28.9.14

Losing It - Capitulo 16


~

- POR QUE NO MUNDO você iria querer um gato? — Selena perguntou enquanto nós deixávamos Direção no dia seguinte.

 — Eu só quero, tá bom? Você quer vir ou não?

 Ela encolheu de ombros. — Não posso. Desculpe. Eu tenho trabalho.

Apenas leve o Cade.

 Como se ele estivesse sido chamado, Cade apareceu entre nós, e eu me perguntei quanto tempo ele esteve escutando nossa conversa.

 — Me levar aonde?

 Eu disse —, Eu vou a uma sociedade humanitária buscar um gato.

 — Oh. Legal —, ele disse, assentindo. — Eu desejaria que eu não estivesse vivendo nos dormitórios. Eu amaria ter um cão.

 Eu estava consciente do espaço cuidadoso que ele manteve entre nós, e da quase constante sacudida da sua cabeça, como se acenando tivesse dado a ele algo a se fazer, e ele não queria desistir. 

 Selena abaixou seus óculos escuros da sua cabeça e sobre seus olhos mesmo embora nós ainda estivéssemos no lado de dentro. — Bem, por mais divertido que isso seja... eu tenho que conseguir um emprego. Vocês dois se divirtam no abrigo. Não venham para casa com um gato fêmea, Demi. — Selena estava absorta do olhar em pânico que eu estava disparando para ela. Cade e eu realmente não tínhamos ficado sozinhos desde toda a conversa do talvez. Ele mexia na sua mochila carteiro no seu outro ombro, inquieto como ele sempre ficava quando ele estava nervoso.

 — Se você quiser ir sozinha — está legal.

 — Não, não. Você deveria vir. — Nós tínhamos que acabar com isso. E eu só via duas maneiras – nós ficando juntos ou não. A espera ia acabar com o nosso relacionamento (se já não estivesse bastante estropiado). Se nós tínhamos que ter essa conversa, ao redor de animais bonitinhos provavelmente era o melhor lugar.

 — Tudo bem. Legal —, ele disse.

 Legal... tá bom.

 Eu estava feliz em ser a pessoa dirigindo. Isso me deu uma forma de ocupar meu corpo e minha mente. E era meu carro, então eu podia aumentar a música tão alto quanto eu quisesse. O que eu não tinha contado era Cade estando à vontade o bastante no meu carro para diminuí-la.

 — Então, o que fez você decidir ter um gato?

 Oh, você sabe. Eu quase tive uma noite de sexo sem compromisso com nosso professor, mas fugi usando meu gato imaginário como desculpa, e agora ele pode querer que nós estejamos juntos, juntos mesmo embora seja a pior ideia do mundo, mas eu meio que não me importo com isso também, porque meu corpo e provavelmente meu coração estão me dizendo que é a melhor ideia do mundo. Então agora eu preciso de um gato para que ele não perceba que eu estava mentindo sobre o gato e porque eu sou virgem e me acovardei de fazer sexo com ele.

 — Apenas quis um —, foi o que eu realmente respondi.

 — Oh. Legal.

 Se ele disser, ―legal‖ mais uma vez eu vou gritar.

 Eu entrei no estacionamento da sociedade humanitária, desejando que eu tivesse dito a Cade que eu queria ir sozinha afinal de contas.

 Eu precisava de algo felpudo e adorável em minhas mãos, fato.

 Nós entramos naquele distinto cheiro medicamentoso que era reservado para abrigos e veterinários. A moça na mesa da frente até mesmo pareceu vagamente felina, como se ao trabalhar aqui estivesse no seu DNA.

Seu rosto estava levemente severo, seus olhos inclinados, e seu cabelo curto e ondulado.

 — Oi! Como eu posso ajudá-los?

 — Oi —, eu disse. — Eu estou interessada em adotar um gato.

 Ela aplaudiu mãos minúsculas que eu imaginei como patas. — Isso é fantástico. Nós temos muitos candidatos. Por que eu não levo vocês ao ambiente dos gatos, e eu darei a vocês dois uma chance de olhar por aí.

 Nós a seguimos corredor abaixo, aquele cheiro de anti-séptico ficando mais forte, sem dúvida cobrindo o odor de uma multidão de animais vivendo em um lugar.

