalaram com o entendimento.

- Você está indo para uma aula de cerâmica!

- Sim, claro que é onde eu estou indo... burro - eu respondi, e ele sorriu aquele sorriso para mim. Eu sorri de volta.

- Então, você nunca me disse sobre as coisas que você ouviu no brunch no outro dia, o que está acontecendo com os nossos amigos? - ele começou, e eu não me atentei para a vibração que corria pela minha barriga à menção da palavra "nossos". Não muito...

- Bem, eu posso dizer que minhas meninas estavam muito impressionadas com seus meninos. Sabia que eles estão todos indo para a Sinfonia Beneficente na próxima semana? - Eu disse, de imediato, horrorizada de ser tão direta.

- Ouvi dizer isso, Neil consegue ingressos para nós todos os anos. Bônus do trabalho eu suponho, os caras dos esportes sempre vão para a sinfonia, certo? - brincou.

- Eu diria, especialmente quando eles estão tentando cultivar um certo homem que é uma personalidade da cidade - Eu sorri com uma piscadela.

- Você percebeu isso, hein? - Ele piscou o olho de volta e então nós nos encontramos olhando um para o outro. Sem nada mais a dizer.

Nem uma palavra vomitada...

- Então, você também vai? - Eu perguntei e pude sentir meu rosto começar a esquentar.

É tudo pela trégua, vamos...

- Não este ano, estou indo ao exterior. Eu vou embora amanhã, na verdade - ele disse suavemente. Se eu não soubesse melhor, ele quase parecia um pouco desapontado.

- Sério? Para uma sessão de fotos? - Eu disse e então percebi o meu erro. O sorriso voltou como uma vingança.

- Pesquisando sobre mim, né? - ele brincou e eu senti meu rosto indo do rosa a um vermelho-tomate adorável.

- Jillian mencionou o que você faz para ganhar a vida, sim. E eu notei algumas das fotos em seu apartamento. Quando meu gato estava perseguindo a russa? Batendo alguns sinos? - Eu disse quando ele começou a mudar seu próprio peso em meu uso da palavra gato*.

Hmmm, ponto fraco?

- Você notou minha fotos hein? - ele perguntou calmamente.

- Eu notei. Você tem um grande conjunto de candeeiros - eu disse sorrindo docemente e olhando diretamente em sua virilha.

- Candeeiros hein? - ele resmungou, limpando a garganta.

- Ossos do ofício. Então, onde você está indo afinal? Para a sessão, eu quero dizer - eu perguntei, arrastando os olhos deliberadamente de volta até os seus, e percebendo que os seus não estavam nem perto do meu rosto.

Heh heh heh...

- O quê? Oh, hum Irlanda. Várias sessões pelas costeiras da Naste Conde, e depois vou me dirigir para algumas das cidades menores - respondeu ele, trazendo de volta o seu olhar para o meu quando eu finalmente notei que ele estava um pouco afobado.

Graças a Deus, o Pênis Maravilha é humano e é suscetível ao que vê.

- Irlanda hein? Bem, me traga uma camisola de presente.

- Camisola, entendi. Mais alguma coisa?

- Um pote de ouro? E um trevo?

- Ótimo, não vou ter que sair da loja do aeroporto - ele murmurou.

- E então, quando você chegar em casa eu vou fazer uma pequena dança irlandesa para você! - Eu chorei e comecei a rir na loucura dessa conversa.

- Aw Garota da Camisola, você está apenas oferecendo uma dança para mim? - disse ele em voz baixa, pisando um pouco mais perto de mim. E só assim, o equilíbrio de poder mudou.

- Bate-Parede Bate-Parede - Eu exalei, balançando a cabeça. Principalmente para limpá-la com ele estando tão perto. - Nós já passamos por isso, não tenho nenhum desejo de entrar para o harém - Eu o provoquei.

- O que faz você pensar que eu iria pedir isso?

- Eu acho que iria mexer com a trégua, não é?-  Eu ri.

- Mmm, a trégua - respondeu ele.

Só então eu ouvi passos na escada.

