29.10.14

Maybe Someday - Prólogo


~

Eu acabei de socar uma garota no rosto. Não qualquer garota. Minha melhor amiga. Minha colega de quarto. Bem, a partir de cinco minutos atrás, eu acho que deveria chamar de ex-colega de quarto. 

O nariz dela começou a sangrar quase imediatamente, e por um segundo, eu me senti mal por bater nela. Mas então eu lembrei o quão mentirosa, vadia traidora que ela é, e isso me fez querer dar um soco nela novamente. Eu teria dado se Hunter não tivesse impedido ficando entre nós. Então, em vez disso, eu dei um soco nele. Eu não fiz qualquer estrago nele, infelizmente. Não como o estrago que eu tinha feito na minha mão.

Bater em alguém dói muito mais do que eu imaginava que doesse. Não que eu gastasse uma quantidade excessiva de tempo imaginando como seria a sensação de socar pessoas. Embora eu esteja tendo essa necessidade de novo enquanto eu encaro o meu celular com a mensagem de texto de Joe. Ele é outro que eu gostaria de tirar as coisas a limpo. Eu sei que ele tecnicamente não tem nada a ver com a minha situação atual, mas ele poderia ter me alertado um pouco antes. Portanto, eu gostaria de dar um soco nele, também.

Joe: Você está bem? Você quer vir aqui até a chuva parar?

Claro que eu não quero ir. Meu punho já dói o suficiente como está, e se eu for até o apartamento do Joe, iria doer muito mais depois que eu acabasse com ele.

Eu me viro e olho para sua varanda. Ele está encostado em sua porta de correr de vidro; celular na mão, me observando. Está quase escuro, mas as luzes do pátio iluminam seu rosto. 

Seus escuros olhos travam com os meus e a maneira como sua boca se curva pra cima em um suave sorriso arrependido torna difícil me lembrar o porquê de eu estar mesmo chateada com ele em primeiro lugar. Ele passa a mão livre pelo cabelo solto vagamente sobre a testa, revelando ainda mais a preocupação em sua expressão. Ou talvez isso seja um olhar de arrependimento. Como deve ser.

Eu decido não responder e mostro o dedo pra ele ao invés. Ele balança a cabeça e encolhe os ombros, como se dissesse, eu tentei, e então ele volta pra dentro de seu apartamento e desliza a porta fechada.

Eu coloco o celular de volta no bolso antes que molhasse, e eu olho em volta para o pátio do complexo de apartamentos onde eu vivi por dois meses inteiros. Quando nos mudamos, o quente verão do Texas foi engolindo os últimos vestígios de primavera, mas este pátio parecia de alguma forma ainda se agarrar à vida. Vibrantes hortênsias azuis e roxas cobriam as passarelas que levavam até as escadas. Na fonte fixada no centro do pátio se via um fluxo constante de jovens visitantes.

Agora que o verão chegou ao seu momento menos atraente, a água na fonte há muito tempo evaporou-se. As hortênsias são um lembrete triste e murchas do que senti quando Selena e eu nos mudamos pra cá. Olhando para o pátio agora, derrotado pela temporada, é um paralelo estranho à forma como eu me sinto no momento. Derrotada e triste.

Estou sentada na borda da fonte de cimento agora vazia, meus cotovelos apoiados sobre as duas malas que contêm a maioria dos meus pertences, à espera de um táxi para me pegar. Eu não tenho nenhuma ideia de onde isso vai me levar, mas eu sei que eu prefiro estar em qualquer lugar, exceto onde estou agora. Que é, bem, desabrigada.

Eu poderia ligar para os meus pais, mas isso os daria munição para começar a disparar todos os Nós te avisamos em mim.

Nós te dissemos para não se mudar pra tão longe, Demi.

Nós te dissemos para não levar a sério com esse cara.

Nós te dissemos que se você tivesse escolhido direito ao invés de música, nós teríamos pagado por isso.

Nós te dissemos para dar um soco com o polegar do lado de fora de seu punho.

Ok, talvez eles nunca me ensinaram as técnicas de soco adequada, mas se eles estão tão certo todo o maldito tempo, eles deveriam ter.

Eu aperto o meu punho, abro os dedos, então, os aperto novamente. Minha mão está surpreendentemente ferida, e tenho plena certeza de que eu deveria colocar gelo sobre ela. Eu sinto pena pelos caras. Dar soco é uma merda.