 — Aqui estamos nós.

 A sala estava empilhada com gaiolas, e eu não sei se o coro de miados começou com a nossa entrada ou se era constante, mas nós fomos cercados pelo som.

 — Eu irei deixar vocês dois sozinhos. Tudo o que nós pedimos é que vocês apenas tirem um animal de cada vez. — Com um amplo, sorriso de Cheshire27 e um aceno, ela partiu.

 Em silêncio, eu espiei dentro das gaiolas, me sentindo perdida.

 Eu gostava de gatos, mas eu não estava certa se eu realmente queria um. O que eu faria com ele quando eu me formasse? Valia a pena por um cara? Valia a pena apenas para fazer sexo? Eu quero dizer, não é como se não houvesse outras opções para perder minha virgindade.

 Eu olhei para Cade, que tinha escorregado seus dedos para dentro de uma gaiola próxima, acariciando um gato preto meia-noite.

 Se eu fosse honesta, isso não era apenas para fazer sexo, mesmo se tivesse começado dessa forma. Por mais que eu quisesse Joe, eu tenho bastante certeza que se eu tentasse dormir com ele novamente, se transformaria em uma repetição da minha primeira performance desajeitada.

 — Você quer saber? — eu disse alto. — Talvez eu não esteja pronta para um gato.

 Eu me virei para partir, mas Cade entrou no meu caminho.

 — Opa. Muito sem personalidade. Você nem sequer segurou um. Dê uma chance.

 Ele abriu a gaiola com o gato preto e o arrastou para os meus braços. Ele o trouxe na minha direção, esfregando a mandíbula do gato. Eu estava no nível visual com bola de pêlos, e eu podia ouvir o ronco do motor dos seus ronrons daqui.

  Eu dei um passo para trás, e tentei explicar sem realmente explicar.

— Não é que eu não goste de gatos. Eu de fato, eu acho que eu adoraria ter... um gato. Mas e se eu
tiver um gato antes que eu esteja pronta? E se eu escolho o gato errado? Ou e se eu sou péssima em... ser uma dona de um gato, eu quero dizer?

 Deus, quanto mais fácil seria se eu pudesse dizer o que eu realmente pensava?

 Cade rolou seus olhos, e empurrou o animal nos meus braços. — Demi, você não pode ser péssima com isso se você tentar.

 Eu poderia ser péssima no sexo, porém. Conhecendo o meu super-ativo, cérebro neurótico –eu poderia ser completamente terrível com isso.

 O gato se esticou e esfregou o topo da sua cabeça contra meu queixo.

Foi bastante adorável. Cade estava radiante para mim, e eu pensei... talvez Cade fosse a melhor escolha. Eu estaria tão aterrorizada por sexo se eu estivesse fazendo isso com Cade?

 O pensamento me fez sentir trêmula, insegura.

 Eu passei o gato de volta para seus braços, ainda insegura, mas me sentindo um pouco mais calma. Quando cheguei na fileira de gaiolas, e procurei por uma cinza que poderia se passar por Hamlet. Quando eu a encontrei, o Destino deveria estar rindo de mim. Ela estava agachada no fundo da sua gaiola, seus grandes olhos verdes cautelosos. Eu abri a porta da gaiola, e ela respondeu com um rosnado gutural.  Lógico... eu iria ficar com o gato assustado.

 Sobre meu ombro, Cade disse —, Você não está falando sério.

 Se eu apenas não estivesse. Mas eu tinha dito ao Joe que Hamlet era cinza.

 — Algumas vezes, são as coisas assustadoras na vida que valem à pena. — Eu disse a ele. Tenho certeza que eu tinha lido no biscoito da sorte uma vez. Isso pareceu sábio, certo?

 Eu estiquei minhas mãos dentro da gaiola, preparei para uma mordida ou um arranhão ou um massacre completo, mas enquanto minhas mãos circulavam o meio da fera, ela reagiu apenas com um baixo rosnado.

 Cade negou sua cabeça. — Por que você não iria querer esse? — Ele levantou o gato preto perto do seu rosto. — Ele é tão doce!