- Joe, é você? - uma voz o chamou, e foi quando ele se andou para trás, para longe de mim. Olhei para baixo e percebi que tínhamos avançando em direção ao outro no patamar durante toda a troca e estávamos bem próximos.

- Hey Katie, aqui em cima! - ele a chamou. Ele sorriu timidamente para mim, e eu ri dele. Se nós iríamos ser amigos, então eu poderia conhecer o harém, por Deus.

Um instante depois estávamos unidos com "Kate", que eu obviamente conhecia como Surrada.

Eu dei um riso abafado quando eu sorri para ela. Joe liderou as apresentações.

- Kate, esta é minha vizinha, Demi. Demi, essa é Kate.

Eu ofereci minha mão, e ela olhou curiosamente entre Joe e Eu.

- Olá Kate, prazer em conhecê-la.

- Você também Demi, você é a dona do gato? - ela perguntou, com um brilho nos olhos. Olhei para Joe, e ele deu de ombros.

- Culpada, mas Clive iria discutir com você que na verdade ele não é um gato, mas uma pessoa real.

- Oh, eu sei, a minha cachorra Ângela assistia TV e rosnava até que eu colocasse em algo que ela realmente gostava. Que chata que ela era - ela sorriu, mas parecia um pouco triste.

Nós todos conversamos um pouco e isso estava começando a ficar um pouco estranho.

- Ok crianças, eu estou indo para a yoga. Joe, tenha uma viagem segura e eu vou encher-lhe sobre todas as fofocas dos novos casais quando você voltar.

- Parece bom, eu vou embora por algum tempo mas espero que eles não tenham muitos problemas enquanto eu estiver fora - ele riu quando eles começaram a subir as escadas.

- Vou manter meus olhos sobre eles. Prazer em conhecê-la Kate - eu disse, descendo a escada sozinha.

- Você também Demi. Boa Noite! - ela chamou de volta para mim quando eles subiram para o seu apartamento.

Enquanto descia as escadas, mais lento do que o necessário, eu a ouvi dizer.

- Será que essa é a Garota da Camisola Rosa?

- Calada Katie - ele disparou de volta e eu jurei que ele golpeou-a na bunda.

Seu latido de um segundo mais tarde confirmou.

Revirei os olhos novamente para ninguém em particular quando eu abri a porta e me dirigi para a rua.

Quando cheguei à academia, eu mudei a minha aula e fiz kickboxing dessa vez.

Fiquei na frente do espelho no meu apartamento, admirando a maneira que eu parecia.

Eu parecia beeemmmmm.

Eu adorava vestir-me desse jeito. Após voltar do baile da escola, não havia toneladas de oportunidades para uma menina usar este tipo de vestido. E hoje eu não teria que usar um corpete estúpido que combinasse com a faixa* de alguém. A Faixa de Alguém. O que um grande nome para uma banda...

Retirei-me do meu próprio fluxo de consciência absurdo e comecei a escovar meu cabelo uma última vez. O serviço de carro chegaria a qualquer momento, e eu queria estar pronta.

Miley e Selena insistiram para que eu fosse com elas para a Sinfonia, mas isso realmente pareceria como um baile, e eu era o saco triste que não consegui um par, mas minha mãe insistiu para que eu fosse de qualquer maneira.

- Não. Vou ver vocês duas lá. Provavelmente eu serei a única no bar - Eu brinquei com Selena um dia antes ao telefone, quando ela tentou uma última vez me convencer a ir com ela e Ryan.

- Jesus Lovato, não seja tão teimosa. Vai ser divertido se você vier conosco, podemos chegar embriagadas na limo.

- Por mais tentador que seja, eu só verei você lá. Não é grande coisa. Porque vocês dois não vão com Neil e Miley? - Eu perguntei, girando meu dedo em torno de meu cabelo, eu estava fazendo a minha manicure para a noite.

Os quatro tinham saído várias vezes nas últimas semanas, sempre juntos. Eu brinquei com as duas dizendo que eles iam acabar fazendo sexo grupal. Algo que nenhuma delas pensava que era engraçado.

- Acredite em mim, Ryan estava pedindo para irmos com Miley e Neil, mas achamos que era hora de ter alguns encontros solo - respondeu ela, a voz dela disse algo que eu poderia imaginar que não era bem assim.

