5.11.14

Maybe Someday - Capitulo 4 - Joe


~

Ainda está chovendo, e eu sei que ela acabou de colocar roupas secas após seu banho, então quando chegamos ao final da escada, eu puxo meu celular e envio uma mensagem pra ela.

Eu: Espere aqui, assim você não se molha novamente. Vou buscar eu mesmo.

Ela lê o texto e balança a cabeça, em seguida, olha atrás para mim. “Não. Eu vou ir com você.”

Eu não posso deixar de apreciar o fato de que ela não respondeu ao fato de eu ser surdo do jeito que eu esperava. A maioria das pessoas ficam pouco à vontade, uma vez que não tem certeza de como se comunicar comigo. A maioria deles levantam a voz e falam devagar, mais ou menos como Bridgette. Eu acho que eles pensam sendo mais alto vai de alguma forma, milagrosamente me fazer ouvir novamente. No entanto, isso não faz nada, além de me forçar para conter o meu riso enquanto eles falam comigo como se eu fosse um idiota. Certo, eu sei que as pessoas não fazem isso para serem desrespeitosos. É apenas simples ignorância, e isso está tudo bem. Estou tão acostumado com isso que eu nem percebo mais.

No entanto, eu notei a reação de Demi ... porque realmente não havia uma. Assim que ela descobriu, ela apenas se apoiou no balcão e continuou a falar comigo, mesmo que ela tenha começado a falar comigo por mensagem. E ajuda que ela digita rápido.

Corremos através do pátio até chegarmos à base das escadas que levam até o apartamento dela. Eu começo a andar para cima e percebo que ela está congelada no final das escadas. O olhar em seus olhos é nervoso, e eu imediatamente me sinto mal por não perceber o quão difícil isso deve ser para ela. Eu sei que ela está, provavelmente, machucada muito mais do que ela está deixando transparecer. Ao saber que sua melhor amiga e seu namorado te traíram deve ser difícil, e nem sequer se passou um dia desde que ela descobriu. Eu ando de volta as escadas e pego sua mão, então dou um sorriso tranquilizador para ela. Puxo sua mão; ela respira fundo e caminha comigo pelas escadas. Ela me bate no ombro quando chegarmos a sua porta, e eu viro. “Posso esperar aqui?”, Diz ela. “Eu não quero vê-los.” Eu aceno, aliviado que os lábios são fáceis de ler.

Mas vaca bem você burro, portanto, o meu pássaro?”, Diz ela.

Ou eu acho que foi isso o que ela disse. Eu rio, sabendo que é mais do que provável que eu li completamente errado seus lábios. Ela diz mais uma vez quando ela vê a confusão no meu rosto, mas eu ainda não entendo ela. Eu ergo meu celular para que ela possa me enviar uma mensagem.

Demi: Mas como você vai pedir a eles minha bolsa?

É. Eu estava um pouco fora nessa.

Eu: Eu vou pegar sua bolsa, Demi. Espere aqui.

Ela acena com a cabeça. Eu digito uma mensagem enquanto ando até a porta da frente e bato. Um minuto se passa, e ninguém atende à porta, então eu bato de novo, com mais força, pensando que talvez a minha primeira batida foi muito fraca para ser ouvida. A maçaneta gira, e a amiga de Demi aparece na porta. Ela me olha curiosamente por um segundo, em seguida, olha para trás. A porta se abre mais ampla, e Hunter aparece, olhando-me desconfiado.

Ele diz algo que parece “Posso ajudar?” Eu ergo a mensagem que diz que eu estou aqui para pegar a bolsa de Demi, e ele olha para baixo e a lê, então balança a cabeça.

Quem diabos é você?”, diz ele, aparentemente, não gostando do fato de que eu estou aqui em nome de Demi.

A garota desaparece da porta, e ele abre a porta ainda mais, em seguida, cruza os braços sobre seu peito e olha pra mim. Aponto o meu ouvido e balanço a cabeça, deixando-o saber que eu não posso ouvir o que ele está dizendo.

Ele faz uma pausa, em seguida, joga a cabeça para trás e ri e desaparece da porta. Eu olho para Demi, que está de pé nervosamente no topo da escada, me observando. Seu rosto está pálido, e eu lhe dou uma piscadela, deixando-a saber que está tudo bem. Hunter volta, dá um tapa em um pedaço de papel contra a porta, e escreve sobre ele. Ele segura o papel para eu ler.

Você está transando com ela?

Jesus, que idiota. Eu aponto para o papel e caneta, e ele as entrega para mim. Eu escrevo a minha resposta e o entrego de volta para ele. Ele olha para o papel, e sua mandíbula aperta. Amassa o papel, deixa-o cair no chão, e então, antes que eu possa reagir, o punho está vindo para mim.