 Em contraste, o gato nos meus braços estava em alerta máximo – suas pernas eretas, olhos amplos. Eu tinha uma sensação que se eu tentasse segurá-la mais perto, ela iria me espancar. Eu a coloquei no chão e ela saiu correndo, se escondendo em baixo de um banco perto.

 Eu sabia que ele estava apenas me perguntando sobre o gato, mas eu ouvi outra pergunta. Uma que ele não tinha feito, não hoje de qualquer forma. E Cade era doce, e o pensamento de estar com ele não me deixava imobilizada com medo. O pensamento de estar com ele não me deixava com nenhuma emoção poderosa, realmente.

 Foi quando eu soube—

 — Cade... eu preciso retirar o meu talvez.

 Eu juro que até os gatos pararam seus miados. Eu podia imaginar seu silêncio aturdido. Eu fiquei imaginando o que na língua do gato fosse por Oh, não ela não fez.

— Oh.

 Eu desejei que ele reagisse – gritasse, argumentasse, qualquer coisa. Eu esperei por ele brigar como aquele gato, garras para fora, dentes descobertos. Ao invés disso, ele caminhou calmamente para longe e colocou o gato preto cuidadosamente na sua gaiola, provavelmente porque nós não podíamos ter mais do que um gato solto de uma vez como a moça disse. Esse era Cade, sempre pensando sobre as regras. É como eu sempre fui, também, mas eu estava começando a pensar que não era como eu queria ser agora.

 Seu movimento foi mecânico, simples, preciso. Ele fechou a porta da gaiola e virou o trinco com um estalo agudo. Ele manteve suas costas para mim enquanto ele falou.

 — Tenho a permissão de perguntar por que?

 Eu suspirei. Eu devia isso a ele, mas como eu poderia contar a ele isso? Ele não podia saber. Se eu fosse fazer essa coisa com Joe (quem eu estava enganando? Eu provavelmente vou), então ninguém poderia saber.

Nem mesmo meus melhores amigos.

 — Eu... pode haver outra pessoa.

 — Pode haver?

 Isso era enfie-sua-mão-em-um-terrível-liquidificador. Ele não olhava para mim, e o coração em meu peito parecia um fino papel, como papel de seda, o que significava que eu estava bem perto da insensibilidade, fazendo isso com o meu melhor amigo.

 — As coisas ainda estão um pouco... complicadas. Mas eu gosto dele, muito. Eu ia esperar, ver se os sentimentos sumiriam, para que talvez você e eu pudéssemos... — Eu parei, não querendo colocar em palavras o que eu estava pensando. Não havia objetivo nisso. — Mas Cade, eu não posso lidar com como as coisas estavam. Faz menos de uma semana, e eu sinto que eu estou morrendo. Eu odeio questionar tudo que eu faço perto de você, me perguntando se está correto, me perguntando se isso cruza a linha, me perguntando se eu estou magoando você. Eu sinto falta do meu melhor amigo, mesmo quando eu estou bem ao seu lado. Então... eu tenho que fazer uma escolha. E eu preciso muito de você na minha vida para estragar tudo conosco. Se eu lhe dissesse sim, e em seguida meus sentimentos por ele não sumissem... eu não poderia fazer isso. Por favor me diga que eu já não estraguei tudo. Por favor, por favor.

 Ele se virou depois, e eu estava assustada pela mágoa que eu vi nele. O rosto de Cade pareceu estranho com uma careta.      — Eu quero dizer que nós estamos bem, Demi. Eu preciso de você, também. Mas eu não posso fingir que eu não estava esperando que isso fosse a algum lugar. Eu não sei se eu posso fazer isso. A verdade é que... você está me magoando. Não de propósito, eu sei disso. Mas eu amo você e cada segundo que você não me ama de volta... machuca.

 — Cade— eu estendi a mão para ele.

 — Não, por favor. Eu não posso.

 O cheiro de medicamentos do abrigo subitamente estava opressor, enjoativo.

 Eu perguntei —, Não pode o que? Não pode ser meu amigo?

 — Eu não sei, Demi. Eu só não sei.

Talvez.

 — A sugestão de amargura no seu tom era pequena, mas me golpeou como uma bofetada sobre o rosto de qualquer forma. Ele saiu pela porta, e eu me afundei no banco, sentindo-me desgastada e queimada e ferida. Meu coração de papel de seda estava em farrapos.