- As coisas vão bem com o filantropo gênio? - Eu perguntei, inclinando-me para a mulher escolher a minha cor favorita, Santa Rosa Pagoda**. Ela está fazendo a unha.

- Um... Sim. Sim, as coisas estão bem. Ele é realmente perfeito para mim, eu quero dizer que é como se o meu cara perfeito saísse das páginas de meu cérebro - balbuciou.

- As páginas do seu cérebro? - Eu repeti.

- Cale-se, você sabe o que quero dizer. Ele é demais ok, ele é ótimo - respondeu ela.

- Ele definitivamente parece muito legal - eu tinha acordado.

Eu tinha saído com todos os quatro no início da semana. Todos nós nos encontramos para comer sushi e eu tive um grande momento. Neil era muito bobo e divertido, sem dúvida um cara encantador. Quanto mais tempo eu passei com ele, eu sabia que ele era um bom partido. E ele fez todos rirmos com uma história que ele contou sobre ele, Joe e Ryan quando foram esquiar em Tahoe uma vez.

- Então, eu fui fazer um mergulho inocente na banheira de água quente da minha mãe, e encontro nada mais que Ryan, nu como um pássaro com umas gêmeas! E uma lata de Crisco* - completou, jogando a cabeça para trás e rindo alto.

- Nu? Com gêmeas? - Miley riu e Ryan corou quando ele olhou para ela com um sorriso envergonhado.

- Olá? Esqueça o nu e as gêmeas, explique o Crisco, por favor - exclamei, inclinando-me para ele.

- O Crisco eu não sei, Joe tinha tropeçado lá alguns minutos antes e pensou que seria divertido ‘decorar’ a cena para mim. O que você não viu foram todos os cachorros quentes que ele havia espalhado no chão. Que panaca - ele riu quando Neil riu mais alto ainda. Selena estava rindo o tempo todo, e cada vez Neil ria, ela ria mais. Os dois estavam quase em lágrimas. Até mesmo eu estava rindo, especialmente da imagem de um Joe entrando clandestinamente e "decorando" a cena. Eu sabia que ele era um pouco perverso.

- Seus pais têm uma casa em Tahoe? - Selena perguntou, olhando da mesa para Neil.

- Eles não a usam mais. Eles se divorciaram há alguns anos atrás, e foi vendida.

- Meus avós tem uma casa lá em cima, eu costumava passar muito tempo lá enquanto cresci. Eu não vou lá há um ano - respondeu ela, sorrindo para ele.

Eu tinha visto essa troca com interesse, e vi Ryan e Miley continuarem a rir do outro lado da mesa sobre Crisco e as gêmeas.

Sorri enquanto eu pensava isso e ouvi o beep do meu telefone. O serviço de carro virava a esquina.

Dei uma última olhada no espelho e alisei o meu vestido.

Hora da Sinfonia...

- Eu vou querer um martini Absolut, rápido e com três azeitonas, por favor - murmurei para o garçom enquanto eu olhava em torno do evento lotado. Havia tanta gente aqui, não foi difícil aproveitar a oportunidade para ver as pessoas. À minha esquerda tinha um casal interessante. Cavalheiro de cabelos prateados com uma mulher mais jovem do que eu, com seios recém-adquiridos. Boa menina, você conseguiu o seu. Quero dizer, se eu tivesse que aparecer com um velho lânguido eu gostaria de peitos maiores também...

Bebi meu cocktail e examinei o resto da sala. Jillian e Benjamin, parecendo tão maravilhosos como sempre estavam, quando vinham em eventos como este, já havia circulado uma vez com eles para me salvar de falar com uma senhora de idade de cabelo azul, que parecia pensar que eu era sua prima Mathilda. Eu encontrei Selena no meio da multidão, sua altura e seu lindo cabelo preto bem brilhante faziam dela uma lanterna, mesmo em uma multidão de quase mil pessoas.