Aceito a batida, sabendo que eu deveria ter me preparado para isso. A garota reaparece, e posso dizer que ela está gritando, embora eu não tenho ideia do que ela está gritando ou o que ela está dizendo. Assim que eu dou um passo para trás da porta, Demi está na minha frente, correndo para o apartamento. Meus olhos a seguem enquanto ela corre pelo corredor, desaparece em uma sala, e volta para fora segurando uma bolsa. A garota para em frente a ela e coloca a mão sobre os ombros de Demi, mas Demi a empurra seus braços pra trás, faz um punho, e soca a menina no rosto.

Hunter tenta entrar na frente de Demi para impedi-la de sair, então eu toco seu ombro.

Quando ele se vira, eu o soco direto no nariz, e ele tropeça para trás. Os olhos de Demi se alargam, e ela olha de volta para mim. Eu pego sua mão e a puxo para fora do apartamento, em direção às escadas.

Felizmente, a chuva finalmente parou, por isso, nós dois corremos de volta para o meu apartamento. Eu olho para trás de mim um par de vezes para me certificar de que nenhum dos dois está nos seguindo. Uma vez que chegamos ao outro lado do pátio até minhas escadas, eu abro a porta e dou um passo para o lado para que ela possa correr para dentro. Eu fecho a porta atrás de nós e me curvo, apertando os joelhos com as mãos para recuperar o fôlego.

Que imbecil. Eu não tenho certeza do que Demi viu nele, mas o fato de que ela namorou com ele me faz questionar um pouco seu julgamento.

Eu olho para ela, esperando para vê-la em lágrimas, mas em vez disso, ela está rindo. Ela está sentada no chão, tentando recuperar o fôlego, rindo histericamente. Eu não posso deixar de sorrir, ao ver a reação dela.

E o fato de que ela deu um soco na garota direto no rosto, sem um momento de hesitação? Eu tenho que entregar isso pra ela, ela é mais durona do que eu pensava.

Ela olha para mim e inala uma respiração calmante, então fala a palavra obrigado, enquanto segura sua bolsa. Ela se levanta e tira o cabelo molhado do rosto, em seguida, caminha até a cozinha e abre algumas gavetas até encontrar um pano de prato e o puxa para fora. Ela o molha embaixo da torneira, se vira, e o movimenta pra mim. Quando eu chego até ela, eu me inclino contra o balcão enquanto ela toma meu queixo e angula meu rosto para a esquerda. Ela pressiona a toalha no meu lábio, e eu estremeço. Eu nem percebi que estava doendo até que ela tocou. Ela puxa o pano de volta, e há sangue nele, então ela o enxágua sob a torneira e o coloca de volta na minha boca. Percebo que sua própria mão está vermelha. Eu a pego e inspeciono. Já está inchada.

Eu puxo o pano de sua mão e limpo o resto de sangue do meu rosto, em seguida, pego um saco de plástico do armário, vou até freezer, e o encho com gelo. Pego sua mão e pressiono o gelo nela, deixando-a saber que ela precisa mantê-lo lá. Eu me inclino contra o balcão ao lado dela e puxo meu celular.

Eu: Você bateu bem nela. Sua mão já está inchada.

Ela me manda uma mensagem com uma mão, mantendo o gelo em cima da outra, enquanto repousa sobre o balcão.

Demi: Poderia ser porque essa não era a primeira vez que eu soco ela hoje. Ou também pode estar inchada porque você não é o primeiro a bater no Hunter hoje.

Eu: Uau. Estou impressionado. Ou apavorado. Três socos é sua média diária?

Demi: Três socos é agora a minha média de vida.

Eu rio.

Ela encolhe os ombros e coloca seu celular para baixo, em seguida, puxa o gelo fora de sua mão e o leva de volta para a minha boca. “Seu lábio está inchado”, diz ela.

Minhas mãos estão apertando a bancada atrás de mim. Eu fico cada vez mais desconfortável com a forma como ela está confortável com tudo isso. Pensamentos de Maggie piscam pela minha cabeça, e eu não posso evitar, mas será que ela ficaria bem com este cenário se estivesse caminhando pela porta da frente agora.

Eu preciso de uma distração.

Eu: Você quer um bolo de aniversário?

Ela sorri e acena com a cabeça.

Eu: Eu provavelmente não deveria dirigir, já que você me transformou em um bêbado violento esta noite, mas se você sentir vontade de caminhar, Park Diner faz uma malditamente boa sobremesa, e é a menos de um quilômetro daqui. Certeza que a chuva passou.

Deixa eu me trocar”, diz ela, apontando para suas roupas. Ela puxa a roupa de sua mala, em seguida, vai para o banheiro. Eu coloco a tampa sobre o Pine-Sol e o escondo de volta debaixo do armário.

~

Postando rapidinho aqui! E sim, o Joe é surdo msm... Comentem! Beijos, amo vcs!
Bruna

5 comentários:

  1. Continuaaaa..... adorei ela batendo na Selena de novo. Posta mais hj..... pfvrr....

    ResponderExcluir
  2. Posta logo, quando vai rolar o primeiro beijo?

    ResponderExcluir
  3. Posta mais please...cade o beijo??

    ResponderExcluir