 Eu fiquei sentada ali, tentando decifrar uma forma que eu pudesse ter feito isso melhor. Havia algum caminho razoável que eu poderia ter pegado que não teria ferrado com isso tão completamente? Contando a ele não diretamente teria sido melhor? Eu deveria ter esperado até que o ano estivesse terminado e Joe tivesse partido, e então tentado ter algo com Cade?

 Minha mãe tinha me dito uma vez quando eu era pequena e tive uma amizade desfeita que alguns relacionamentos apenas terminavam. Como uma estrela, eles queimam brilhantes e intensos, e depois nada em particular dá errado, eles apenas chegam ao seu fim. Eles se esgotam.

 Eu não podia compreender a minha amizade com Cade sendo terminada.

 Algo cutucou a minha panturrilha, e então a cabeça do gato cinza apareceu entre as minhas pernas. Ela empurrou todo o seu corpo através do espaço entre os meus membros, roçando contra mim conforme ela passava. Ela circulou de volta e pressionou sua cabeça contra minha canela. Eu estendi uma mão para baixo, e ela congelou, se agachando contra o chão com medo. Lentamente, eu me movi até que minha mão pressionasse contra suas costas, deslizando ao longo da sua pelagem em um afago suave. Seu rosto relaxou, e eu a acariciei novamente.

 Eu me abaixei no chão ao lado dela. Ela olhou acima para mim, mas ela não correu. Quando eu estava certa que ela estava confortável comigo, eu a ergui em meus braços. Eu pressionei meu rosto contra sua pelagem, absorvendo o conforto que ela não percebeu que estava me dando.

 — Vamos fazer um acordo, Hamlet. Eu irei ajudar você a ter menos medo, se você me ajudar, também.

OI GENTEEEE! É a Bruna aqui, ok? Td bom cm vcs? EU TO ÓTIMA! Quem viu a Demi e o Joe cantando This Is Me ontem no show? Eu pirei, haha' Quem quer ver a apresentação, é só clicar aqui c; Gostaram do capítulo? Desculpem por não ter percebido o erro do 14/15 </3 Conversei com  a Mari e resolvi q, por conta do número ENORME de visualizações, eu vou querer, pelo menos, 4 comentários para o próximo... Pode ser assim? Comentem! Com vcs comentando, Mari pode até pensar em uma maratona... O q acham? Haha' de qualquer forma, comentem, se for p falar bem ou n da história! O q vale é a sua opinião ;D Vou indo agr... Até mais, meninas! Bjs, Bruna.

9 comentários:

  1. To amando a ficc...Posta logoooo logoooo loko loko pleaseeeeeeeeeeee

    ResponderExcluir
  2. Que perfeitooo !!! Quero maiis *-*

    ResponderExcluir
  3. Caraca, ta cada vez melhor seu blog...
    Ja pode postar mais, estou ansiosa...
    Beijinhoo
    -lili

    ResponderExcluir
  4. Essa fic é maravilhosa a asas asas
    Posta mais pfvr

    ResponderExcluir
  5. Oooow que maravilha de fic, cada vez melhor mari...
    Posta maais.. poor favoor
    *-*

    ResponderExcluir
  6. estou apaixonada pela Hamlet, ela é tão Demi versão felina! Lamento Cade mas a Demizinha quer e vai ter o Joe.
    Desculpa por não comentar sempre, como sempre digo os estudos e etc...
    Posta logo
    Sam, xoxo

    ResponderExcluir
  7. estou amando esta fic e estou amanda a Hamlet...
    Fiquei com pena do Cade, mas a Demi tem que ficar com o Joe...
    Quando vi o video deles a cantarem novamente juntos depois de tanto tempo até chorei....foi um momento lindo vê-los novamente juntos, quem dera que isso significa-se que eles voltaram, mas sei que é muito difícil isso acontecer
    Posta logo
    Nes, xoxo

    ResponderExcluir
  8. Cade o capitulo?? Ja deu mais de 4 :s
    Ta lindo, posta mais... pliss

    ResponderExcluir
  9. Aaawn que fofa *-*
    To surtando com Jemi ♥

    -Nathalia-

    ResponderExcluir