Tocar violoncelo na San Francisco Symphony certamente tinha seus privilégios, e os bilhetes para este tipo de festa uma vez por ano era apenas a ponta do iceberg. Selena era uma artista nata, e eu não estava brincando quando eu disse a Joe que ela realmente sabia como trabalhar numa sala. Parte de seu papel hoje era certificar-se de que os patronos estavam felizes. As pessoas que deram a organizações como o Symphony ou o Ballet, ou o Opera incluíam a possibilidade de interagir com os artistas. Isso fazia com que se sentissem parte de seu investimento. E Selena nunca decepcionava.

Eu podia vê-la conversando com o Prefeito parada ao lado de Miley, Ryan e Neil. O que estava estranho? Neil estava de pé para um lado, os olhos bem fixos em Selena enquanto ela conversava. Miley e Ryan? Completamente apanhados em uma conversa, nem mesmo percebendo que eles estavam deixando Neil de fora.

De onde eu estava, a distância tinha me proporcionado a perfeita clareza dos pensamentos e vi algo muito intrigante. Selena olhou para o lado durante a conversa, não para Ryan, mas para Neil. Ele sorriu, e em pouco tempo, entrou na conversa. Estar no noticiário todas as noites tornava muito fácil falar com Neil, como muitas vezes nos sentimos como se nós conhecêssemos aqueles que vemos na TV.

Bebi minha bebida novamente e ouvi risadas distintas de Jillian. E eu sabia que ninguém poderia fazer Jillian rir mais do que seu próprio Benjamin. Eu girei lentamente e vi sua abordagem.

- Três azeitonas? Tenho certeza de que você poderia encontrar uma tigela se você só queria pegar pesado - brincou Jillian, brindando o meu copo com o dela.

- Estou fora do horário de serviço Chefinha, não acho que tenho que lhe dizer onde enfiar seu palito - Eu brinquei de volta, inclinando-me para beijar Benjamin, insolente.

- Afaste-se o meu homem, ou você vai encontrar-se atrás do vagão do Pier 1, até segunda-feira - Jillian avisou, envolvendo o braço confortavelmente em torno da cintura de Benjamin. Ele sorriu para ela de uma maneira que eu o tinha visto sorrir antes. Nenhuma outra mulher existia no planeta para ele que não fosse Jillian. Ela nunca teria de se preocupar com esse homem a enganando, nem mesmo deveria passar por sua mente algo assim. Ele não aconteceria. Poderíamos flertar e provocar o quanto queríamos, ele nunca se envolveria em mais de flerte bem humorados comigo e com minhas meninas. Era bom ver um homem tão apaixonado por sua mulher. E ela estava sobre a lua para ele*.

- Então, tem alguma fofura aqui esta noite? - perguntou ela, inclinando-se para mim conspiratoriamente quando Benjamin disse Olá a alguém que ele conhecia.

- Eu tenho certeza que existe sim, mas estou concentrada no fundo do meu copo de martini aqui, muito obrigado - eu murmurei, sugando o meu copo e vendo as imagens de cabeça para baixo das minhas meninas e seus novos meninos se aproximando.

- Jillian! - Miley gritou, correndo para seus braços e dando-lhe um aperto forte. Miley era minúscula, mas feroz. Era o que eu chamava de Abraço Mortal. Não era engraçado, ela poderia fazer alguns danos.

- Oi Miley - Jillian a chacoalhou, liberando as mãos das suas costas e sorrindo para ela. Ela sorriu para Selena, que estava um pouco mais comedida em público. Elas fizeram o beijo no ar clássico e, em seguida os meninos se inclinaram para abraçá-la. Eu poderia dizer que Neil e Ryan pensavam nela da mesma maneira que nós pensávamos em Benjamin. A ideal.

- Como é que vai, divertindo-se confundindo todos os outros patronos? - Perguntei a Selena, quando nós nos desprendemos dos outros por tempo suficiente para voltar ao bar.

- É bom, me divertindo - ela meditou e, em seguida, disse ao garçom exatamente como fazer uma margarita magrinha.

Eu a vi por um momento, e depois quando ela se voltou para mim eu perguntei:

- Como está Neil hoje?

Seus olhos se iluminaram brevemente, e então ela percebeu o que eu tinha perguntado.