Sabe o que mais é uma merda? Chuva. Ela sempre encontra o momento mais impróprio pra cair, como agora, enquanto estou desabrigada.

O táxi finalmente estaciona, e eu fico em pé e pego minhas malas. Eu as coloco atrás de mim enquanto o motorista de táxi sai e abre o porta-malas. Antes mesmo de entregar-lhe a primeira mala, meu coração afunda enquanto eu de repente percebo que eu nem sequer tenho a minha bolsa comigo.

Merda.

Eu olho em volta, de volta para onde eu estava sentada nas malas, então procuro em volta do meu corpo, como se a minha bolsa fosse aparecer magicamente em meu ombro. Mas eu sei exatamente onde está a minha bolsa. A tirei pelo meu ombro e a deixei cair no chão logo antes de eu socar Selena em seu caríssimo nariz de Cameron Diaz.

Eu suspiro. E rio. Claro que eu deixei minha bolsa. Meu primeiro dia sendo sem-teto teria sido muito fácil se eu tivesse uma bolsa comigo.

Sinto muito”, eu digo para o motorista de táxi, que agora está carregando a minha segunda peça de bagagem. “Eu mudei de ideia. Eu não preciso de um táxi no momento.”

Eu sei que há um hotel cerca de algumas quadras daqui. Se eu apenas pudesse criar a coragem para voltar lá dentro e pegar minha bolsa, eu iria caminhando até lá e conseguiria um quarto até eu descobrir o que fazer. Não é como se eu pudesse ficar mais molhada.

O motorista leva as malas de volta para fora do porta-malas, as coloca na calçada em frente a mim, e caminha de volta para o lado do motorista, sem nunca fazer contato visual. Ele apenas entra em seu carro e vai embora, como se o meu cancelamento fosse um alívio.

Eu pareço assim tão patética?

Eu pego minhas malas e caminho de volta para onde eu estava sentada antes de eu perceber que estava sem bolsa. Eu olho para meu apartamento e me pergunto o que aconteceria se eu voltasse lá para pegar minha carteira. Eu meio que deixei as coisas em uma confusão quando eu saí pela porta. Eu acho que eu prefiro ser sem-teto na chuva do que voltar a subir lá.

Sento-me na minha bagagem de novo e contemplo a minha situação. Eu poderia pagar alguém para ir lá em cima pra mim. Mas quem? Ninguém está aqui fora, e quem disse que Hunter ou Selena iria mesmo dar a pessoa a minha bolsa?

Isso realmente é uma merda. Eu sei que eu vou ter que acabar chamando um dos meus amigos, mas agora, eu estou com vergonha de dizer a alguém o quão sem noção estive nos últimos dois anos. Eu fui completamente pega de surpresa.

Eu já odeio ter vinte e dois anos, e eu ainda tenho mais 364 dias pela frente.

É uma merda maior ainda que eu esteja... Chorando?

Ótimo. Estou chorando agora. Eu sou uma sem bolsa, chorona, violenta, garota sem-teto. E por mais que eu não queira admitir, eu acho que poderia ser também uma garota de coração partido.

Isso aí. Soluçando agora. Certeza que isso deve ser o que se sente ao ter seu coração partido.

Está chovendo. Apresse-se.”

Eu olho para cima para ver uma menina pairando sobre mim. Ela está segurando um guarda-chuva sobre a cabeça e olha pra mim com agitação, enquanto ela pula de um pé para o outro, esperando que eu faça alguma coisa.

"Estou ficando encharcada. Anda logo.”

Sua voz é um pouco exigente, como se ela estivesse me fazendo algum tipo de favor e estou sendo ingrata. Eu arqueio uma sobrancelha quando eu olho para ela, protegendo da chuva os meus olhos com minha mão. Eu não sei por que ela está reclamando de se molhar, quando não há muita roupa para se molhar. Ela está usando algo perto do nada. Eu olho para sua camisa, que está faltando toda a metade inferior, e percebo que ela está em uma roupa de Hooters.

Poderia este dia ficar mais estranho? Estou sentada em quase tudo o que tenho em uma chuva torrencial, sendo mandada por uma vadia garçonete Hooters.

Eu ainda estou olhando para sua camisa quando ela pega a minha mão e me puxa para cima num acesso de raiva. “Joe disse que você faria isso. Eu tenho que começar a trabalhar. Siga-me, e eu vou lhe mostrar onde é o apartamento.” Ela agarrou uma das minhas malas, tirou a alça pra fora, e a empurrou pra mim. Ela pegou a outra e caminhou rapidamente para fora do pátio. Eu a segui, por nenhuma outra razão do que o fato de que ela levou uma das minhas malas de viagem com ela e eu quero ela de volta.

Ela gritou por cima do ombro enquanto ela começou a subir a escada. “Eu não sei quanto tempo você pretende ficar, mas eu só tenho uma regra. Fique o inferno fora de meu quarto.”

Ela chegou a um apartamento e abriu a porta, nem sequer olhou para trás para ver se eu a estava seguindo.

Assim que eu cheguei ao topo da escada, fiz uma pausa fora do apartamento e olhei para baixo para uma samambaia não afetada pelo calor em um vaso do lado de fora da porta. Suas folhas estavam verdes e exuberantes, como se elas estivessem mostrando ao verão o dedo médio com a sua recusa em sucumbir ao calor. Sorrio para a planta, um pouco orgulhosa disso. Então eu franzo a testa com a percepção de que eu estava com inveja da resiliência de uma planta.

Balanço a cabeça, olho para longe, em seguida, dou um passo hesitante para dentro do apartamento desconhecido. A layout é semelhante ao meu próprio apartamento, só que este é um quarto duplo dividido com quatro quartos ao total. O meu apartamento e da Selena só tinha dois quartos, mas as salas são do mesmo tamanho.

A única outra diferença notável é que eu não vejo nenhuma vadia mentirosa, traidora, sangrando pelo nariz de pé nesse aqui. Também não vejo qualquer um dos pratos sujos ou lavanderia de Selena mentindo por aí.

A menina deixa a minha mala ao lado da porta, em seguida, fica de lado e espera por mim... bem, eu não sei o que ela está esperando que eu faça.

Ela revira os olhos e agarra o meu braço, me puxando para fora da porta e ainda mais para o apartamento.

O que diabos tem de errado com você? Você ao menos fala?” Ela começa a fechar a porta atrás de si, mas para e vira-se, com os olhos arregalados. Ela segura o dedo no ar. “Espere”, diz ela. “Você não é...” Ela revira os olhos e se bate na testa. “Oh, meu Deus, você é surda.”

Hã? O que diabos está errado com essa garota? Balanço a cabeça e começo a respondê-la, mas ela me interrompe.

Deus, Bridgette,” ela murmura para si mesma. Ela esfrega as mãos pelo seu rosto e geme, ignorando completamente o fato de que estou balançando minha cabeça. “Você é uma grande vadia insensível às vezes.”

Uau. Esta menina tem alguns problemas sérios no departamento de habilidade social. Ela é uma espécie de vadia, mesmo que ela esteja fazendo um esforço para não ser uma. Agora que ela pensa que eu sou surda. Eu nem sei como responder. Ela balança a cabeça como se tivesse decepcionada com ela mesma, em seguida, olha diretamente para mim.

EU... TENHO... QUE... IR... PARA... O... TRABALHO... AGORA”, ela grita muito alto e dolorosamente lento. Eu faço careta e dou um passo para trás, o que deve ser um grande indício de que eu posso ouvi-la praticamente gritando: mas ela não percebe. Ela aponta para uma porta no fim do corredor. “JOE... ESTÁ... NO... SEU... QUARTO!”

Antes de eu ter a chance de dizer a ela que ela pode parar de gritar, ela deixa o apartamento e fecha a porta atrás dela.

Eu não tenho ideia do que pensar. Ou o que fazer agora. Eu estou de pé, toda molhada, no meio de um apartamento desconhecido, e a única pessoa além de Hunter e Selena por quem eu sinto vontade de socar está agora a poucos metros de distância em outro quarto. E por falar em Joe, por que diabos ele enviou sua namorada Hooters psicopata para me buscar? Eu peguei meu celular e comecei a digitar uma mensagem pra ele quando a porta do quarto abriu.

Ele saiu para o corredor com os braços cheios com cobertores e um travesseiro. Assim que ele fez contato visual comigo, eu suspirei. Eu espero que não seja um suspiro perceptível. É só que eu nunca o tinha realmente visto de perto antes, e ele é ainda mais bonito a alguns passos de distância, do que ele é do outro lado de um pátio de apartamentos.