- Neil? Bom eu acho que Ryan está lindo em seu terno não é? - ela abrangeu, apontando para onde tínhamos deixado o nosso grupo. Enquanto Miley e Ryan estavam em uma conversa profunda mais uma vez, Neil e Jillian agora conversavam com Benjamin.

Ryan realmente estava lindo em seu terno, um nerd limpo era bom. Terno preto e uma gravata azul que combinava exatamente com os seus olhos azuis. Os olhos que estavam fixos na Miley.

Como eles não podiam enxergar isso?

- Neil parece muito bom para mim esta noite - eu joguei quando me desloquei em direção ao forte esportista.

Terno cinza carvão, camisa preta e gravata cinza clara, e olhei para cada centímetro daquele homem. E ele estava bem.

- Sim - disse ela friamente, lambendo um pouco de sal da borda do copo.

Eu ri e coloquei uma mão em seu braço.

- Vamos menina bonita, vamos te levar de volta ao seu homem perfeito - sussurrei, e fomos em direção ao grupo.

A noite estava agradável e proveitosa também. Jillian me apresentou a vários de seus clientes que eu não tinha conhecido antes, e eu podia ver que a minha queda ia ser reservada com projetos sólidos. Mais quartos de serem reformados, cozinha remodeladas, sala de jogos projetadas. A economia poderia ter ido ao banheiro para a maioria, mas aqui no mundo dos bailes de sinfonias, o dinheiro fluía.

Parti um pouco antes de meus amigos que, cansados, mas felizes. Mais uma vez eu tinha passado uma noite só, e vivi para contar a história. Gostaria de saber se outras mulheres compreendiam o único prazer que veio participar de um evento como este sozinha, e feliz com isso. Para não ter que fazer uma conversa com um cara que alguém lhe arranjaria, para não ter de se preocupar com um idiota com um bafo de filé e pimenta incrustado tentando forçar sua língua a girar abaixo da parte traseira de sua garganta, e para não ter de explicar para que idiota por que você insiste em tomar um táxi para casa quando o seu super rápido Camaro está estacionado ali.

Eu estava no carro indo para casa quando o telefone soou, alertando-me para uma mensagem.

Eu rolei para cima e vi um número que eu não conhecia.

Teve um bom momento esta noite?

Quem diabos estava me mandando mensagem?

Quem diabos está me mandando mensagem?

Enquanto esperava pela resposta, eu inclinei-me e tirei meus sapatos. Os saltos eram fantásticos, mas porra, machucaram meus pés. Meu telefone soou de novo e eu li o texto da resposta.

Algumas pessoas me chamam de Bate-Parede...

Eu me odiava um pouco pelo jeito que meus dedos agora nus se enrolaram. Dedos idiotas.

Bate-Parede huh? Espere um minuto, como você conseguiu meu número?

Eu esperei para obter a resposta, e sabia que tinha que ter sido Miley ou Selena. Malditas meninas, elas estavam realmente focando isso recentemente.

Eu não posso revelar minhas fontes. Então, você teve um bom tempo hoje?

Ok, eu posso jogar este jogo.

Na verdade eu tive. Estou no meu caminho para casa agora. Como está a Ilha Jillianralda? Ainda solitário?

É bonita, na verdade, só tomando um café da manhã. E eu nunca estou sozinho.

Eu acredito nisso. Você não comprou a minha camisola ainda?

Estou trabalhando nisso, quero comprar somente a perfeita.

Sim, por favor, me dê uma boa.

Não vou responder a isso... como está o seu gato*?

Realmente não vou responder a isso... existe algo que você queria?

Esta coisa está ficando mais difícil de responder...

Eu sei o que você quer dizer, é difícil não tocar nisso...

Ok, oficialmente terminamos este round, as insinuações estão muito grossas para ver em linha reta.

Oh, eu não sei, é melhor quando são grossas...

Wow. Estou desfrutando desta trégua mais do que eu esperava.

Eu tenho que admitir que esteja sendo bom para mim também...

Você não está em casa ainda?

Yep, acabei de parar na frente do nosso prédio.

Ok, eu vou esperar até que você esteja lá dentro. Aposto que você mal pode esperar para entrar. Você é um demônio, você sabe disso?

Eu tenho dito isso. Ok, estou dentro. Acabei de chutar sua porta.

Obrigado por isso.

Basta ser um bom vizinho.

Boa noite Garota da Camisola Rosa...

Boa noite seu estúpido Bate-Parede...

Eu ri quando eu girei a chave na minha fechadura e entrei. Me afundei no meu sofá, ainda rindo. Clive rapidamente pulou no meu colo e eu acariciei seu pelo sedoso quando ele ronronou em casa um bem-vinda.  Meu telefone soou mais uma vez.

Você realmente chutou minha porta?

Cale-se. Vá comer o seu café da manhã.

Eu ri novamente quando eu desliguei meu telefone durante a noite, e deitei de volta no sofá.

Clive pousou em meu peito enquanto eu relaxei um pouco, os pensamentos desse maldito

Bate-Parede na minha cabeça. Era chocante o quão claro eu poderia vê-lo na minha cabeça. Um jeans levemente desbotado, botas a la Jake Ryan*. Na Irlanda, com uma camisa fechada de malha branca, e cabelo totalmente em desordem. De pé sobre uma costa rochosa em algum lugar e o oceano em segundo plano. Um pouco alto, um pouco irresistível, mãos no bolso.

E aquele sorriso no rosto maldito e arrogante.

Minha perseguida deve desfrutar de um bom sorriso, enquanto ela estava sentava em linha reta, mais uma vez.

JOE POV

Eu ri quando fechei sua ultima mensagem. Comendo o meu café de fato. Enfiei a mão no cereal quando eu rolei através de algumas das outros mensagens e e-mails que tinha chegado no meio da noite.

Um e-mail do Chronicle*, de perto de casa, pedindo-me para filmar uma história que eles estavam fazendo em viagens ao redor da área da baía, o tipo de coisa de um fim de semana.

Outro texto de Neil me perguntando se Lucky Charms* eram, de fato, magicamente deliciosos.

Um e-mail de Kate. Eu estava esperando que ela fosse entrar em contato comigo, eu não queria que a maneira como as coisas acabaram impactasse nossa amizade. Eu era amigo de todas essas mulheres, em primeiro lugar, e apesar de nossas atividades extracurriculares serem menos convencionais eu contava cada uma delas como mulheres que eu iria gastar tempo no exterior de um quarto. Kate era especial, eu a conhecia há mais tempo. Ela era maravilhosa em dar, e embora o sexo já estivesse fora de questão, eu sabia que iríamos ser próximos.

Egoísta, eu esperava que ela ainda me fizesse aquele pão de banana. Porra, essa menina fazia o melhor pão de banana.

Garrett era um homem de sorte.

Eu terminei meu café e meu chá, e andei até a grande janela. Eu tinha ficado na cama antes do café, e me senti muito confortável aqui. Viajando tanto como eu sempre viajava, eu tinha aprendido que a menor pousada era geralmente onde eu me sentia mais em casa. O casal mais velho que corria da pousada me fez lembrar da minha última viagem que estava marcada e eu deveria ter certeza de que eu tinha tudo que eu precisava.

Eu olhei para a expansão maciça do verde, e me questionei se Demi já teria adormecido. Sorri para mim enquanto eu ainda me perguntei se ela estava sonhando comigo de novo.

~

9 comentários:

  1. Hum... Apenas observando esse Joe! Quero ver essa camisola aí kkkkk
    Continua :)
    Fabíola Barboza :*

    ResponderExcluir
  2. Posta mais um hoje por favor
    POR FAVOR
    POR FAVOR
    POR FAVOR
    POR FAVOR
    POR FAVOR
    POR FAVOR
    POR FAVOR
    POR FAVOR

    ResponderExcluir
  3. ameeeeeeeeeeei >.< esses apelido deles ... eu morro de rir véi

    posssssta logoo

    ResponderExcluir
  4. Hey Mari, posta logo por favor
    Divulga: http://fdiamondlink.blogspot.com esse é o novo blog da Flávia, eu não sei se você lia o blog dela antes

    ResponderExcluir
  5. Muito bom.... posta mais por favor.,..

    ResponderExcluir