Eu acho que nunca vi olhos que pudessem realmente falar. Eu não tenho certeza do que quero dizer com isso. Só parece que ele poderia atirar em mim o olhar mais ínfimo com aqueles olhos escuros dele, e eu sei exatamente o que eles precisam que eu faça. Eles estão penetrantes e intenso e oh, meu Deus, eu estou encarando.

O canto de sua boca se inclina em um sorriso quando ele passa por mim e vai direto para o sofá.

Apesar de seu rosto atraente e um pouco de aparência inocente, eu quero gritar com ele por ser tão falso. Ele não deveria ter esperado mais de duas semanas para me dizer. Eu teria tido a oportunidade de planejar tudo isso um pouco melhor. Eu não entendo como é que poderia ter tido duas semanas de conversas sem ele sentir a necessidade de me dizer que o meu namorado e minha melhor amiga estavam transando.

Joe jogou os cobertores e travesseiro no sofá.

Eu não vou ficar aqui, Joe,” Eu digo, tentando fazê-lo parar de perder seu tempo com sua hospitalidade. Eu sei que ele se sente mal por mim, mas eu mal conheço ele, e eu me sentiria muito mais confortável em um quarto de hotel do que dormindo no sofá de um estranho.

Então, novamente, quartos de hotel exigem dinheiro.

Algo que eu não tenho comigo no momento.

Algo que está dentro da minha bolsa, do outro lado do pátio, em um apartamento com as duas únicas pessoas no mundo que eu não quero ver agora.

Talvez um sofá não é uma ideia tão ruim, afinal.

Ele deixa o sofá arrumado e se vira, baixando os olhos para minhas roupas encharcadas. Eu olho para baixo, para a poça de água que estou criando no meio de seu chão.

Oh, desculpe,” eu murmuro. Meu cabelo está emaranhado na minha cara; minha camiseta está agora um transparente patético como uma barreira entre o mundo exterior e meu sutiã, muito rosa e muito visível. “Onde é o seu banheiro?”

Ele acena com a cabeça em direção à porta do banheiro.

Eu me viro, abro uma mala, e começo a vasculhar enquanto Joe caminha de volta para o seu quarto. Fico feliz que ele não me faça perguntas sobre o que aconteceu depois da nossa conversa anterior.

Não estou com vontade de falar sobre isso.

Eu selecionei um par de calças de ioga e uma regata, em seguida, peguei o meu saco de produtos de higiene e fui para o banheiro. Me incomoda que tudo sobre este apartamento me faça lembrar do meu, com apenas algumas sutis diferenças. Este é o mesmo banheiro com as portas duplas na esquerda e na direita, que conduz à dois quartos que utilizam ele. Uma delas é do Joe, obviamente. Estou curiosa sobre a quem o outro quarto pertence, mas não curiosa o suficiente para abri-la. Uma regra da garota Hooters era ficar o inferno fora do quarto dela, e ela não parece o tipo de brincadeiras.

Eu fechei a porta que leva à sala de estar e a tranquei, em seguida, verifiquei as travas em ambas as portas dos quartos para me certificar de que ninguém poderia entrar. Eu não tenho ideia se alguém mais vive neste apartamento que não seja Joe e a garota Hooters, mas eu não quero arriscar.

Eu tirei minhas roupas encharcadas e as joguei na pia para evitar molhar o chão. Eu ligo o chuveiro e espero até que a água fique quente, em seguida, entro. Eu estou sob a corrente de água e fecho meus olhos, grata que eu não estou mais sentada do lado de fora na chuva. Ao mesmo tempo, eu não estou muito feliz por estar onde estou, também.

Eu nunca esperei que meu vigésimo segundo aniversário acabaria comigo tomando banho em um apartamento estranho e dormindo em um sofá que pertence a um cara que eu mal conheci à duas semanas, tudo por culpa das duas pessoas que eu mais me importava e confiava.


~

postando rapidinho p ir p aula! dps esclareço a questão de diley, niley, jemi... enfim, comentem! bjs, Bruna ♥

5 comentários:

  1. Só agora consegui colocar a leitura em dia, triste pq acabou a outra fic, animada pra essa novaaaaa. Posta mais...
    Carla

    ResponderExcluir
  2. A Selena nessa fic é uma vaca pelo jeito, isso aí demi acerta ela de novo. Cuida da demi , joe pfvrr. POSTA LOGO. POSTA LOGO. POSTA LOGO.

    ResponderExcluir
  3. POSTAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir